GR Fitness: arte, flexibilidade e elegância reunidas na capital potiguar

No GR Fitness além do aparelhos básicos da modalidade, como arcos e bolas, também são usados pesos e caneleiras

14GF1

Fernanda Souza

Editora de Cidade

Desde a época que era estudante, Andrea Negromonte sempre gostou de atividades que envolviam dança e ginástica. Aos nove anos entrou para a então Ginástica Rítmica Desportiva, o GRD, modalidade que se transformou na sua grande paixão e delineou seu futuro profissional. A dedicação aos treinos chamou a atenção da sua professora, a renomada Hosana Matias – conhecida por ter deixado a base do Ginástica Rítmica no Estado, que sempre a chamava para ajudar na serie das outras meninas. “Fiz vestibular para Odontologia, não passei, mas a minha segunda opção era Educação Física. Entrei para o curso e já no primeiro semestre me identifique e comecei ajudar a minha professora. Na sequência já fui contratada como professora e não mais como auxiliar, no colégio onde estudava”, disse Andrea.

Foi neste momento que também foi traçado o destino profissional de Andrea, que define a atividade física como apaixonante. “Costumo dizer que quem faz GR fica apaixonada. Inclusive tem famílias inteiras envolvidas, que até viajam quando as atletas competem. Teve uma competição nos Jern´s (Jogos Escolares do Estado) que tinham avôs com camisas padronizadas do GR”, lembra empolgada a professora.

Com anos de atuação na área e acompanhando a evolução das suas alunas, no ano passado várias mães de atletas e ex-praticantes de GR começaram a incentivar Andrea a formar um grupo de ex-atletas. “Em 2013, tivemos a presença no Marista, onde sou professora, de Camila Ferezin, professora da seleção brasileira de GR de conjunto. Ela veio para dar um curso para minhas alunas e falei da ideia de dar aulas para ex-ginastas e apreciadoras da modalidade e na hora ela me disse: Porque você não coloca o nome GR Fitness? Na hora respondi: Ginástica Rítmica Fitness? Ela retrucou: Não, GR Fitness”.

E o “empurrão” da renomada profissional deu certo. Andrea já tinha viabilizado uma sala bem localizada em Natal, no dia 04 de fevereiro deste ano foi iniciada a primeira aula para um grupo muito especial formado por cerca de 20 mulheres, com faixa etária entre 20 e 40 anos. São as “alunas master”. O projeto é pioneiro em todo o Brasil.

O clima de envolvimento, alegria e até nostalgia toma conta das aulas. Afinal, a grande maioria vivenciou de perto a rotina de treinos e o amor à Ginástica Rítmica. “Estas alunas, que respiravam o GR, ao saírem do período colegial sofreram um corte no esporte que amam. Elas acabaram procurando outras opções e até dança, ballet ou ginástica, mas não tem nada diretamente ligado ao GRD. O GR Fitness acaba unindo várias gerações, desde os anos 80 até os dias atuais e cada dia é uma experiência diferente. Tenho alunas que vieram da ginástica, da ginástica olímpica, outras que na época de estudantes não foram para a equipe e querem continuar. Também tenho como aluna uma mãe de 40 anos, que tem duas filhas e uma disposição incrível”, contou Negromonte.

Andrea ainda explica que o fitness é ligado ao bem estar físico e mental e também há uma melhora na autoestima. Associada a uma alimentação saudável, a modalidade traz mais flexibilidade, tonificação do corpo, fortalecimento muscular e resistência aeróbica. Tudo isso com a beleza e a elegância da Ginástica Rítmica.

Durante os treinos são utilizados todos os cinco aparelhos da GR, que são a bola, corda, arco, maças e fita, juntos com os pesos e caneleiras. Este mix ainda é utilizado para a realização de circuitos de aparelhos, com objetivos definidos. Cada aula tem séries com música e o grupo já se prepara para uma apresentação pública no mês de maio. Ainda há vagas para quem deseja participar da equipe. “O GR Fitness é para quem gosta e aprecia o GR e para quem tem boa vontade. Apesar dos benefícios físicos, o que menos se pensa no nosso grupo é a parte estética, porque o importante é ser feliz. Quem tiver interessada por vir participar de uma aula experimental na Espaço Vivo. Para mim, o GR Fitness é uma realização, porque vejo minhas alunas realizadas também”, enfatizou a dedicada professora.

 

UNIDAS PELA

MESMA PAIXÃO

Ainda em Recife, a então menina Ana Luisa de Araújo Aranha, de oito anos, iniciou no mundo da dança e ginástica. Participou de grupos e mesmo após sua saída do colégio nunca deixou de lado o seu amor pela arte de dançar. Já em Natal, adulta, casada e mãe de duas meninas, ela tentou outras opções de atividades físicas, como a musculação, mas não conseguiu se adaptar. “Quem gosta de dança não se identifica muito com a rotina de uma academia. Há quatro anos entrei na dança contemporânea e gostava muito, mas rompi o ligamento do joelho direito. Neste período, fiquei parada, acompanhando o treino da minha filha e acabei fazendo um curso de árbitra, como forma de entender mais o GR e contribuir também. Na minha época para cá, a Ginástica Rítmica era outra. Hoje está voltando mais para a dança, o manuseio dos aparelhos e não só a flexibilidade. É uma fase de transformação. Aprendi códigos novos, já que na GR eles mudam muito e quando abriu o grupo de GR Fitness fui a primeira a me inscrever”, contou Ana Luisa.

Ela também revelou que está numa fase de adaptação aos treinos. “Como estava parada e não sou adepta à academia, sinto um pouco e a parte aeróbica é mais difícil, mas estou me dedicando e tenho força de vontade e disciplina, como devemos ter em tudo na vida. Meu marido me apoia, apoia minha filha, nos dá a maior força e nas competições até nos ajudar a desenrolar os aparelhos. O GR nos proporciona boas amizades e todos somos uma grande família”.

E foi a paixão de Ana Luisa de Araújo Aranha pela dança e ginástica que acabou influenciado uma das suas duas filhas, Camila Aranha, de 12 anos, que entrou no ballet com menos de três anos de idade e desde os seis anos pratica o GR. “Gosto muito da dança e da música do GR e me sinto muito feliz. Quero ficar em primeiro lugar em conjunto nos Jerns e conseguir uma boa colocação no individual e ainda pretendo viajar para competições. Ultimamente vejo que estou evoluindo no meu treinamento. Tive uma experiência muito boa este ano quando treinamos com uma técnica russa e isto me motiva ainda mais”, revelou a jovem promessa da modalidade.

Compartilhar:
    Publicidade