Governo adia aumento de 20% na energia com ajuda ao setor elétrico

Repasse do socorro às distribuidoras de energia neste ano pesaria no bolso do consumidor e inflação ficaria acima da meta de 6,5%

O governo decidiu que só vai repassar os gastos para a conta de luz em 2015, depois da eleição, e ainda não dimensionou quanto isso vai custar para o consumidor, muito menos o impacto sobre o inflação. Foto:Divulgação
O governo decidiu que só vai repassar os gastos para a conta de luz em 2015, depois da eleição, e ainda não dimensionou quanto isso vai custar para o consumidor, muito menos o impacto sobre o inflação. Foto:Divulgação

A ajuda que o governo está concedendo para as distribuidoras de energia pode pesar no bolso do consumidor. Segundo cálculos de consultores e analistas do setor de energia, se o governo fizesse o reajuste neste ano, de uma só vez, as tarifas aumentariam, em média, mais de 20%. Além de pesar diretamente no orçamento doméstico, o aumento teria um impacto sobre a inflação de 0,56 ponto porcentual. O aumento da energia, sozinho, elevaria a inflação do ano para a casa de 6,56% – ou seja, acima da meta de 6,5%.

Os cálculos levam em consideração uma premissa: cada bilhão de gasto no setor de energia equivale hoje a cerca de 1% de reajuste na conta de luz. O analista da J. Safra Corretora, Sérgio Tamashiro, estima que cada R$ 1 bilhão de perdas representa 1,1% de elevação na conta de luz. Como, do ano passado pra cá, a conta já soma R$ 21 bilhões, a alta chegaria a 23% nas tarifas de energia, sem considerar o reajuste de inflação.

A consultoria PSR, do especialista em energia Mario Veiga, trabalha com um número parecido. A PSR calculou, em detalhe, os impactos em cada distribuidora e chegou a essa coincidência numérica quando tirou a média de todos os resultados. O valor consta de relatório da PSR. Por essa base, o reajuste médio seria de 21%.

O governo decidiu que só vai repassar os gastos para a conta de luz em 2015, depois da eleição, e ainda não dimensionou quanto isso vai custar para o consumidor, muito menos o impacto sobre o inflação.

“O próprio governo já avisou que não haverá repasse para o consumidor neste ano, mas não deixou claro como esse reajuste será feito – se de uma vez só ou de forma escalonada”, diz Adriana Molinari, da Tendências Consultoria.

Segundo Adriana (que também trabalha com a relação 1% de aumento para cada R$ 1 bilhão de custo), se o reajuste de 21% fosse realizado em 2014, haveria um aumento de 0,56 ponto porcentual na inflação. “Se fosse integralmente aplicado neste ano, a inflação ficaria acima da meta, mas isso não vai ocorrer, e esse adicional vai engrossar a inflação represada de preços administrados, como ocorre com combustível e tarifas de transporte”, diz Adriana.

A decisão de protelar o reajuste não foi bem recebida pelo mercado. Em relatório, os analistas Marcos Severine e Henrique Peretti, do JPMorgan, disseram que, à primeira vista, as ações de socorro às distribuidoras e geradoras são positivas, uma vez que seus caixas estão sobrecarregados com a compra de energia mais cara. No entanto, eles ponderaram que o governo não agiu da melhor maneira para resolver o problema porque transferiu a conta de energia para depois das eleições. Os analistas estimam para este ano um reajuste tarifário de 3,3%, com impacto de 0,1% na inflação de 2014.

Avanço

O diretor da Coppe/UFRJ, Luiz Pinguelli Rosa, viu um avanço na postura do governo federal ao elevar o risco de racionamento do setor elétrico de baixíssimo para baixo, em meados da semana. Mas, na avaliação dele, a situação é mais complicada do que mostra o discurso oficial. “Está na hora de o governo lançar uma campanha, com estímulo tarifário, para reduzir o consumo de energia.” Para Pinguelli, que prepara um documento com sugestões para o governo, a redução deveria ser entre 5% e 10% da carga.

Fonte:Estadão

Compartilhar: