‘Gordinho da Mercatto’: “Não ligo para críticas. Quero ser deputado federal no RN”

"O fato de ter ficado conhecido naquele episódio com o desembargador, não tem nada a ver com esse meu projeto pessoal"

67i47i46

Wagner Guerra

Editor ESPECIAL PARA POLÍTICA

Se antes ele foi ovacionado como o herói justiceiro de Natal, agora, após anunciar que é candidato a deputado federal pelo PRTB, vem recebendo uma saraivada de críticas nas redes sociais, chamado-o de oportunista, que bastou 15 minutos de fama para ele se aproveitar da situação e tentar usar sua popularidade para se eleger. Sobre isso, o empresário potiguar do ramo de informática, Alexandre Azevedo, 45 anos, – o ‘Gordinho da Mercatto’ – fala com exclusividade a’O JORNAL DE HOJE. Ele ganhou notoriedade ao defender um garçom da padaria Mercatto, em Lagoa Nova, de supostas humilhações proferidas pelo desembargador Dilermando Motta. O fato ocorreu em dezembro passado.

Diante das críticas, Alexandre diz estar tranquilo e que até já esperava por isso. Para ele, o fato que ocorreu na Mercatto, nada interfere em suas convicções e projetos pessoais. “Respeito a opinião das pessoas, mas conheço bem os meus princípios e valores, que, por sinal, são inabaláveis. Sou idôneo, mas aceito as críticas”.

Segundo ele, uma das razões que o levou a tentar a carreira política foi a vontade de ajudar os mais necessitados e injustiçados. “Tenho sede de justiça. Sou um patriota e sempre quis combater a desigualdade social. Agora, se for deputado, as pessoas poderão conhecer outras qualidades que possuo. O fato de ter ficado conhecido naquele episódio com o desembargador, não tem nada a ver com esse projeto, tanto que, de dezembro para cá, desafio alguém a mostrar algum marketing pessoal da minha pessoa. Não preciso disso”, garantiu o empresário.

Para ele, que está apenas há oito anos em Natal, o fato de ter morado 20 anos em São Paulo, pode ter favorecido esse sentimento de lutar pelos conterrâneos. “Desde que voltei a Natal, vi e vejo muita coisa errada. Tenho vontade de mudar isso. Não agüento vê o povo sofrer tanto por falta de interesse político. Caso seja eleito, vou fazer a diferença”.

Compartilhar: