Filho de Agripino é o deputado federal mais rico do RN com patrimônio de R$ 15 milhões

Felipe tem recursos suficientes em dinheiro e investimentos para comprar todo o patrimônios de Dilma e Aécio

IMG_0312

Ciro Marques

Repórter de Política

O presidente da Câmara Federal, Henrique Eduardo Alves, do PMDB, tem um patrimônio maior que os três principais candidatos à presidência da República, Dilma Rousseff (PT), Aécio Neves (PSDB) e Eduardo Campos (PSB) juntos. Contudo, depois de 11 mandatos consecutivos em Brasília, Henrique não é, pelo menos oficialmente, o deputado federal mais rico do RN. Esse posto é de Felipe Maia, filho do senador e presidente nacional do DEM, José Agripino Maia. O democrata tem um patrimônio de, aproximadamente, R$ 15 milhões.

O valor declarado para as eleições deste ano é R$ 7 milhões maior que o patrimônio que Felipe Maia declarou em 2010, quando foi reeleito deputado federal pelo DEM. Contudo, o fato de ter dobrado, em quatro anos, o já milionário patrimônio, não é a única coisa que chama a atenção – até porque boa parte dos candidatos também fez o mesmo. O que se destaca mesmo nas informações de renda de Felipe Maia, disponibilizadas pela Justiça Eleitoral (por meio do DivulgaCand, do TSE) são as diversas aplicações financeiras e os mais de R$ 500 mil em dinheiro em espécie que o parlamentar guarda.

Sobre as aplicações, Felipe Maia tem R$ 219 mil na poupança do Banco Safra; R$ 9,8 mil em conta corrente do Banco do brasil; R$ 245 mil em aplicação de renda fixa no Bic Banco; R$ 1,4 milhão em aplicação de renda fixa no Banco Safra; R$ 1,1 milhão em aplicação no Banco Safra; R$ 5,2 milhões em aplicação no Banco Santander; R$ 1,2 milhão em outra aplicação no Banco Safra; R$ 941 mil em aplicação do Santander; R$ 560 mil em letra de crédito agropecuário do Banco Safra; R$ 160 mil em crédito imobiliário no Banco Safra; R$ 99 mil em depósito em conta corrente no Banco do Brasil; R$ 3,3 mil em conta corrente de outra conta no BB; R$ 942 mil em fundo de investimento no Santander; e R$ 212 mil em investimento em letras hopotecarias também no Banco Safra.

Isso quer dizer que, dos R$ 15 milhões de patrimônio declarado de Felipe Maia, cerca de R$ 13 milhões são só em dinheiro vivo, crédito em contas bancárias e aplicações financeiras. Com esse valor, o filho de José Agripino poderia, por exemplo, comprar todos os bens divulgados por Henrique Eduardo Alves à Justiça Eleitoral, uma vez que o candidato do PMDB tem um patrimônio de R$ 12 milhões – e nenhum dinheiro em espécie ou aplicações financeiras.

O dinheiro de Felipe Maia também seria suficiente para que o democrata, que está no seu terceiro mandato na Câmara Federal, adquirisse os bens dos três principais candidatos a presidência da República – todos juntos daria cerca de R$ 4 milhões em patrimônio. E ainda sobraria para comprar boa parte dos bens de Robinson Faria, candidato do PSD ao Governo do Estado e que tem um patrimônio orçado em R$ 8 milhões.

OUTROS BENS

Além desse dinheiro aplicado, Felipe Maia, que é um dos donos de uma das principais empresas de querosene de aviação do Nordeste, tem também três apartamentos (um deles avaliado em R$ 853 mil, em Areia Preta); dois lotes, um no Alphaville e outro no condomínio Punta del Mar; percentuais em terrenos na zona Norte de Natal; e três carros, sendo um Civic, um Land Rover Evoque e um Duster.

Felipe Maia também tem participações na Hyndra Investimentos Imobiliários; LFC Motos e Veículos; Tropical Produções LTDA; Avigas Nordeste; AF. Participações e Empreendimentos; Radio Curimatau de Nova Cruz; Alagamar Rádio Sociedade; Comav – Comércio de Combustíveis para Aviação; North Beach Empreendimentos; e Sociedade Radio a Voz do Seridó.

