Gusttavo Lima: Juiz nega justiça gratuita para estudante peladona

Magistrado também negou que o processo corra em segredo de justiça. Estudante de enfermagem move ação de mais de R$ 5 milhões contra cantor Gustavo Lima e organização do Villa Mix

hrthrthrth

O juiz da 7ª Vara Cível de Cuiabá, Yale Sabo Mendes, negou o pedido de assistência judiciária gratuita que a estudante de enfermagem Hosana Priscila de Oliveira Lopes, de 20 anos, move contra o cantor Gusttavo Lima e às empresas Áudio Mix Publicidade e Eventos, Villa Mix e Unifort Segurança e Vigilancia Patrimonial, por danos morais. Além disso, também indeferiu o pedido de que a tramitação do processo corresse em segredo de justiça.

A estudante de enfermagem ficou conhecida após ficar nua no show sertanejo Villa Mix, no dia 22 de março. Cenas foram propagadas em redes sociais. De acordo com a decisão, Priscila não comprovou insuficiência de renda.

O advogado dela, Cláudio Vitor Freesz, diz que vai recorrer da decisão, pois Priscila não possui renda e conta apenas com a ajuda de sua mãe, que também é pobre e segundo ele não possui nem imóvel próprio. Cláudio não quis confirmar o valor das custas processuais, mas acredita que seja no mínimo R$ 40 mil. “Eu não fiz o cálculo, não sei o valor, mas acho que o processo deve custar pelo menos R$ 40 mil”, afirmou.

trhtrhrthre

O juiz também indeferiu que o processo corra em segredo de justiça. De acordo com a decisão, o caso não se trata de interesse público e nem envolve informação pessoal da estudante. “Mesmo porque os fatos ora noticiados são de conhecimento notório de toda população cuiabana, já que o caso foi divulgado amplamente na mídia”, diz trecho da decisão. O advogado, Cláudio Freesz, discordou da decisão e disse que sua cliente está sendo massacrada pela opinião pública.

Hosana Priscila Lopes entrou com uma ação contra o cantor Gusttavo Lima e as empresas responsáveis pelo evento e pela segurança do local no valor de R$ 5,7 milhões por danos morais. Segundo Cláudio Freesz, as partes envolvidas também tiveram responsabilidade do episódio em que a estudante ficou nua. “Ela foi incentivada e filmada pelas pessoas que deveriam impedir ela de entrar naquele local e tirar a roupa, os seguranças. Se fosse um homem que tivesse tentado tirar a roupa eles teriam impedido”, afirmou.

O advogado sustenta que Priscila foi drogada dentro do camarim do cantor Gustavo Lima, pois ela não se lembra do que aconteceu depois que entrou no local. Após sair de lá, a estudante tirou a roupa, em uma área restrita do evento. O vídeo contendo o episódio foi repassado pelas redes sociais. Cláudio Freesz disse que vai recorrer do indeferimento da prestação da assistência judiciária gratuita.

 

Fonte: Hiper Notícias

Compartilhar: