Henrique Alves anuncia gabinete de integração para segurança

Candidato afirma que essa será a primeira providência dele no Governo

Henrique: “Esse gabinete vai ser ligado diretamente ao governador. Vamos nos reunir todo mês para monitorar as ações”. Foto: Divulgação
Henrique: “Esse gabinete vai ser ligado diretamente ao governador. Vamos nos reunir todo mês para monitorar as ações”. Foto: Divulgação

O candidato do PMDB ao Governo do Estado, Henrique Alves, garantiu a delegados de polícia, durante reunião promovida pela associação da categoria (Adepol), que sua primeira providência na área da segurança pública, caso eleito, será a criação do gabinete que vai integrar as polícias, o Corpo de Bombeiros e o Itep.

“Eu asseguro a vocês que, assumindo o governo, na minha primeira semana de trabalho, eu vou criar esse gabinete que vai integrar as polícias e eu vou dedicar a primeira semana a estudar toda a problemática da segurança pública. Esse gabinete vai ser ligado diretamente ao governador. Vamos nos reunir todo mês para monitorar as ações”, disse.

Também serão chamadas para a reunião com as forças do sistema de segurança, assegurou o candidato, os poderes legislativo, judiciário, o Ministério Público e representantes da sociedade civil. “Nada será feito às escuras, nada será feito por esperteza. Tudo será feito com um profundo respeito às categorias. E uma coisa eu aprendi: o diálogo será a minha marca”, acrescentou.

Durante a reunião, Henrique defendeu a valorização do profissional da segurança pública e estruturação dos equipamentos de trabalho. “Qual o delegado se sente motivado? Porque é muito importante a auto-estima, pode ser em qualquer profissão. Você gosta de chegar num bom ambiente de trabalho, sentir-se ali, mesmo numa área difícil, estressante, motivado. Qual o delegado que pode se sentir motivado na delegacia do jeito que está hoje no nosso estado? É um desrespeito”, comentou.

Para ter condições de melhorar a situação, Henrique defende o aumento do orçamento destinado pelo governo à segurança. “Hoje, o orçamento para a segurança do Rio Grande do Norte é 7%, ficando na frente somente de Roraima, entre todos os estados do país. Outros estados na faixa de 12%, 14%. Desses 7%, 6% vão todos para folha, restando apenas 1% para custeio”, detalhou.

O candidato afirmou ainda que a situação da segurança pública do Estado se agravou potencialmente nos últimos anos. “Natal hoje, de quatro anos para cá, se tornou a quarta cidade mais violenta do Brasil. É estarrecedora essa informação. Segundo a ONU, é a décima quarta cidade mais violenta do mundo. Como é que se explica isso?”, questionou.

Ele lembrou que por diversas vezes o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, passou em meu gabinete na Presidência da Câmara para dizer que a logística da segurança na Copa era a única que estava preocupando o governo federal. “Ele me dizia que aqui não tinha cones, coletes para os policiais, viaturas”, lembrou.

Antes de encerrar a reunião, Henrique disse que não seria irresponsável de prometer ali o que não poderá cumprir caso seja eleito governador. “Eu não quero agradar, eu quero convencer”, observou. E finalizou: “O que eu estou tentando fazer é uma construção política que me dê força para buscar aqui e fora recursos substanciais para, em primeiro lugar, investir na segurança pública”.

Compartilhar: