Força: apoio de familiares de atletas é destaque em campeonato de Jiu-Jitsu

Nordeste Open reúne 1.200 atletas em Natal

Foto: José Aldenir
Foto: José Aldenir

O Nordeste Open de Jiu-Jitsu ocorre neste sábado (26) e domingo (27) no ginásio de esportes do Sesi na capital potiguar. Essa é a segunda etapa do evento que será realizado este ano em três fases. Além de atletas adultos e com experiência no esporte, o campeonato abre espaço e incentiva os pequenos, como Gabriel Thomas da Silva, de 9 anos.

Ele veio da cidade de Touros para competir em Natal. Já é a terceira competição e todas as três com medalha de ouro em um ano de prática do esporte. “Todas as duas foi em primeiro lugar. A primeira vez no Nordeste Open do ano passado e a outra foi na Copa Natal de Jiu-Jitsu”, disse orgulhoso. Dessa vez, conseguiu o lugar mais alto do pódio novamente.

Apesar do pouco tempo de prática do esporte, Gabriel e seu adversário já sabem o que é o espírito desportivo. Ao final do pódio, Gabriel e Matheus Negreiros Dantas, 9 anos, se abraçaram sem ressentimentos.

As experiências no judô e no futebol não foram muito prazerosas para Matheus. “O futebol de campo é chato porque tem ficar correndo atrás da bola e o Jiu-Jitsu é bom porque eu gosto de lutar. Eu treinei duas semanas judô, mas também não gostei porque é muita queda e jiu-jitsu é golpe e queda”, justificou sua preferência.

Família

Grande parte dos gritos que vêm da torcida saem de gargantas dos pais. A mãe de Gabriel, por exemplo, sempre faz questão de estar perto do filho em todas as competições. Nuraide da Silva, de 30 anos, nunca chegou a praticar um esporte rotineiramente, mas incentiva o filho por vários motivos.

O primeiro deles é a disciplina adquirida com a prática a arte marcial. “Percebi depois que ele começou a atividade ficou mais disciplinado. Tudo que a academia ensina para ele, de disciplina, ele aplica fora. O Jiu-Jitsu é um aliado da nossa educação. Tudo que a gente ensina, o jiu-jitsu reforça”, declarou a mãe de Gabriel.

Depois de iniciar no Jiu-Jitsu, o pai também foi levado para o esporte. “Eu fazia só futebol. Na verdade, entrei para o Jiu-Jitsu depois dele”, contou Kenny Thomas de Lima, pai de Gabriel.

Competição

O Nordeste Open de Jiu Jitsu está em seu segundo ano. A primeira vez foi realizado ano passado com duas edições independentes também em Natal. Neste ano, a organização do evento decidiu promover o campeonato em três etapas interdependentes. Desse modo, será possível elaborar um ranking dos melhores atletas.

A premiação do evento será de R$ 30 mil distribuídos entre os campeões absolutos (vencedores entre todos os competidores de uma mesma faixa), serão 28 atletas. Para o próximo ano o ideal é que as etapas se realizem em outros estados. “Temos a intenção de levar para outros estados já no próximo ano disse”, Nivaldo Pereira, organizador do evento.

Compartilhar: