GP da Áustria mostra que Williams finalmente se encontrou

Após largar na pole, o brasileiro cruzou a linha de chegada com a certeza de que, mais uma vez, poderia ter feito uma corrida muito melhor

Massa comemora com a mulher e o filho após a pole no sábado; esperança da Williams está definitivamente renovada. Foto: Divulgação
Massa comemora com a mulher e o filho após a pole no sábado; esperança da Williams está definitivamente renovada. Foto: Divulgação

O 4º lugar no GP da Áustria foi a melhor posição do ano para Felipe Massa. Motivo para comemorar? Sim, mas a perda de 3 posições após os primeiros pit-stops deixou um gosto amargo. Após largar na pole, o brasileiro cruzou a linha de chegada com a certeza de que, mais uma vez, poderia ter feito uma corrida muito melhor. Poderia, inclusive, ter brigado pela vitória. Ou, pelo menos, chegado à frente do companheiro de equipe para subir ao pódio na terceira colocação. Não deu.

Melhor ainda do que os pontos do 4º lugar, é a esperança que se renova na Williams. Após uma pré-temporada de muito otimismo e até uma euforia exagerada, a realidade das corridas foi dura com a escuderia inglesa. Se a imprensa apostava em uma Williams no encalço da Mercedes pelas primeiras posições, os primeiros GPs mostraram que não havia concorrentes para a equipe alemã. E pior: Ferrari, Red Bull, e até mesmo Force India e McLaren pareciam estar em iguais condições de ritmo de prova com a Williams.

Agora, com a dobradinha no treino de classificação e com o 3º e 4º na corrida, o time inglês pela primeira vez na temporada mostra a força que se esperava desde a pré-temporada. Mesmo que as condições do circuito Red Bull Ring favoreçam a Williams, por ser uma pista de alta velocidade e de curvas rápidas, é notória a evolução do carro.

A grande ironia do final de semana é que o traçado prejudicou a própria Red Bull, dona do circuito. O time campeão do ano passado tem como ponto forte o equilíbrio aerodinâmico, que favorece o desempenho nas partes mais sinuosas. O fraco desempenho do motor Renault – que, aliás, deixou Vettel pelo caminho – é o calcanhar de Aquiles num traçado com retas, curvas de alta velocidade e trechos em subida.

Mas voltando a falar de Massa, o piloto culpou a estratégia da equipe e a demora no pit-stop para justificar a queda de 1º para 4º lugar após as paradas dos líderes: “o problema foi a primeira parada”, disse Massa, ao site TotalRace. “Não sei o que aconteceu. Eu voltei em uma posição muito difícil, em que o Hamilton estava muito próximo e acabou me ultrapassando. Ali foi onde eu perdi a chance de brigar pelo pódio. Chegar na frente das Mercedes seria difícil, mas o pódio era possível.”

O fato é que, segundo a própria Williams, o brasileiro perdeu as posições por uma combinação de 3 fatores: uma volta ruim de Massa antes da parada, um pit 0.8 s mais lento que Bottas, além de problemas para aquecer os pneus ao voltar para a pista. O resultado foi não só a perda de posições para as duas Mercedes, mas também para o companheiro de equipe.

A equipe também rebateu a crítica de que teria errado na estratégia ao demorar para chamar o brasileiro para a primeira parada nos boxes. Normalmente, na F1, quem está na frente costuma “copiar” a estratégia de quem está atrás, para evitar trocas de posições nos boxes. Confesso que não entendi, durante a prova, os motivos da Williams não ter chamado Massa para a parada na volta seguinte a Rosberg. O alemão parou na volta 12, enquanto o brasileiro só entrou na 15.

A estratégia permitiu que Rosberg voltasse para a pista com o caminho livre e pneus novos. Os piloto da Mercedes – Hamilton parou na volta 13 – viraram tempos muito mais rápidos que o brasileiro, com pneus desgastados.

Após a prova, com a poeira mais baixa, os engenheiros da Williams defenderam a estratégia adotada. Segundo eles, se Massa parasse no mesmo momento que Rosberg, seria obrigado a fazer uma última perna de corrida muito longa – com pneus gastos demais. A Mercedes, de outro lado, com um carro mais equilibrado, desgastou menos os pneus, o que permitiu adotar a estratégia diferente e ganhar as posições da Williams nos boxes.

Fonte: Terra

Compartilhar: