Homem que matou mulher estrangulada e jogou corpo em lixão pega 21 anos

Crime aconteceu em março de 2013, no bairro Manacás, em Belo Horizonte

Acusado alegou que cometeu o crime porque ficou "cego" de raiva com traição. Foto: Divulgação
Acusado alegou que cometeu o crime porque ficou “cego” de raiva com traição. Foto: Divulgação

A Justiça decidiu condenar Manoel Messias de Jesus, acusado de matar a mulher, Poliana de Araújo Monteiro, de 25 anos, a 21 anos e quatro meses de prisão. O réu respondeu por homicídio triplamente qualificado e ainda ocultação de cadáver, já que jogou o corpo da vítima em um lixão às margens da BR-040. O crime aconteceu em março de 2013, no bairro Manacás, em Belo Horizonte.

A decisão foi tomada pela juíza Marixa Fabiane Lopes, na última terça-feira (24), em audiência no 1º Tribunal do Júri do Fórum Lafayette. De acordo com a denúncia do Ministério Público, Jesus agrediu e estrangulou Poliana porque a mulher desejava se separar.

No dia anterior ao assassinato, ela conseguiu uma medida protetiva contra o acusado. Por isso, ele foi obrigado a deixar a casa onde vivam, fato que motivou o homicídio. Os dois estavam juntos há oito anos e tinham uma filha de apenas dois. A criança presenciou o crime.

Júri

O julgamento começou às 13h. Entre as testemunhas, estava a irmã da vítima, que relatou que Poliana estava separada do marido, embora os dois ainda vivessem sob o mesmo teto. Ela contou ainda que a irmã já havia registrado boletim de ocorrência contra o réu por agressão. Testemunhas de defesa, por outro lado, alegaram que Poliana traía o marido e que toda a vizinhança sabia da existência do amante.

Jesus confessou o crime, mas argumentou que não estava separado da vítima. Segundo ele, o verdadeiro motivo seria o fato de ter encontrado uma camisinha e um número de celular do ex-namorado da mulher. Diante da confirmação de Poliana sobre o relacionamento extraconjugal, o réu afirmou que teria ficado “cego de raiva” e, por isso, acabou cometendo o homicídio.

Os jurados, por maioria de votos, reconheceram a culpa de Jesus. Ele foi condenado a 19 anos pelo assassinato e outros dois anos e quatro meses por ocultação de cadáver, em regime inicialmente fechado.

Fonte: R7

Compartilhar: