Impostômetro chega à marca de R$ 700 bilhões nesta segunda

No ano passado, esse mesmo valor só foi alcançado no dia 12 de junho

No site do Impostômetro é possível estimar quanto o brasileiro pagará de tributos de 1º de janeiro até esta segunda. Foto: Diuvlgação
No site do Impostômetro é possível estimar quanto o brasileiro pagará de tributos de 1º de janeiro até esta segunda. Foto: Diuvlgação

O Impostômetro da ACSP (Associação Comercial de São Paulo) vai registrar R$ 700 bilhões nesta segunda-feira (9), por volta das 10h30. Esse é o total desembolsado por todos os brasileiros para pagar impostos, taxas e contribuições para a União, os Estados e os municípios.

No ano passado, essa mesma marca de R$ 700 bilhões foi alcançada somente no dia 12 de junho. Rogério Amato, presidente da ACSP e presidente-interino da CACB (Confederação das Associações Comerciais e Empresariais do Brasil), defende maior controle nos gastos por parte do governo.

“Mesmo com a desaceleração da economia, a arrecadação do governo federal vem crescendo acima da inflação, apesar das desonerações ainda existentes. Infelizmente, vemos que as despesas de custeio aumentam e os investimentos estão contidos. Enquanto não houver maior controle dos gastos, os aumentos da receita não serão canalizados para os investimentos necessários para reduzir pontos de estrangulamento que desestimulam ou inviabilizam a expansão do setor privado”.

Pelo portal www.impostometro.com.br, é possível descobrir o que dá para fazer com todo o dinheiro arrecadado. Por exemplo: quantas cestas básicas é possível fornecer e quantos postos de saúde podem ser construídos. O portal também possibilita o levantamento dos valores que as populações de cada Estado e município brasileiro pagaram em tributos.

Impostos na Copa

Nem na hora de vibrar com a Copa do Mundo o brasileiro estará a salvo dos impostos pesados. O produto que é o maior vilão no quesito carga tributária atualmente é o chope: 62,2% do preço final correspondem a impostos.

Outros destaques são fogos de artifício (61,56%), bola de futebol (46,49%), refrigerante (46,47%), amendoim (36,54%) e camisa de time (34,67%). Os dados são do IBPT (Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação), que abastece o Impostômetro.

Fonte: r7

Compartilhar:
    Publicidade