Garibaldi lava as mãos: “Escândalos de Wilma serão julgados pelo povo nas urnas”

Agora aliado da ex-governadora, ministro afirma que entra na disputa para discutir problemas do RN

67i67i6i67i46i3i46

Alex Viana

Repórter de Política

O ministro da Previdência, Garibaldi Filho (PMDB), afirmou que irá defender a chapa do presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Alves (PMDB), Wilma de Faria (PSB) e João Maia (PR) na campanha eleitoral deste ano. Os três são pré-candidatos ao governo, ao Senado e a vice-governador, respectivamente. Instado a falar se defenderá Wilma durante a campanha, em vista dos escândalos administrativos da gestão pessebista, o ministro declarou: “Eu vou defender a nossa chapa. Eu vou defender as pessoas, as qualidades, os méritos que as pessoas têm para enfrentar os problemas do Estado”, declarou o ministro, ao ser abordado esta manhã por O Jornal de Hoje.

As palavras do ministro são em resposta à declaração da governadora Rosalba Ciarlini, que, na última sexta-feira, indagou se os peemedebistas haviam esquecido os “escândalos do passado”, numa referência à gestão Wilma de Faria. Wilma enfrenta ações na Justiça da época que governava o Estado. Num deles, da chamada operação Hygia, a ex-governadora teve o filho, Lauro Maia, preso. Ele foi condenado na primeira instância a 16 anos de prisão, mas recorreu da sentença e aguarda em liberdade. Outros escândalos administrativos do governo Wilma foram o Foliaduto, Sinal Fechado e Ouro Negro. Todos com participação de parentes ou com suspeita de participação da própria governadora. Em vários deles falta é aguardado para a qualquer momento o desfecho pela Justiça. “Eu acho que a justiça será feita, e quem vai fazer, em última análise, justiça, mesmo, será o povo nas urnas. Vamos confiar no povo e cada um fale a linguagem que achar mais apropriada”, afirmou o ministro, ainda se referindo às palavras da governadora.

Em contato com O Jornal de Hoje, na sexta passada, Rosalba criticou o discurso da chapa Henrique, Wilma e João Maia, que é no sentido de união para a salvação do Rio Grande do Norte. “Eles deviam lembrar quem foi que fez o desastre… Quem fez o desastre? Quando eu assumi, eu mostrei qual era a situação do nosso estado. Com planos aprovados que não podiam ser aprovados, porque fizeram sem a determinada previsão orçamentária. Com quase R$ 1 bilhão de dívidas. E os escândalos do passado? Esqueceram?”, provocou a governadora.

“Não estamos entrando em discussões de ordem pessoal, acusações. Estamos preocupados em realmente discutir os problemas do Estado”, rebateu Garibaldi na manhã desta segunda-feira, em sua primeira declaração política após retornar de uma viagem em férias pela Europa. O ministro tratou de expor o seu discurso, defendendo que o debate se dê em nível mais elevado. “Vamos apresentar proposta voltadas para solucionar os problemas do Estado, programa de governo. Acho que a campanha precisa ser feita em outro nível, não no nível das discussões de ordem pessoal. Eu acho que essas discussões de ordem pessoal, de acusações, diatribes, uns falando mal dos outros, isso deverá ficar para trás. O estado precisa que se discutam os seus reais e verdadeiros problemas. Os problemas estão aí e o povo sabe melhor que ninguém e vai saber julgar. Eu, como cidadão que tive a oportunidade de exercer vários cargos eletivos, confio na capacidade de julgamento do nosso povo”.

REPERCUSSÃO

Garibaldi afirmou que a chapa Henrique, Wilma e João “está tudo muito bem, conforme nós prevíamos”, declarou, afirmando que a aliança está tendo “receptividade muito boa”. Tanto na capital, como no interior. “As pessoas que estão sendo contatadas, ou mesmo as pessoas que vêm ao nosso encontro, e os peemedebistas que foram enfáticos no sentido de que o nome de Henrique era o nome preferido para o momento, essas pessoas demonstram toda uma satisfação pelo fato não apenas de terem sido ouvidas, mas atendidas no seu desejo de ver a vitória de Henrique e o governo entregue a um homem público capaz de levar o Estado a um novo estágio de desenvolvimento”, disse o ministro.

Segundo o ex-governador, é de conhecimento público que o Estado passa por diversos problemas de ordem administrativa. “O RN hoje tem a sua capacidade de investimento comprometida. Nós sabemos que o Estado tem recorrido a empréstimos para poder ter certa capacidade de investimento. O RN tem apresentado dificuldade de pagar a sua folha de pessoal. Há necessidade que o Estado possa viver esse novo momento e nós acreditamos que aqueles que foram escolhidos para estar à frente da nossa chapa majoritária irão proporcionar ao Estado esses novos dias tão esperados”, afirmou Garibaldi, mais uma vez se referindo à chapa Henrique, Wilma e João Maia.

MOSSORÓ

Sobre a eleição suplementar em Mossoró, o ministro Garibaldi reafirmou seu apoio e do PMDB à candidatura da deputada estadual Larissa Rosado (PSB). Nesta composição, o PMDB indicou o atual presidente da Câmara, vereador Alex Moacir (PMDB) como vice-prefeito. “No PMDB realmente constatou-se uma divisão interna, mas nós do diretório estadual vamos apoiar e reafirmamos o que dissemos na reunião no hotel Praia Mar, que a nossa chapa é a encabeçada por Larissa e o Alex Moacir”, declarou Garibaldi.

Compartilhar: