Hope é condenada em R$ 27 mil por obrigar funcionárias a mostrar roupa íntima

Empresa terá de pagar mais de R$ 27 mil a uma empregada por revistar sua lingerie e checar que nada havia sido roubado

A Hope foi condenada pelo TST por vistoriar lingerie de funcionárias para evitar roubo. Foto:Divulgação
A Hope foi condenada pelo TST por vistoriar lingerie de funcionárias para evitar roubo. Foto:Divulgação

A fábrica de roupas íntimas Hope do Nordeste foi condenada pela Justiça do Trabalho por revistar as funcionárias e checar a marca das roupas íntimas que usavam, como forma de banir o roubo de peças.

Segundo nota publicada no site do Tribunal Superior do Trabalho (TST), esse tipo de revista pessoal “viola a dignidade da pessoa humana e a intimidade do trabalhador”.

Condenada pelo TST, a empresa terá de pagar indenização no valor de R$ 27.283,20 à empregada, o equivalente a vinte vezes o salário da empregada.

O caso

Em 2012, uma operadora de telemarketing buscou a Justiça para pedir indenização por danos morais pelas revistas íntimas. De acordo com o TST, a funcionária tinha que se despir em cabines em frente das fiscais para mostrar a marca da lingerie e provar que não estava levando peças da Hope.

“Segundo a empregada, as revistas eram vexatórias e manchavam sua honra, privacidade e intimidade”, informa a nota do TST.

O tribunal afirma, ainda, que a empresa defendeu-se justificando que a atitude não fere as regras trabalhistas e a dignidade humana. A grife acrescentou também que a revista era prevista em instrumento coletivo de trabalho.

Procurada às 17h, a empresa ainda não se manifestou.

Compartilhar:
    Publicidade