Inaugurado três vezes, Parque da Cidade é citado como exemplo de fracasso no New York Times

Principal jornal do mundo usa exemplo de obra da gestão Carlos Eduardo em reportagem feita sobre Brasil

Parque-da-Cidade-Dom-Nivaldo-Monte-WR

Ciro Marques

Repórter de Política

A cerca de dois meses da Copa do Mundo, Natal voltou a ser destaque internacional. E o motivo não foi nada positivo. A capital potiguar entrou na lista de cidades com maus exemplos de obras inacabadas feita pelo The New York Times, um dos principais jornais do mundo. Qual a obra que fez Natal entrar na lista? A maior feita pelo prefeito Carlos Eduardo na gestão passada dele: o Parque da Cidade.

“A plataforma de observação de altura, projetado pelo famoso arquiteto Oscar Niemeyer, paira sobre um parque em Natal, que foi inaugurada em 2008, mas logo foi abandonado”, apontou a matéria, escrita pelo jornalista Simon Romero e intitulada “Grand Visions Fizzle in Brazil”, algo como “Grandes visões fracassadas no Brasil”.

“Autoridades em Natal, no nordeste do Brasil, gastaram milhões em edifícios ondulados projetados pelo Niemeyer, abrindo-os em 2006 e 2008, mas abandonaram-los quase que imediatamente, permitindo posseiros a ocupar algumas áreas; as autoridades agora dizem que não têm planos para renovar os edifícios”, acrescentou o jornalista americano, citando, em seguida, outros maus exemplos facilmente vistos em Brasília São Paulo.

A situação do Parque da Cidade, realmente, não é nada positiva. O local foi inaugurado (três vezes) em 2008, no último ano daquela gestão Carlos Eduardo Alves, com o status de “maior obra” de Natal naquela administração. No ano seguinte, porém, foram vários os problemas estruturais que impediram que o observatório continuasse aberto. Eram necessários grandes reparos e, como não havia dinheiro (e vontade política) para tal, o jeito foi abandonar a obra.

Cinco anos depois, Carlos Eduardo voltou a Prefeitura de Natal e decidiu retomar e, mais uma vez, inaugurar o Parque da Cidade. Seria necessário mais uma ampla reforma e mais gastos públicos no empreendimento. A previsão mais otimista é que o parque fique pronto só depois da Copa do Mundo, justificando a presença dele na matéria norte-americana.

“O Brasil tem gasto bilhões de dólares na construção de uma ferrovia em todo sertão, apenas para o projeto há muito adiado, ser vítimas de catadores de metal. Novos edifícios públicos curvilíneos, projetados pelo famoso arquiteto Oscar Niemeyer, foram abandonados logo após ser construído. Houve até um malfadado museu construído com recursos federais e que tem seus restos esqueléticos agora sendo consumido por ervas daninha, como um navio perdido”, apontou a matéria, citando, logo de cara, o exemplo do Parque da Cidade de Natal.

É importante lembrar, claro, que o Parque da Cidade não é uma obra com o objetivo de Copa do Mundo. Contudo, seria um local com grande potencial turístico se estivesse apto para receber os visitantes. “Os projetos da Copa do Mundo são apenas uma parte de um problema maior nacional lançando uma cortina de fumaça sobre grandes ambições do Brasil: uma série de projetos luxuosos concebidos quando o crescimento econômico foi de afluência que agora estão abandonadas, paralisadas ou descontroladamente acima do orçamento”, citou a matéria.

Compartilhar:
    • Francinete Amorim

      Engraçado, gastar ‘não sei quantos milhões’ numa obra que não é nada mais nada menos que uma cópia mau feita do Museu do Olho em Curitiba!! Ainda acham pouco e inauguram três vezes, três, viu!!!

    Publicidade