Greve não compromete o funcionamento da Maternidade das Quintas

Somente no feriadão, entre 17 e 21 de abril, 41 partos foram realizados

Maternidade-das-Quintas-JA

Roberto Campello

Roberto_campello1@yahoo.com.br

A greve dos servidores municipais da Saúde não tem comprometido o funcionamento da Maternidade das Quintas, localizada na zona Oeste de Natal, pois apenas os técnicos de enfermagem aderiram à paralisação. Com a greve, a unidade está funcionando apenas com 30% dos técnicos de enfermagem. Mesmo com o efetivo reduzido, durante o feriadão da Semana Santa, de 17 a 21 de abril, a Maternidade realizou 41 partos, sendo 26 cesáreos.

A diretora da Maternidade das Quintas, Aloma Fonseca, conta que hoje a maternidade está lotada, com todos os 40 leitos ocupados. “A greve acarreta alguns problemas, mas não impede que a maternidade funcione normalmente e a quantidade de partos que realizamos durante o feriadão mostra isso”, afirmou a diretora.

A unidade tem capacidade para 30 leitos, mas desde o ano passado ampliou a capacidade em mais dez leitos, com o fechamento temporário da Maternidade Leide Morais. Por mês, a unidade realiza uma média de 300 partos, destes, cerca de 20% são de pacientes oriundas do interior do estado. A maternidade conta com duas salas de parto e um centro cirúrgico.

“Às vezes funcionamos com mais de 40 leitos, pois em situações excepcionais de lotação, algumas pacientes já chegaram a ficar em cadeiras. Esse cenário de superlotação é diário, pois recebemos uma grande demanda de pacientes vindo do interior”, afirmou a diretora da maternidade, Aloma Fonseca.

Semana passada, uma enfermaria da maternidade foi interditada por conta de um problema no esgoto da unidade. No entanto, a diretora da maternidade explicou que até o fim do expediente daquele dia, o banheiro não apresentou nenhum problema, mas de repente, toda água começou a voltar.

“Mas isso foi contornado na mesma noite. Não temos nenhum problema de esgoto, pois somos saneados. Acredito que o fluxo de água foi maior que o normal”, afirmou. Em relação à interdição da enfermaria, a diretora afirmou que foi necessário em função de uma paciente que estava com infecção. “Já é rotina nossa. Quando uma paciente está com infecção, interditamos a enfermaria por 48 horas por precaução”.

Greve

Na última quarta-feira (23), os servidores da saúde do município de Natal realizaram uma assembleia e aprovaram a continuidade da greve iniciada no último dia 15 de abril. Após avaliar o encontro ocorrido com representantes do prefeito Carlos Eduardo, a categoria aprovou também um novo calendário de atividades, entre elas uma vigília de recepção no Aeroporto Internacional Augusto Severo no próximo dia 28, data em que o prefeito Carlos Eduardo retorna à Natal após viagem.

Sem uma nova proposta por parte do governo na reunião ocorrida na terça-feira (22) na Secretaria Municipal de Planejamento (Sempla), a resposta dos servidores durante a assembleia foi de fortalecimento da greve. “A impressão que a gente teve é de que o governo marcou essa reunião de ontem apenas para ganhar tempo. Diante de tanta indiferença da prefeitura, a única saída da categoria é intensificar a greve”, afirmou Célia Dantas, diretora do Sindsaúde-RN.

As novas atividades da greve percorrerão todos os distritos sanitários da capital, começando nesta quinta-feira (24) com um mutirão nos distritos Norte I e II. As atividades seguirão durante todos os dias (inclusive nos fins de semana) até a próxima assembleia dos servidores, marcada para o dia 5 de maio, às 9h, na sede do Sindsaúde.

Compartilhar:
    Publicidade