Ibra tem medo que melhor amigo fale demais em livro e o faz ameaças

Eles não se falam há 13 anos, tendo se encontrado rapidamente pela última vez em 2001, em um shopping na Suécia

Em livro, Flygare recorda infância com Ibra. Foto: Divulgação
Em livro, Flygare recorda infância com Ibra. Foto: Divulgação

Dono de um dos maiores egos do futebol mundial, Zlatan Ibrahimovic não foi o grande astro em todas as equipes por onde passou. Amigo de infância do craque sueco, Tony Flygare escreveu um livro para contar as histórias pessoais com o atual camisa 10 do Paris Saint-Germain, que nem era tão bom assim com a bola nos pés. As informações são do jornal inglês Daily Mail.

Fylgare e Ibrahimovic cresceram juntos em Malmo, na Suécia, e eram praticamente inseparáveis: jogavam futebol no píer, praticavam voleios e bicicletas na areia e disputavam partidas de videogame. Eles também se profissionalizaram juntos e Flygare era apontado como o grande astro em potencial daquela equipe. Até que um pênalti mudou o destino de ambos.

Em 1999, o Malmo lutava contra o rebaixamento em uma partida contra o Halmstad e teve um pênalti a seu favor nos minutos finais da partida. Flygare, 17 anos, era o batedor oficial da equipe, mas errou a cobrança e viu o time ser rebaixado pela primeira vez na história. Em 2001, os dois amigos se separaram e deixaram o clube: Ibrahimovic foi para o Ajax, da Holanda, enquanto Flygare acabou emprestado para o Lulea.

“Não tive tanto problemas com álcool, mas sim com drogas – maconha e cocaína – e com o jogo. Eu apostava em tudo, não conseguia substituir a sensação que eu tinha em fazer gols”, admitiu Flygare, que encerrou a carreira em 2008, aos 27 anos. Uma surpresa para quem era melhor do que um dos principais astros do futebol mundial.

“Acredite em mim, eu era melhor do que ele”, afirmou Flygare, que escreveu o livro Quando eu era maior que o Zlatan. “Ele queria ganhar de mim em tudo: meninas, futebol, PlayStation… a primeira montanha que ele tinha que escalar era eu”, recordou.

A relação entre os dois amigos que cresceram juntos, porém, se deteriorou. Eles não se falam há 13 anos, tendo se encontrado rapidamente pela última vez em 2001, em um shopping na Suécia.

“Um tempo depois, quando eu estava jogando na Alemanha, mandei uma mensagem de celular para o Zlatan falando que era o Tony. Ele perguntou qual Tony, e eu respondi com uma piada que só nós entenderíamos. Pensei que ele responderia, mas não”, recordou Flygare.

O livro de Flygare também não animou muito Ibrahimovic. “Ele enviou um SMS para um amigo em comum dizendo: ‘fale para o Tony ficar de boca fechada ou ele vai se arrepender’. Mas tudo bem, ainda amo ele. Eu poderia até ter escrito um livro diferente, mas queria respeitar o Zlatan e o que vivemos juntos”, concluiu.

Compartilhar:
    Publicidade