Grupo que matou jovem gay é preso e confessa que alvo eram os homossexuais

Dois menores e quatro homens admitiram ter espancado Bruno Borges de Oliveira no último domingo (26) e ter realizado outro ataque uma hora e meia antes

O estudante Bruno Borges foi morto por grupo que assaltava homossexuais na região central de São Paulo. Foto:Divulgação
O estudante Bruno Borges foi morto por grupo que assaltava homossexuais na região central de São Paulo. Foto:Divulgação

Foram presos neste domingo (2), os responsáveis pela morte do estudante gay de 18 anos, Bruno Borges de Oliveira, encontrado morto na Rua Herculano de Freitas, região central de São Paulo, as 5h30 da manhã de domingo (26). Ao todo seis homens foram detidos e confessaram que alvos eram homossexuais.

Dois jovens de 16 anos e Leonardo da Rosa, 23, Evetron José Teodoro de Souza, 20, Gabriel Leal Noronha, 20, Daniel Henrique da Silva, 20. foram os responsáveis pelo crime.

Inicialmente o boletim de ocorrência foi lavrado como como furto pela polícia. As investigações do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) apontou que o grupo atacava gays por os considerarem um alvo mais frágil. A investigação foi feito pelo 1º Patrimônio (Delegacia de Investigações sobre Roubos e Latrocínios)

Segundo dois amigos que estavam com Bruno na noite do assassinato, eles teriam parado para urinar em uma árvore quando foram abordados pelo grupo. O jovem não conseguiu fugir e teve o celular e um par de tênis levados. O SAMU, serviço de atendimento pré-hospitalar de urgência e emergência de São Paulo apontou que o jovem tinha uma série de hematomas na cabeça que teriam levado a morte.

O grupo também admitiu outro ataque 90 minutos antes.

O corpo de Bruno foi velado no Velório Bela Vista, e enterrado no Cemitério Parque dos Girassóis, ambos em Osasco, cidade onde o jovem morava.

Fonte:Terra

Compartilhar: