Hospital Varela Santiago faz empréstimo para manter atendimento

Faz 2 meses que a Prefeitura não repassa os recursos federais voltados para pagamentos dos prestadores de serviço

Paulo Xavier afirma que dívidas e falta de repasses federais comprometem serviço. Foto: Divulgação
Paulo Xavier afirma que dívidas e falta de repasses federais comprometem serviço. Foto: Divulgação

Um empréstimo de R$ 5,5 milhões e falta de repasses para administrar o hospital preocupa a diretoria do Varela Santiago, unidade voltada para atendimento infantil através do Sistema Único de Saúde (SUS). Os 12 mil procedimentos/mês realizados no hospital podem estar comprometidos futuramente, caso a Prefeitura de Natal e o Governo do Estado continuem atrasando os repasses financeiros.

Paulo Xavier, diretor geral do Varela, disse que para manter o hospital funcionando foi preciso contrair tal empréstimo no ano passado. “Tomamos os R$ 5,5 milhões emprestados, pagamos uma dívida de R$ 2 milhões e o montante que sobrou ficou guardado para comprarmos um terreno ao lado do hospital e cobrir os possíveis atrasos para garantir salários dos profissionais e aquisição de medicamentos. O problema é que esse dinheiro também está acabando e não temos mais a quem recorrer”, disse.

Segundo o diretor, faz dois meses que a Prefeitura de Natal não repassa os recursos federais voltados para pagamentos dos prestadores de serviço, na ordem de R$ 1,6 milhão. “Sabemos que o Ministério da Saúde faz o repasse da verba à Prefeitura, mas não entendemos o porquê do dinheiro até agora não ter caído na nossa conta. Ninguém da Secretaria de Saúde nem se dispõe a conversar com a gente”, destacou Xavier.

A reportagem tentou ouvir o secretário municipal de Saúde, Cipriano Maia, mas não obteve retorno por telefone. Sobre a dívida do Governo do Estado – verba de R$ 1,8 milhão garantida através de convênio com o Varela – Paulo Xavier esclarece que o hospital só recebeu uma parcela do montante.

“Foi negociado o repasse desse valor em três parcelas ainda em 2013, mas só recebemos uma. Esse dinheiro é importantíssimo para a compra de medicamentos e pagamentos das contas administrativas, como energia e telefone. Os atendimentos ainda não estão comprometidos, mas não podemos garantir até quando tudo estará funcionando bem”, informou o diretor geral do Varela Santiago.

“Nós atendemos os pacientes pelo SUS, sendo o único hospital com referência em pediatria no Estado. Não posso permitir que os pacientes fiquem desassistidos, pelo fato de não termos recursos para manter essa equipe média especializada. Farei 15 anos à frente desse hospital e nunca passei por uma situação de aperto tão grande”, enfatizou.

Luiz Roberto Fonseca, secretário estadual de Saúde, esclareceu que devido às dificuldades financeiras do governo, foi preciso “escolher em quê investir”. “Nós liberamos a primeira parcela desse convênio e as demais ficaram condicionadas à abertura dos leitos da UTI Neonatal. Assim que o hospital garantir a abertura, nós iremos protocolar o repasse”, disse.

O responsável pela Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sesap) ainda enfatizou que os planos da secretaria eram de realizar os repasses ainda em 2013. “Porém, pela insuficiência de recursos, tivemos que priorizar os repasses. No meu entendimento, tais repasses devem estar relacionados ao benefício concreto do usuário. Por isso tivemos que escolher em quê investir primeiro”, disse.

O Jornal de Hoje tentou contato novamente com o diretor geral do Varela Santiago, Paulo Xavier, para esclarecer sobre a data de abertura dos leitos, questionada pelo secretário Luiz Roberto Fonseca. Porém não houve retorno até o fechamento da edição deste vespertino.

Compartilhar: