“Foto era idêntica e não tenho nada a falar”, alega preso por linchamento

Dona de casa foi espancada e acabou morrendo após ser confundida com retrato-falado espalhado por boate na internet

Polícia prendeu nesta tarde homem suspeito de participar de linchamento de dona de casa no Guarujá. Foto: Divulgação
Polícia prendeu nesta tarde homem suspeito de participar de linchamento de dona de casa no Guarujá. Foto: Divulgação

Valmir Dias Barbosa, 47 anos, foi preso na tarde desta terça-feira após ter confessado participação no linchamento da dona de casa Fabiane Maria de Jesus, 33 anos. Após ser decretada prisão temporária por 30 dias pelo delegado Luiz Ricardo Lara, do 1º DP do Guarujá, litoral de São Paulo, Valmir se disse arrependido, mas afirmou não poder voltar e mudar o que já aconteceu. “Eu não tenho o que falar. Aconteceu e não posso fazer mais nada. Eu também tenho filhos e o papo que rolava é que estavam matando crianças. Não sabia se era inocente ou não. A foto era idêntica. E eu não tenho mais nada a falar”, afirmou.

De acordo com a Polícia Civil, o homem não tem passagem e vivia fazendo “bicos”. A mulher foi espancada depois de confundida com uma suposta suspeita de ter sequestrado uma criança. O caso foi registrado na noite de sábado e teria sido motivado por uma publicação no Facebook. Na mensagem postada na rede social, uma página mostrava o retrato-falado de uma mulher parecida com a que foi agredida. Porém, segundo o delegado do caso, a imagem da mulher procurada no Rio de Janeiro não tem qualquer semelhança com Fabiane.

Os moradores reconheceram uma vizinha como a mulher do retrato. Fabiane foi amarrada, arrastada e espancada por um grupo de pessoas após a divulgação da imagem, segundo a Polícia Civil. A vítima foi enterrada na manhã de hoje, sob protestos de familiares. Ela deixa duas filhas, de 1 e 13 anos de idade.

De acordo com Valmir, mais de 100 pessoas participaram do linchamento no bairro de Morrinhos. Ele disse ainda que o arrependimento só veio depois, quando descobriu que não se tratava da sequestradora de crianças.

“Com certeza estou arrependido, senão já teria fugido. Só depois eu descobri que era uma dona de casa, mas pra mim era uma sequestradora. Descobri por intermédio da sociedade e me senti mal”, afirmou.

Para ele, a polícia precisa continuar procurando os outros agressores. Porém, o delegado afirmou que, em depoimento, Valmir não citou o nome de nenhuma outra pessoa que teria participado do linchamento. “Não fui só eu que agredi. Do mesmo jeito que me acharam na internet vão achar muito mais”, disse.

O delegado Lara disse que, apesar da prisão de um dos autores, as investigações estão apenas no início e que não é possível saber quantas pessoas participaram do crime. “Nas últimas 48 horas, a Polícia Civil analisou as imagens que chegaram ao nosso conhecimento. As diligências foram proveitosas, localizamos algumas testemunhas e chegamos a um dos autores do crime, exatamente aquele que aparece nas imagens dando um golpe com um pedaço de madeira enquanto a vítima estava caída. Além dos reconhecimentos por imagens, ele confessou a autoria do crime”, disse Lara.

Valmir será indiciado por homicídio qualificado pelo menos por duas vezes, por motivo fútil e sem defesa da vítima. Ele ficará preso na cadeia pública anexa ao 1º DP. O delegado afirmou ainda que Valmir disse, em depoimento, ser usuário de droga e que isso o teria motivado a bater na vítima. “Ele foi muito vago, disse ser usuário de droga e que não estava em seu juízo e movido pela circunstância da população que aclamava por justiça”, completou.

Fonte: Terra

Compartilhar: