Francisco José Júnior vence eleição com a maior votação da história de Mossoró

Candidato do PSD conseguiu 68.915 votos no pleito suplementar, que representou maioria de 30 mil votos

76i67iieyrtyr

Ciro Marques

Repórter de Política

Francisco José Júnior (PSD) entrou para a história de Mossoró e fez isso não só por derrotar, na eleição suplementar realizada neste domingo, o temido DEM. Entrou para a história por ter a maior votação da história da Capital do Oeste. Foram 68.915 mil votos, o que representou quase 90% dos votos válidos, uma vez que a votação da “candidata” Larissa Rosado (PSB) foi considerada nula pela condição de inelegibilidade dela.

Isso, inclusive, o leitor d’O Jornal de Hoje até já sabia que aconteceria. Este vespertino foi o único a alertar essa situação, ressaltando que os votos apareceriam como nulos, mas seriam contabilizados. Dessa forma, o eleitor de Larissa, ao ver a apuração, não se surpreendeu com o fato dela não ter saído do 0% durante toda a votação.

Segundo o Tribunal Regional Eleitoral (TRE), dos 167 mil eleitores mossoroenses, 134,5 mil votaram no pleito suplementar. Francisco José Júnior teve 68.915 votos e foi seguido, oficialmente, por Cinquentinha (PSOL), com 3.825 votos; Josué (PSDC), com 3.025; e Gutemberg Dias (PC do B), com 2.265 votos. “A candidata Larissa Rosado teve os seus votos computados como nulos, uma vez que o seu registro de candidatura encontra-se sub judice em razão do indeferimento pelo Juiz Eleitoral. O número total de votos nulos foi de 52.053″, explicou a assessoria de comunicação do Tribunal Regional Eleitoral.

Larissa Rosado, segundo o jornalista Carlos Santos, de Mossoró, teria conseguido 37.053 votos, o que representaria 27.55% do total. E isso significa dizer que, mesmo que ela não tivesse os votos anulados, seria derrotada pela votação recorde de Francisco José Júnior.

Por sinal, essa foi a menor votação que Larissa Rosado já recebeu numa disputa pela eleição de Mossoró. Candidata pela terceira vez à Prefeitura do segundo maior colégio eleitoral do Estado, a deputada estadual do PSB caiu quase que pela metade com relação a eleição passada, realizada em 2012, quando recebeu 63,3 mil votos. Ou seja: foram 26,2 mil votos perdidos em dois anos.

E não foi só isso. Larissa Rosado ainda enfrentou um candidato que acabou batendo o recorde de votos. Superior em quase 300 votos o recorde anterior de 68.604, da ex-prefeita Cláudia Regina, do DEM, cassada em novembro do ano passado, acusada de conseguir, boa parte desses votos, por meio de condutas vedadas e compra de votos.

FRANCISCO DANTAS

Já na cidade de Francisco Dantas compareceram às urnas 2.219 eleitores (93,47% do eleitorado). O vencedor do pleito foi o candidato Wandeilton que obteve 1.053 votos, o que correspondeu a 100% dos votos válidos. Houve 1.146 votos nulos, ressaltando que a candidata Aparecida teve o seu registro de candidatura indeferido pelo Juiz eleitoral e recorreu da decisão ao TRE-RN.

Larissa Rosado muda de opinião e busca “tapetão” para barrar posse do prefeito

Poucos eleitores acreditaram nas fortes críticas que a coligação de Larissa Rosado (PSB) fez ao “tapetão” na eleição suplementares deste ano, até porque ela usou e abusou do meio jurídico em 2013, com o intuito de tirar a prefeita Cláudia Regina (DEM) da Prefeitura de Mossoró. Por isso, não causou qualquer espanto o fato de Larissa, ao final do pleito e diante de uma nova derrota nas urnas, denunciar o vencedor, Francisco José Júnior (PSD) por supostas irregularidades realizadas durante a campanha.

O advogado Wellington Filho, assessor jurídico do DEM, protocolou em nome da Coligação Força do Povo, da ex-prefeita Cláudia Regina, 12 ações contra Francisco José Júnior. A Coligação Unidos Por Mossoró, de Larissa Rosado, protocolou outras três ações, também contra o pessedista.

O fato curioso dessa situação é que foi, justamente, a candidata Larissa Rosado quem mais criticou o chamado “tapetão” durante a campanha. “Querem ganhar no apito, porque eles têm medo de Larissa. Mas, os adversários que se preparem, porque Larissa será não só a prefeita de Mossoró, mas uma das melhores prefeitas do Brasil”, afirmou o ministro da Previdência Social, Garibaldi Alves Filho, do PMDB, um dos apoiadores de Larissa durante a campanha.

