Greve de ônibus e Copa prejudicam vendas de produtos do São João

Em meio aos jogos do mundia, festa junina está meio “esquecida”

Foto: Heracles Dantas
Foto: Heracles Dantas

Alessandra Bernardo

alessabsl@gmail.com

A greve dos ônibus urbanos e metropolitanos da Região Metropolitana de Natal e a Copa do Mundo no Brasil estão prejudicando as vendas de fogos de artifício, roupas e comidas típicas de São João, segundo os comerciantes. Eles reclamam que a procura pelos artigos juninos caiu até 80% na cidade, em relação aos anos anteriores e que o efeito negativo foi ampliado pelas chuvas que estão caindo na cidade nos últimos dias, o que afugentou os compradores.

“Estão devagar, quase parando, infelizmente. As pessoas estão mais centradas nos jogos da Copa do que no São João e isso está trazendo prejuízo para todos nós que comercializamos roupas típicas. Sem contar que a greve dos ônibus e as chuvas também têm dado sua contribuição para afugentar os compradores e não temos muitas expectativas não, para este ano. É muito triste”, desabafou a comerciante Adalgisa Pereira.

A situação é semelhante para todos os vendedores que trabalham na Avenida Antônio Basílio, um dos principais pontos de venda de roupas juninas. Lá, todos têm algo para reclamar e até mesmo quem está comercializando camisas da seleção brasileira e de outros países fala em prejuízos financeiros. Anielly Neres é uma delas. Com um stand repleto de camisas verde-amarelo, ela disse que o empate do Brasil contra o México esfriou o interesse das pessoas.

“As vendas caíram 70% desde o empate. O brasileiro é um povo muito emotivo e esse resultado abalou a confiança das pessoas na nossa seleção, o que se reflete também nas vendas das camisas do Brasil. Hoje mesmo, ainda não vendi nada. Mas, basta a seleção ganhar o próximo jogo para todo mundo correr para comprar a camisa da seleção. Já se perder, com certeza todo o meu estoque vai encalhar”, disse Anielly.

Quem trabalha com milho, que é o ingrediente principal dos pratos juninos, também relata prejuízos e baixas vendas a três dias do São João. “Cheguei aqui logo cedo e até agora, mais de 10h da manhã, só consegui vender uma mão de milho (que contém 50 unidades). Infelizmente, as pessoas não estão chegando e eu acredito que seja principalmente por causa da greve dos ônibus. As pessoas têm medo de vir e ficar sem transporte para voltar”, afirmou o vendedor Roberto Xavier.

Fogos de artifício também em baixa

Outro item bastante procurado no período junino são os fogos de artifício, sejam aqueles coloridos ou os que fazem apenas barulho, conhecidos por fogos de tiro ou estouro. Estes são os mais procurados pelos torcedores, segundo o comerciante João Bosco, que acredita em um aumento na procura pelos produtos com a proximidade da data comemorativa, na próxima semana.

“Muitos deixam para comprar os produtos de última hora, por isso, acredito que, quanto mais perto da data nós estivermos, mais as pessoas virão comprar os fogos, principalmente os foguetes de mão, que fazem mais barulho. A Copa do Mundo ajudou mais neste tipo de fogo”, disse João.

Mas, para Washington Reis, gerente de uma loja de fogos de artifícios do Alecrim, o evento ajudou, mas também atrapalhou bastante o comércio local e a coincidência de datas do próximo jogo da seleção brasileira e o São João causou um efeito contrário nas vendas, principalmente dos principais tipos de fogos mais procurados da época.

“A Copa aumentou a procura pelos fogos de barulho, tiros e estouros, que só podem ser manuseados por adultos, mas prejudicou bastante as vendas dos itens voltados para criança, como os traques e as bombinhas coloridas, que não oferecem tantos riscos. Mas, pode ser que isso mude com a proximidade da data, por isso, temos que aguardar, mas é fato que a greve dos ônibus e as chuvas prejudicaram as vendas neste período”, disse.

Compartilhar:
    Publicidade