Fortaleza dos Reis Magos será restaurada após término de escavações

Expectativa é que lançamento da licitação para a contratação de obras ocorra até o mês de março

Pesquisa arqueológica irá embasar projeto de restauração do espaço. Nos últimos meses, média de visitantes tem sido superada. Foto: José Aldenir
Pesquisa arqueológica irá embasar projeto de restauração do espaço. Nos últimos meses, média de visitantes tem sido superada. Foto: José Aldenir

Fernanda Souza

fernandasouzajh@gmail.com

 

A Fortaleza dos Reis Magos, um dos principais cartões postais de Natal, está passando por escavações arqueológicas antes da execução do projeto de restauração do equipamento, prevista para ser iniciada a partir do próximo mês de março. De acordo com a arqueóloga da empresa responsável pelo estudo, Darlene Maciel, o objetivo maior das escavações é dar subsídios necessários para a restauração. “Estamos levantado informações como níveis de pisos originais, se os alicerces estão assentados sob os arrecifes ou não. Já detectamos que existem três níveis de pisos diferentes e o piso atual, da maior parte das salas, não é o original, que era mais baixo. Eles devem ter subido por causa da umidade, que era muito grande. Também encontramos balas de canhão, de mosquetes e este material será analisado e ficará a com o Iphan [Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional no Rio Grande do Norte]“, disse a pesquisadora.

Segundo Onésimo Dantas, superintendente do Iphan/RN, que administra a Fortaleza desde o dia 16 de dezembro – antes a gestão era feita pelo Governo do Estado – o processo de restauração do equipamento só deverá ser iniciado após o término das escavações, no mês de março. “A pesquisa arqueológica é para embasar o projeto de restauração. Tivemos a informação de que o forte era rebocado, visando tanto a questão de segurança como a proteção da maresia. O material encontrado nas escavações, que conta a história da Fortaleza, será exposto para os visitantes. Em março, quando forem concluídas as escavações faremos o lançamento da licitação para a contratação das obras, que será uma concorrência e tem um prazo mínimo de 30 dias”, disse.

Onésimo também explicou sobre a abertura do Forte para eventos. Segundo o superintendente, a notícia acabou ganhando uma conotação diferente da proposta original. “Não é como se o Forte fosse virar uma casa de shows. São eventos que tem a ver com o Forte dos Reis Magos, como formaturas militares, condecorações e atividades na área de cultura, como saraus, lançamentos de livros. E quando falamos em eventos privados como cerimônias de casamento é uma forma de integrar o Forte à vida cotidiana da população”, pontuou.

Quanto ao índice de visitação no período da alta estação, o superintendente contou que está acima da expectativa. “Não temos como fazer um balanço em relação ao mesmo período do ano passado porque não foram repassadas informações precisas da administração passada. Desde o dia 16 de dezembro, quando assumimos, até 30 de janeiro foram 32.345 visitantes. E como temos uma média de visitação anual passada pelo Governo, que é entre 70 e 90 mil visitantes, superamos a expectativa. Continuamos promovendo atividades de divulgação, inclusive em outros equipamentos administrados pelo Iphan pelo Brasil”. Onésimo também destacou investimentos realizados nas áreas de limpeza e vigilância armada 24 horas.

O projeto de restauração da Fortaleza dos Reis Magos contempla uma série de obras internas como a restauração da cobertura, sanitários, instalações elétricas e hidráulicas, adequação para telefonia móvel e internet sem fio, além da construção de rampas de acessibilidade. O projeto de segurança ainda abrange equipamentos contra descargas atmosféricas (para-raios) e incêndios. Também vão ser disponibilizadas aos visitantes sinalizações em várias línguas.

 

SAUDAÇÃO DE CANHÕES

O superintendente do Iphan/RN também adiantou a’O Jornal de Hoje, que será resgatado um costume antigo do período colonial “À época, quando alguma força amiga se aproximava havia uma saudação de canhões com pólvora seca, uma forma de dar boas vindas. A ideia é fazer isso com os navios de cruzeiros. Para isso, já adiantamos o assunto com a Secretaria de Turismo e entramos em contato com a Marinha, que está fazendo uma análise técnica do projeto. Mas a nossa previsão é de que seja instalado o canhão antes do término da reforma”, contou Onésimo.

Já o guia Josimar Gomes, que integra o grupo de guias da própria Fortaleza, disse que houve uma diminuição do número de visitantes devido a fatores como a queda do número de voos para a cidade. “Se comparamos com a alta estação do ano passado há bem menos visitantes. Também tivemos um assalto a um grupo de turistas, mas não havia policiamento, nem segurança, e hoje está reforçado. Recebemos muitos argentinos no mês de janeiro e muitos turistas vindos, principalmente, do Sul e Sudeste, como o estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Goiás e Rio Grande do Sul. No meio do ano é a época das visitas escolares, e vem alunos não só daqui como de todo o país. Mas, tradicionalmente, recebemos visitas o ano inteiro”.

O casal de turistas Paulo e Roseli de Almeida visitou a Fortaleza dos Reis Magos na manhã desta segunda-feira (3), e ficou surpreso com o monumento histórico. “Já conhecia através de fotos, por publicações especializadas em história e fizemos questão de vir. Mas no primeiro momento tive uma impressão estranha porque várias salas estão fechadas e está em obras. Não sei o motivo, mas acho que é uma preparação para a Copa do Mundo, para receber os turistas. Também acredito que deveria haver mais fiscalização na passarela de aceso porque vi garrafas e lixo ao redor”, disse Paulo.

Compartilhar: