Foi um caos, mas valeu à pena – Danilo Sá

O espetáculo, apesar de tudo, valeu à pena. Natal entrou para a história do futebol mundial como uma sede de…

O espetáculo, apesar de tudo, valeu à pena. Natal entrou para a história do futebol mundial como uma sede de Copa, foi invadida por milhares de mexicanos e, certamente, ainda lucrará muito após o término da maior competição esportiva do planeta. Mas, os pontos negativos foram muitos e, até certo ponto, decepcionantes.

No caminho para a Arena, lama e água se misturavam, acumuladas sob calçadas que mais pareciam ter sobrevivido a um terremoto. Nenhum sinal dos R$ 25 milhões que a Prefeitura recebeu exclusivamente para “padronizar” o passeio público. Como já sabíamos, esta obra continua sem previsão para ser concluída.

Para quem aguardava com expectativa ver Natal sendo exibida para o mundo, deve ter sido vergonhoso acompanhar os visitantes precisando driblar o lixo ou se equilibrar em meio-fio para vencer a chuva. Porém, seria ótimo se o problema fosse apenas este.

Não foram poucos os torcedores do México espalhadas pela cidade, mas concentrados na área de Ponta Negra e Via Costeira, atrás de algum meio de transporte para chegar ao local do jogo. Não havia táxi suficiente para suprir a demanda, já que os motoristas de ônibus cruzaram os braços diante da omissão da Prefeitura. Problema que, aliás, se repetiu no término da partida.

Cambistas comercializavam, sim, ingressos nas proximidades da Arena, sem medo nenhuma da dona FIFA. Para ingressar na área restrita, bastava apenas passar pelos detectores de metais, sem nenhum tipo de fiscalização. Nem mostrar o ingresso foi necessário no primeiro jogo da Copa em Natal. Tudo liberado até chegar nos portões das arquibancadas.

Como se não bastassem apenas duas entradas (norte e sul), milhares de torcedores, alguns idosos, foram obrigados simplesmente a subir e descer vários degraus antes de encontrar seus assentos. Isso quando estes não estavam ocupados. E nem adiantava chamar o segurança do estádio. “Peça para eles saírem”, respondiam os responsáveis por garantir a tranquilidade da torcida. Responsáveis?

Durante a partida, que, repito, valeu à pena, também não foram poucos os fatos lamentáveis. A bebida, comercializada sob preços astronômicos, estava quente. A comida simplesmente acabou poucos minutos após o intervalo e, na área interna, até goteiras apareceram na Arena de quase R$ 500 milhões.

Por fim, embora já fosse de conhecimento geral, o que dizer de pagar mais de R$ 300,00 por um ingresso, que teoricamente lhe garante um dos melhores locais para assistir as partidas, e passar todos os 90 minutos do jogo debaixo de uma chuva torrencial? Ora, o mínimo era garantir algum conforto, o que passou longe.

Embora com tamanha desorganização, quem teve a oportunidade de entrar na Arena das Dunas para assistir ao segundo jogo do mundial na cidade não deve ter se arrependido. Com exceção daqueles mais propícios a gripar devido ao frio e a chuva, a principal lembrança desta sexta-feira histórica será mesmo o clima inigualável de uma Copa do Mundo.

ENGANO???

Por essa o governo Dilma Rousseff não esperava. Após tentar vender a imagem, em rede nacional, de que os investimentos na Copa do Mundo foram bem abaixos do que o investido em saúde e educação, o desmentido veio a cavalo. Segundo o portal da Ong Contas Abertas, a presidente realmente não falou a verdade para milhões de brasileiros.

CONTAS

“Os R$ 8 bilhões gastos com a construção dos estádios para a Copa equivalem ao dobro do investido pelo governo federal em Saúde em 2013 e é maior que valor aplicado em Educação. No ano passado, o Ministério da Saúde investiu R$ 3,9 bilhões. No Ministério da Educação, os valores aplicados no exercício passado foram de R$ 7,6 bilhões”, diz texto publicado hoje no portal.

ABAIXO

O Contas Abertas lembrou que Dilma Rousseff disse ter “investido” R$ 825 bilhões desde 2010 em saúde e educação, mais de cem vezes o gasto em estádios . “O valor, no entanto, diz respeito a todos os dispêndios com Saúde e Educação, desde o pagamento de pessoal aos gastos com o custeio das Pastas, e não apenas as aplicações”. Pois é.

ESQUECIDO

O cientista Miguel Nicolelis não gostou nenhum pouco do seu exoesqueleto ter sido totalmente ofuscado na solenidade de abertura da Copa do Mundo. Ficou ainda mais irritado com algumas críticas contrárias a sua iniciativa veiculada em grandes jornais nacionais. Hoje, a Fifa respondeu a altura, e disse que mostrou o que tinha para mostrar e jamais prometeu qualquer tempo de transmissão ao cientista.

CHEGANDO A HORA

O PSDB oficializou hoje a candidatura do senador Aécio Neves a presidente da República. Ontem, o tucano concedeu entrevista exclusiva a jornalista Renata Lo Prete, na Globo News. Nas próximas sextas-feiras, os demais presidenciáveis Eduardo Campos e Dilma Rousseff também passarão pela bancada. Está chegando a hora do “vamos ver”.

DEFINIÇÕES

O PSL oficializou para o próximo dia 27 sua convenção estadual. Na oportunidade, será confirmada a candidatura do presidente estadual da legenda no Rio Grande do Norte, o advogado Araken Farias. No dia 28 deverá ocorrer a convenção do PMDB e de seus aliados. Já o DEM, descartará a candidatura de Rosalba amanhã. Ainda não foi confirmada a data dos eventos do PSD, de Robinson Faria, e do PT. É a luta.

RETIRADA

Em tempo: surgiu como uma bomba ontem a notícia da desistência do senador Randolfe Rodrigues de disputar a presidência da República pelo Psol. Um dos destaques do Congresso Nacional atualmente, o parlamentar já estava até mesmo em pré-campanha pelo país, tendo passado inclusive pelo RN recentemente. A expectativa agora gira em torno de quem lhe substituirá na urna. Crescem as apostas em Luciana Genro.

RECONHECIMENTO

Detalhe importante a ser dito sobre a chuva que caiu ontem em Natal e o jogo realizado no estádio Arena das Dunas. A drenagem do campo foi simplesmente impressionante, de fazer inveja ao resto da cidade, inclusive, que voltou a ficar debaixo d’água. Mereceu parabéns até mesmo de Ronaldo Fenômeno, pelo twitter.

GIRA MUNDO

O presidente da Ferrari, Luca di Montezemolo, afirmou que a escuderia italiana pode abandonar a Fórmula 1 para se concentrar nas corridas de resistência, em uma entrevista ao jornal econômico The Wall Street Journal (WSJ) divulgada nesta sexta-feira. “A Fórmula 1 não funciona mais”, declarou o líder da Ferrari. “Está em baixa, já que (a Federação Internacional de Automobilismo) se esqueceu que as pessoas seguem as corridas pelas emoções que elas provocam. Ninguém as acompanha para ver a eficiência (dos carros)”, acrescentou.

Compartilhar:
    Publicidade