E o “tapetão” era, inclusive, um recurso que a coligação de Larissa Rosado afirmou, no início da campanha, que não iria utilizar. “A assessoria de Larissa em nenhum momento procedeu assim, e nem procederá. A campanha tem o interesse de estabelecer o debate na sociedade, discutindo suas questões e os problemas que afligem nossas famílias. A disputa queremos no voto”, afirmou um dos membros da coligação em e-mail enviado a este repórter, quando se atribuiu, erradamente, a ela, o pedido de impugnação feito para a candidatura de Cláudia Regina.

Na verdade, os pedidos de impugnação as candidaturas de Cláudia Regina e de Larissa Rosado foram feitos pelo Ministério Público Eleitoral (MPE). As duas foram julgadas procedentes, porque ambas tinham condenações no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) – a democrata sofreu 12 condenações e a pessebista, duas.

Boa parte das condenações de Cláudia Regina, ressalta-se, foram estimuladas por representações feitas pela coligação de Larissa Rosado e não apenas pelo Ministério Público Eleitoral (MPE).

Francisco José Júnior: “Vitória foi recado aos acordões”

A luz amarela deve está acesa na aliança entre PMDB, PR, PSB e outros 10 partidos. Bom, pelo menos, é isso que imagina-se após a vitória da parceria PSD/PT na eleição suplementar de Mossoró derrotando, justamente, a candidata pessebista aliada aos peemedebistas.

“As eleições estaduais estão muito próximas e o resultado aqui não deixa de ser um recado aos acordões. O povo está cada dia mais livre e consciente. Os movimentos em todo o Brasil mostram que o país quer mudança e essa mudança começa por Mossoró”, afirmou o prefeito interino e recém eleito Francisco José Júnior, do PSD, em entrevista a jornalista Thaisa Galvão.

Segundo Francisco José Júnior, que até outubro de 2012 era presidente da Câmara Municipal de Mossoró e, em 2012, foi reeleito para o cargo de vereador com cerca de dois mil votos, a vitória com recorde de votação dá mais responsabilidade para a gestão. “Eu vou ter um vice para me ajudar e serão 12 partidos”, afirmou ele, acrescentando que fará uma reforma no secretariado para apoiar os aliados.

Silveirinha, como é conhecido, garantiu que apoiará o presidente estadual do PSD, Robinson Faria, e deverá ficar ao lado do Partido dos Trabalhadores no próximo pleito. “Sou uma pessoa de partido, aliado ao vice-governador há mais de oito anos, então a gente pretende marchar para onde o PSD estadual direcionar”, afirmou ele, acrescentando que “Sou filiado ao PSD, partido do vice Robinson Faria. Fizemos uma parceria com o PT, indicando o vice-prefeito. Isso, administrativamente, será muito bom, porque vai estreitar os laços com o Governo Federal, vai significar mais obras e desenvolvimento para a cidade. Politicamente, estou ligado ao meu partido e também ao Partido dos Trabalhadores”.

CLÁUDIA REGINA

Francisco José Júnior fez questão de deixar claro que não tem qualquer oposição a ex-prefeita Cláudia Regina, do DEM. “Tenho um espírito muito conciliador e não rompi com ninguém. Eu apoiava, ajudava Cláudia Regina. Aconteceu o afastamento e eu assumi a Prefeitura. Foi a ex-prefeita que se afastou de mim. Não tenho nada contra ela, é uma pessoa boa”, ressaltou ele, acrescentando, no entanto, que a democrata deixou para ele uma gestão nada tranquila.

“Quando assumi a Prefeitura, eram muitas as adversidades. Todo dia era um problema novo. Greves, serviços querendo parar por falta de pagamento, secretários entregando o cargo e eu tendo que trocar em menos de 24 horas”, relembrou.

ADMINISTRAÇÃO

“A prioridade sempre será o tripé de saúde, segurança e educação, mas nós vamos dar uma atenção especial para a mobilidade urbana. Nós temos um sistema deficiente com relação ao transporte público e da acessibilidade”, afirmou Francisco José Júnior.

DIPLOMAÇÃO

Como Larissa Rosado não conseguiu votos suficientes para superar o recorde de Francisco José Júnior, restam poucas dúvidas sobre o resultado do pleito suplementar de Mossoró. Por isso, segundo a Justiça Eleitoral, a diplomação deverá ocorrer nos próximos dias. Até o dia 31 de maio, pelo menos. A posse será na Câmara Municipal de Mossoró e tem que ser, obrigatoriamente, após a diplomação.

 

 

Compartilhar:
    Publicidade