Fatos & bastidores – Walter Gomes

> Antes da filiação ao PT, que lhe abriu o caminho para o Palácio do Planalto, Dilma Rousseff estagiou no…

> Antes da filiação ao PT, que lhe abriu o caminho para o Palácio do Planalto, Dilma Rousseff estagiou no PTB e, na sequência, militou no PDT.

> Reação do deputado Ônix Lorenzoni (DEM-RS) à libertação do preso Paulo Roberto Costa, ex-diretor da Petrobras, determinada por Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal: “O ministro simplesmente libera, única e exclusivamente, um dos baluartes do esquema de corrupção protagonizado pelo PT e seus comparsas.”

> Declaração do senador Fernando Collor (PTB-AL): “Faço parte do coro que entoa Fica, Dilma.”

> Lula da Silva confessou a dois empresários paulistas o receio de problemas complicados durante a Copa do Mundo. O temor maior do ex-chefe do governo refere-se à segurança. Não é à toa a preocupação dele. Os órgãos federais de inteligência preveem dificuldades, mas não avaliam os desdobramentos das manifestações de rua, disse o senhor Silva aos interlocutores.

> Economia em ritmo lento derruba a oferta de empregos formais. Mês passado, registrou-se a maior queda desde 1999. Foi de 46%, conforme o Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados).

> Ministro das Cidades na segunda metade da administração Rousseff, o deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) olha, simpático, para os candidatos Aécio Neves e Eduardo Campos. Há conversas – inconclusivas, porém – com agentes do mineiro e do pernambucano. Lembrete: o governador da Paraíba, Ricardo Coutinho, em campanha para reeleger-se, é do PSB. Campos é o líder nacional da sigla.

Trio em conflito

O PR e três preferências para chefiar o governo federal.

Dilma Rousseff é a opção do presidente nacional do partido, senador Alfredo Nacional (AM).

Quem coordena o bloco que tem Aécio Neves como opção é o líder da legenda na Câmara, Bernardo Santana (MG).

Anthony Garotinho (RJ), deputado em campanha para voltar ao Palácio Guanabara, sede do poder fluminense, tende a dividir o seu palanque com Eduardo Campos.

Garotinho divide com o senador Marcelo Crivella (PRB) o primeiro lugar na disputa pela governadoria.

Está em outra

Falha pressão da cúpula nacional do PMDB.

Presidente em exercício, o senador Valdir Raupp (RR) procurou o deputado Raul Henry (foto) para cobrar-lhe integração à aliança de apoio à chapa Dilma Rousseff-Michel Temer.

O peemedebista pernambucano respondeu:

“Defendo que o partido adote outro projeto. Minha posição sempre foi absolutamente clara.”

Raupp retorquiu:

“Esperava de você correção ao partido.”

Henry fechou o diálogo:

“Sou correto com o Brasil.”

Parceiro do senador Jarbas Vasconcelos, Raul Henry está no palanque presidencial de Eduardo Campos (PSB).

– Falta a convenção nacional homologar, mas está definido o apoio do PTB à reeleição da presidente da República.

– Hoje, rede nacional de propaganda do DEM. No rádio, das 20h às 20h10; na tevê, 20h30 às 20h40.

– Se for cumprida a pauta acertada com os líderes de partidos, a Câmara vota quarta-feira (28) o Plano Nacional de Educação.

-Terça-feira (27), em Brasília, lançamento do livro ‘Gabinete de crises’. Autoria conjunta de José Alberto da Cunha Couto e José Antônio de Macedo Soares.

– “O PT do Ceará tem candidato ao Senado; e eu sou o escolhido. Não há, portanto, o que discutir”. As palavras foram ditas e repetidas ontem, na Câmara e adjacências, pelo deputado José Guimarães.

– Wilma de Faria (PSB) e Fátima Bezerra (PT), duas personagens flamejantes da política potiguar, estão de volta a palanques oponentes. Separa-as, agora, a disputa para o Senado. Elas fazem o melhor discurso da pré-campanha.

– Para refletir: “É melhor ser alegre que ser triste. Alegria é a melhor coisa que existe. É assim como a luz no coração” (Vinicius de Moraes, compositor e poeta brasileiro).

Compartilhar: