Greve deixa 100% dos ônibus de Natal parados nas garagens nesta quarta-feira

A categoria faz assembleia hoje para decidir se mantém a paralisação

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Natal tem, nesta quarta-feira 100% da frota de ônibus nas garagens. Os motoristas e cobradores do transporte público endureceram o movimento grevista após a decisão do Tribunal Regional do Trabalho (TRT), que julgou o dissídio coletivo da categoria na tarde de terça-feira e considerou a greve abusiva.

Os desembargadores concederam reajuste salarial de 7,32% aos trabalhadores do transporte urbano de Natal. O novo salário dos motoristas será de R$ 1.557,48, retroativo a 1º de maio. O Tribunal também fixou uma multa de R$ 150 mil ao Sindicato dos Rodoviários (Sintro-RN) pelo descumprimento da decisão judicial que determinava a circulação de um percentual mínimo dos ônibus durante a paralisação. Como não recebeu recursos da categoria nesta quarta-feira, a Corte decidiu que a multa vale a partir de quinta-feira, afirma a Secretaria de Mobilidade Urbana de Natal. A decisão da Justiça ainda antecipa a autorização para que forças policiais sejam usadas a fim de garantir o cumprimento da medida.

Inconformados com a decisão, os rodoviários, que vinham caminhando para a suspensão da paralisação, mantiveram os 620 veículos que circulam na Grande Natal dentro das garagens. A radicalização prejudica mais 530 mil usuários que diariamente dependem do sistema de transporte.

“Durante toda a manhã apenas as vans do transporte opcional e os veículos de lotação cadastrados na Semob estão atendendo os usuários. Nossos fiscais foram até as empresas e confirmaram que nenhum ônibus saiu”, explicou Guto de Castro, assessor da secretaria.

O dissídio não agradou nenhuma das partes. Enquanto os rodoviários esperavam mais, o  Sindicato das Empresas de Transportes Urbanos de Passageiros do Município do Natal (Seturn) não queria o reajuste salarial nem o aumento do vale-alimentação. Segundo os empresários, seria impossível conceder aumentos salariais sem reajustar a tarifa, que atualmente é de R$ 2,20.

Licitação

A prefeitura, através da Secretaria de Mobilidade Urbana, descarta qualquer possibilidade de reajuste da tarifa. Desde o final da década de 90 discute-se a abertura do processo licitatório do transporte urbano em Natal, o que irá regulamentar as concessões dadas às empresas que oferecem o serviço, prevendo o cumprimento de rota e a garantia de veículos novos e horários.

“No momento o reajuste está fora de questão. A licitação está tramitando e a até o final do ano deverá ser publicada. Com isso, nem sabemos se as empresas que hoje operam o sistema serão as mesmas do ano que vem”, reforçou Guto de Castro.

Segundo o assessor, a prefeitura acredita que a greve será esvaziada amanhã devido à decisão do tribunal. A categoria faz assembleia hoje para decidir se mantém a paralisação.

Justiça
O presidente do Sintro-RN, Nastagnan Batista, afirma que a entidade foi notificada da decisão do TRT de que os ônibus voltem a circular, mas diz não há condições de garantir o retorno às atividades neste momento. A definição dos trabalhadores deve ficar para amanhã. “Nós entendemos que decisão judicial tem que ser cumprida. Nós vamos levar (a proposta) para as garagens, mas é muito difícil, porque há uma indignação muito grande”, explicou. Segundo Batista, além das reivindicações não terem sido atendidas, a categoria critica o fato de os empresários quererem cortar o ponto dos dias parados.

O presidente do sindicato afirma, contudo, que a decisão foi respeitada. Ele disse à Agência Brasil que pelo menos 50% dos ônibus foram mantidos em circulação, e a greve foi suspensa em dois dos três dias de jogos da Copa do Mundo na cidade. “Nós transportamos a sociedade”, reiterou.

Fonte: Terra

Compartilhar: