Fiscalização aumenta no RN e já são 461 habilitações apreendidas em janeiro

Foram cinco blitz realizadas e cerca de R$ 648 mil pagos ao Detran/RN, em multas

Polícia Rodoviária Estadual e Federal prometem manter continuidade das operações para cumprir o que determina a Lei Seca. Foto: Divulgação
Polícia Rodoviária Estadual e Federal prometem manter continuidade das operações para cumprir o que determina a Lei Seca. Foto: Divulgação

Déborah Fernandes
Repórter

A operação Lei Seca, realizada em todo o estado do Rio grande do Note, apreendeu só neste mês de janeiro 461 carteiras de habilitação de motoristas que apresentaram índice de álcool acima do nível permitido pela lei ou se recusaram a realizar o teste do bafômetro. Uma média superior a 18 apreensões de documentos por dia. As blitzen têm como objetivo fiscalizar e identificar motoristas que estejam dirigindo de maneira infratora, diminuindo assim os riscos de acidentes de trânsito.

A equipe de Educação e Fiscalização de Trânsito do Detran/RN e policiais do Comando da Polícia Rodoviária Estadual (CPRE) apreenderam 338 carteiras de habilitação no primeiro mês do ano, o restante foi fruto da atuação da Polícia Rodoviária Federal (PRF). Foram cinco blitz realizadas e cerca de R$ 648 mil pagos ao Detran/RN, em multas. Na madrugada de hoje realizaram mais uma blitz na Avenida Engenheiro Roberto Freire. Foram realizados 2.500 testes de bafômetro e 91 carteiras de habilitação apreendidas.

De acordo com informações do coronel Canindé Freitas, comandante do CPRE, o condutor que se recusa a fazer o teste do bafômetro assume a responsabilidade de ter consumido bebida alcoólica. O indivíduo deve responder a um processo administrativo, ter a carteira de habilitação apreendida por um ano e deverá pagar uma multa no valor de R$ 1915,30. O mesmo acontece com quem faz o teste do bafômetro e acusa de 0,5 a 0,33 mg/l de álcool por litro de ar.

“Se o condutor realizar o teste do bafômetro e apontar acima de 0,33 mg/l de álcool, ele deverá responder a um processo administrativo, ter a carteira de habilitação apreendida pelo período de um ano, pagar  a multa e será conduzido à delegacia de polícia mais próxima, pois será dado voz de prisão, por configurar crime de trânsito”, explicou coronel Freitas.

Durante a fiscalização da madrugada de hoje, 17 condutores foram conduzidos à delegacia, já que ficou constatado pela equipe que o teste acusou mais de 0,34 mg/l de álcool por litro de ar, o que configura crime. Assim, além da multa de R$ 1.915,30 e do pagamento de fiança, o infrator responderá a processo, que pode resultar em pena de seis meses a três anos de prisão.

“Estamos terminando o reboque dos veículos detidos por documentação irregular, mas foram mais de dez veículos e uma motocicleta que já estão em nosso pátio”, informou o chefe de gabinete do Detran, Manuel Ferreira. Ele acrescentou também que essas operações acontecerão todos os finais de semana, ao longo do ano.

Já a PRF realizou neste primeiro mês 2.937 testes de bafômetro, com 123 apreensões de carteiras de habilitação, além de 18 prisões. Para o inspetor Roberto Cabral, atualmente há uma maior conscientização por parte dos condutores. “Diante do alto número de testes de bafômetro realizados, podemos constatar que as pessoas estão mais conscientes do que antigamente”.

Na blitz realizada na última quinta-feira (23), supostos policiais federais teriam se negado a realizar o teste do bafômetro e admitido terem ingerido bebida alcoólica. Eles ainda teriam se apresentado como policiais federais para se livrarem do teste. A Polícia Federal do RN se pronunciou por meio de nota à imprensa que após ter acesso a lista de pessoas flagradas, constatou que entre os nomes fiscalizados não há qualquer integrante dos seus quadros, seja no RN ou em outra unidade da Federação.

Compartilhar: