Fernando Lucena: “Henrique e João Maia ainda mamam nas tetas do governo Rosalba”

Vereador do PT critica propaganda política do PMDB, que pede mudança no Rio Grande do Norte

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Alex Viana

Repórter de Política

O vereador Fernando Lucena (PT) denunciou na manhã de hoje que o presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves (PMDB), e o presidente do Partido da República no Rio Grande do Norte, deputado federal João Maia, ainda possuem indicações de cargos no governo da governadora Rosalba Ciarlini (DEM). Esse seria, inclusive, um dos motivos para PMDB e PR serem contra o impeachment da governadora.

A declaração do petista, à Rádio Cidade (94 FM), é uma resposta à propaganda do PMDB, veiculada neste domingo, onde Henrique aparece afirmando representar “a mudança” no Estado. “Eu acho que Henrique não tem nenhuma autoridade para dizer que vai mudar alguma coisa, porque ele saiu ontem do governo Rosalba. Henrique e João Maia, as cadeiras não esfriaram ainda do governo Rosalba, porque a teta, o leite está muito pouco e eles estão atrás de outro”, afirmou o petista.

Lucena criticou, ainda, a tentativa do chamado acordão de obrigar os evangélicos do Estado a votarem em Henrique Alves para governador. Neste final de semana, um evento misturou religião e política, com o objetivo de assediar pastores e fieis a apoiarem o peemedebista. “Isso é uma coisa muito grave. Religião é livre, vai quem quer. Agora você não pode estar obrigando. Eu acho que o cidadão tem que ter o direito livre. Isso é o poder econômico”, afirmou Lucena. “Ou é de graça isso aí?”, questionou, levantando suspeitas de que líderes políticos ligados à igreja evangélica teriam recebido algo em troca para direcionarem o rebanho para a candidatura do peemedebista.

MOSSORÓ

Sobre a sucessão mossoroense, Lucena declarou que o povo de Mossoró deu um “cartão vermelho” ao acordão, antecipando o resultado das urnas de outubro deste ano. “Eles foram para Mossoró com poder econômico, com tudo o que tinham e o que aconteceu? O resultado de Mossoró é o retrato do que vai acontecer no Rio Grande do Norte. Eu estou pedindo encarecidamente que Henrique não desista da candidatura, porque ô candidato bom para a gente derrotar!”, afirmou.

“Briga municipal vai beneficiar Robinson e Fátima”

Sobre as candidaturas de Robinson Faria (PSD) e Fátima Bezerra (PT) para o governo e o Senado, respectivamente, o petista classificou como “firmes”. “Você vai em uma cidade do interior aí tem os bacurau, que não votam em Henrique de jeito nenhum, porque foram perseguidos pelo povo de Wilma e vice-versa. Então nós entramos no mínimo com 40% dos eleitores de qualquer cidade do Rio Grande do Norte. São as pessoas que, por sobrevivência política, têm que votar contra Henrique”.

Segundo Lucena, as disputas entre grupos políticos em cada município do Estado irá beneficiar a candidatura de Robinson e Fátima Bezerra. “Essa briga no interior, que é muito acirrada, vai beneficiar muito Robinson e Fátima, porque o aliado de Wilma que votou em Wilma e brigou com o pessoal do PMDB agora não vão se juntar de jeito nenhum”, afirmou. “Nós vamos ter cerca de 40% dos votos nos municípios e Natal e Grande Natal vão dar uma lição muito grande, porque conhecem muito mais, sofrem muito mais, sabem que Henrique não fez nada durante 44 anos na Câmara, nem uma fábrica de carro de mão ele trouxe, só fica na lorota”, disse.

Lucena conclui: “O povo não aguenta mais lorotagem, dizer que vai fazer isso, fazer aquilo e quando o povo procura, cadê? Agora Fátima está aí, o PT tem o que dizer para o povo; estão aí os IFRN’s, está aí o Bolsa Família, está aí o Prouni”. Sobre o anúncio de apoio do PTB a Robinson Faria, Lucena afirmou que outros partidos irão. “Vão voltar muitos partidos. O G10 deles já rachou, eu acho que muitos partidos vão vim para nós por uma questão muito simples: quem ficar lá vai afundar nessa barcona. Essa barca não aguenta o peso de tanta gente ruim em um barco só. Portanto, a esperança do povo de mudança é Robinson e Fátima, não tem outra, e o cidadão vai compreender”.

Compartilhar: