Horta certical procura auxiliar os alunos na integração de disciplinas

A horta vertical pode ser montada tendo o muro como suporte

Com mais de 200 garrafas pet arrecadadas, alunos ajudarão a manter projeto. Foto: José Aldenir
Com mais de 200 garrafas pet arrecadadas, alunos ajudarão a manter projeto. Foto: José Aldenir

Uma medida que serve tanto para decoração quanto para educação e incentivo à alimentação saudável: uma horta vertical. A escola Espaço Educação vai implantar uma horta desse tipo em suas dependências no bairro de Ponta Negra ainda nesta semana.

A horta vertical pode ser montada tendo o muro como suporte. Os vegetais são plantadas em garrafas pet em posição horizontal devidamente cortadas e sustentadas por um barbante.

A horta vai ser um instrumento didático-pedagógico utilizado por várias disciplinas. Quem levou o projeto para a escola foi a professora Fernanda Braga do quarto ano do Ensino Fundamental. A primeira experiência dela com uma horta vertical ocorreu num projeto que desenvolveu ainda quando era estudante da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Ela foi até o município de Pendências em uma escola carente da localidade. “Por isso foi realizado com o intuito de autossuficiência da própria escola”, disse. Ou seja, isso significa que os vegetais cultivados foram consumidos pelos próprios alunos.

No entanto, apenas plantar e chamar as crianças a participarem do cultivo não é o ideal segundo a professora. É importante mostrar a importância de uma alimentação saudável e convencê-las disso. “Fizemos teatrinhos para as crianças, adaptamos a linguagem das palestras”, contou. Além disso, as crianças ficarão responsáveis pela manutenção da horta, inclusive com o replantio depois que ela voltou para Natal.

Na escola da zona Sul de Natal, o projeto ainda está em andamento. Até agora, os professores trabalharam temas relacionados à horta dentro da sala de aula para envolver as crianças. Uma delas é Sophia Damásio, de 10 anos, do quarto ano do ensino fundamental.

A estudante já tinha uma alimentação saudável dentro de casa, que foi reforçada pela escola. “Como um bocado de coisa, só não rúcula porque acho meio amargo”, confessou. Outra restrição de Sofia é com o brócolis. “Só gosto cru, mas minha mãe cozinha. Cozinhado, ele perde mais o gosto”, disse.

Segundo ela, desde os seis meses de idade sua família optou por uma alimentação saudável. Quando seu pai ficou doente, o exemplo de casa se intensificou. “Quando meu pai estava doente, minha mãe começou a fazer mais salada para ele, aí a pressão dele baixou mais”, relatou. Sófia até chega a defender a alimentação saudável porque já sabe que isso tem resultados a longo prazo. “É bom comer coisa saudável porque quando tiver adulto a gente não vai ficar doente”, sintetizou.

Mas a alimentação saudável não é o único tópico importante que a horta vertical pode dar como lição. “Ali eles vão aprender sobre autossuficiência, sustentabilidade e reciclagem, alimentação saudável, o desenvolvimento das plantas”, elencou a professora.

De acordo com a coordenadora pedagógica da Espaço Educação, Joelma Silva, haverá uma palestra para os pais e os alunos sobre a alimentação saudável e a importância da horta para o processo de ensino-aprendizagem para as crianças. Antes disso, os alunos doaram as garrafas pet, onde ficarão as plantas. O plantio começa na sexta-feira (29), depois da montagem da horta.

Compartilhar:
    Publicidade