EVOLUÇÃO PATRIMONIAL

Com tudo isso, significa dizer que só nos últimos quatro anos, Felipe Maia conseguiu dobrar seu patrimônio, sobretudo, graças as aplicações financeiras. Em 2010, quando foi candidato a deputado federal pela segunda vez, Felipe Maia tinha R$ 7,4 milhões declarados junto à Receita Federal. Eram R$ 450 mil em dinheiro em espécie guardados pelo filho de Agripino.

A evolução de bens de Felipe Maia e de todos os outros candidatos nas eleições deste ano estão disponíveis no portal DivulgaCand 2014, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e são públicas, podendo ser acessadas por todos os eleitores.

Patrimônios de Fábio Faria, Betinho Rosado e Paulo Wagner também dobraram em quatro anos

A bancada potiguar na Câmara Federal passará, obrigatoriamente, por uma reformulação em 2015. Afinal, dos oito deputados federais que o Rio Grande do Norte tem na Casa Legislativa de Brasília, três não serão candidatos: Henrique Alves (vai disputar o Governo); João Maia (será vice de Henrique) e Fátima Bezerra (disputará o Senado). E, observando as candidaturas à reeleição dos outros nomes, é possível constatar que não foi só Felipe Maia que dobrou o patrimônio pessoal em quatro anos de mandato. Fábio Faria (PSD), Betinho Rosado (PP) e Paulo Wagner (PV) também conseguiram multiplicar seus bens.

O filho de Robinson Faria, candidato ao Governo do Estado pelo PSD, declarou à Justiça Eleitoral ter, hoje, um patrimônio de R$ 5 milhões. Há quatro anos, tinha R$ 1,9 milhão de bens em nome dele. Betinho Rosado, do PP, cunhado da governadora Rosalba Ciarlini, do DEM, tem hoje R$ 2 milhões de patrimônio e, quando foi candidato em 2010, tinha “apenas” R$ 499 mil em bens. Paulo Wagner, que recentemente pediu aposentadoria por invalidez na Câmara, mas mesmo assim será candidato a reeleição, tem atualmente um patrimônio de R$ 1,3 milhão. Quatro anos atrás, o parlamentar do PV possuía R$ 430 mil em bens.

Com relação à declaração de bens de Fábio Faria, destaque para as ações e participação no capital da academia Aibodytech, que representam mais de R$ 3,5 milhões do orçamento do deputado federal do PSD. Há quatro anos, a academia Athletica LTDA (que se tornou Bodytech) estava avaliada em, apenas, R$ 70 mil, de acordo com a declaração de imposto de renda do parlamentar federal, que também tinha participações nas firmas Documentos e Delivery LTDA, North Beach LTDA e Quatro por Quatro LTDA – não há, hoje, registro de participação dele nessas empresas.

Por outro lado, o filho de Robinson continua com um apartamento situado na avenida Governador Sílvio Pedrosa, orçado em R$ 1,2 milhão, um terreno no condomínio Lago do Mato, em Macaíba, de R$ 27 mil, e participação na empresa FDois Comunicação e Entretenimento, avaliada em R$ 19,5 mil. Fábio também tem R$ 85 mil em dinheiro vivo, fora esses bens descritos. Não existe registro de carros ou aplicações financeiras atualmente em nome do deputado do PSD.

No caso de Betinho Rosado, destaque para o “saldo de economias” no valor de R$ 1,2 milhão que o deputado declarou ao imposto de renda. O irmão de Carlos Augusto Rosado, secretário-chefe do Gabinete Civil, tem também participações na empresa Somapetro e na empresa Marisal LTDA, ambas em Mossoró. Betinho Rosado possui, ainda, 300 cabeças de gado avaliada em R$ 30 mil.

Ex-secretário estadual de Agricultura, Betinho Rosado também declarou possuir três propriedades rurais no município de Governador Dix-Sept Rosado, com um valor consideravelmente baixo, apesar de serem bastante extensas. A maior tem 554 hectares, mas custa apenas R$ 5,5 mil. Outras duas, de 115 hectares, custam o mesmo valor: R$ 3 mil.

Paulo Wagner, do PV, saiu de R$ 430 mil em 2010, para R$ 1,3 milhão em 2014. Destaque para os automóveis que ele possui registrados em seu nome, sendo um Land Rover Discover, avaliado em, surpreendentes, R$ 32 mil, e um Hyundai HB20, que custaria R$ 741 mil – provavelmente, aí, um erro na declaração de imposto de renda do parlamentar.

