Herói mexicano esperou três Copas do Mundo para poder brilhar

Ochoa, grande nome no empate em 0 a 0 entre Brasil e México foi aos Mundiais de 2006 e 2010, mas só agora consegue a chance de atuar como titular e voltará para casa desempregado

Goleiro mexicano parou o ataque brasileiro. Foto: Divulgação
Goleiro mexicano parou o ataque brasileiro. Foto: Divulgação

O grande responsável pelo 0 x 0 entre Brasil e México nesta terça-feira, no Castelão, pelo Grupo A da Copa do Mundo, precisou esperar três Mundiais para poder mostrar seu talento. Francisco Ochoa, autor de defesas espetaculares que impediram a vitória brasileira, chegou a ser convocado para as Copas de 2006, na Alemanha, e 2010, na África do Sul, mas sempre ficou no banco de reservas.

Escolha óbvia como melhor homem em campo nesta terça-feira, Ochoa era dúvida até mesmo para ser o titular do gol mexicano no Brasil. Quando a seleção mexicana ainda era comandada por Javier Aguirre, Ochoa acabou amargando a reserva. Na Copa da África do Sul, por exemplo, ele era cotado poara ser titular até poucos dias antes da estreia da equipe, contra os donos da casa. Foi apenas nas eliminatórias para esta Copa que ele começou a garantir seu lugar no time principal, embora ainda estivesse revezando no gol com Jesús Corona.

Quando a delegação mexicano chegou ao Brasil no início do mês, o técnico Miguel Herrera ainda tinha dúvida sobre quem escalar. Mas optou por Ochoa para a estreia contra Camarões, quando por sinal ele fez uma defesa importantíssima no final da partida, assegurando a vitória de 1 a 0 no jogo realizado na última sexta-feira.

Aos 28 anos e com apenas 1m85 (estatura baixa para a posição), Francisco Ochoa pode ter que procurar um clube para jogar depois da Copa. Revelado pelo América, onde atuou de 2004 a 2011, Ochoa defendia o Ajaccio, da França, desde então. Seu contrato com o clube francês irá se encerrar no próximo dia 30 e ele dá a entender que poderá buscar novos ares, especialmente após o rebaixamento da equipe na liga francesa.

“Minha prioridade é permanecer na França, mas estou aberto a outras propostas. Melhorei bastante nos últimos três anos. Mas eu estava acostumado a competições de alto nível quando jogava no México”, afirmou.

“Demos um grande passo”

Invencível durante os 90 minutos da partida contra o Brasil, nesta terça-feira, na Arena Castelão (em Fortaleza), o goleiro mexicano Ochoa foi eleito o melhor em campo pela Fifa. Após a partida, que terminou empatada em 0 a 0, o arqueiro do México ressaltou a solidez da equipe comandada por Miguel Herrera e comemorou o empate com os anfitriões.

“Sabíamos que seria muito difícil jogar contra o Brasil em sua casa. Por sorte, a equipe mostrou solidez defensiva. Acho que vamos embora contentes, demos um grande passo”, afirmou Ochoa.

O goleiro, que elegeu a defesa em uma cabeçada de Neymar, no primeiro tempo, como a mais difícil da partida, foi exaltado também pelo companheiro Rafa Márquez, zagueiro e capitão mexicano.”Ele fez um trabalho excelente, mas todos nós fizemos um esforço. Nós soubemos responder, sabíamos que seria assim desde o início – que eles teriam oportunidades, e nós também”, disse Márquez.

Com o empate, o México se manteve na segunda colocação do Grupo, com os mesmos quatro pontos do Brasil, mas um gol a menos de saldo. Para conquistar a classificação, os mexicanos precisam apenas de um empate no último jogo da primeira fase: contra a Croácia, na próxima segunda-feira, às 17 horas (de Brasília), na Arena Pernambuco, em Recife.

Fonte: IG

Compartilhar:
    Publicidade