João Maia reduz patrimônio de R$ 14 milhões para “apenas” R$ 2,3 milhões

De maneira geral, os políticos têm um incremento do patrimônio depois que conseguem cargos eletivos. Os deputados federais Felipe Maia (DEM), Fábio Faria (PSD), Betinho Rosado (PP) e Paulo Wagner (PV) são exemplos disso. O colega deles na Câmara Federal, João Maia (PR), porém, é uma estranha exceção. Em quatro anos, ele teve o patrimônio reduzido seis vezes: saiu de R$ 14 milhões em 2010, para cerca de R$ 2,3 milhões em 2014.

Aparentemente, os motivos para isso são vários. João Maia apresentou redução em, praticamente, todos os tipos de patrimônio que possui. Os imóveis, por exemplo, reduziram de um valor de, aproximadamente, R$ 2 milhões, para R$ 920 mil. O apartamento que possuía, por exemplo, no edifício Aldebaran (agora interditado devido ao deslizamento de terra ocorrido em Areia Preta), foi repassado, o que representou, sozinho, uma redução de quase R$ 1 milhão no patrimônio do deputado federal candidato a vice-governador na chapa de Henrique Alves.

Não foi só. Dono de sete carros em 2010, sendo dois deles Pajeros (avaliados em mais de R$ 250 mil cada), dois caminhões e uma Land Rover, João Maia tem, agora, apenas cinco. Além disso, o deputado federal também perdeu boa parte dos fundos de investimentos registrados no Bando do Brasil, que lhe faziam ser responsável por mais de R$ 10 milhões em dinheiro. Hoje, o parlamentar tem registrado “apenas” dois créditos bancários (um deles pela venda do Aldebaran), no valor de R$ 360 mil, e menos de R$ 10 mil em contas correntes.

Pelo menos, ainda restaram a João Maia participação em boa parte das empresas que ele tinha desde 2010. O vice de Henrique Alves continua, por exemplo, dono de parte da Empresa Maia Assessoria Empresarial; JSM Consultoria Comercial; Estação Jardim Fim; Maxtran Empreendimentos e Participações; Estação JJ&A; Ponta d’Água e Pipa Empredimentos e Incorporações.

Deputado estadual do PSD tem patrimônio de R$ 34,5 milhões

O deputado estadual José Dias, candidato a reeleição pelo PSD, tem o maior patrimônio daqueles que disputam as eleições 2014 no Rio Grande do Norte. São R$ 34,5 milhões em bens, boa parte deles, resultantes de títulos de dívidas agrárias, que chegam a representar mais de R$ 6,5 milhões do patrimônio do parlamentar estadual.

É claro que, com uma fortuna de R$ 34,5 milhões, José Dias não tem só os títulos de dívida agrária como bem. O deputado estadual tem também R$ 2,7 milhões em saldo de aplicações de agronegócios; R$ 1 milhão de aplicações em agronegócio; R$ 846 mil de custodia de ações do Banco do Brasil; R$ 3,3 milhões em letra de crédito de agronegócio; e R$ 2,3 milhões em saldo de letras de crédito imobiliário.

Além disso, José Dias tem 30 imóveis registrados em seu nome (boa parte deles, com preços desatualizados, o que mostram que o patrimônio do parlamentar pode ser ainda maior que o divulgado). São cinco sítios, oito loteamentos no Parque das Árvores, seis casas, seis terrenos e quatro propriedades rurais, sendo duas em Macau, uma em Macaíba e uma em Carnaubais. O mais valioso? Um loteamento em Barra Nova, Nísia Floreste, avaliado em R$ 2,4 milhões.

José Dias tem ainda no nome dois carros de luxo estilo Land Rover, um Volvo e um Gran Vitara, que somados ultrapassam a casa dos R$ 500 mil. Ações do Banco do Brasil, Mendes Júnior, Ferbase, Copene e Embratel, além de joias no valor de R$ 250 mil e mais uma adega de vinhos e bebidas nacionais e internacionais, avaliada em R$ 50 mil, completam o patrimônio do parlamentar.

Compartilhar: