Insatisfeito com falta de compromisso do PMDB, Carlos Eduardo pode ignorar ‘chapão’

Clima de insatisfação do PDT com chapa majoritária pode levar partido a romper aliança eleitoral

ui76u67u6u6u6

Alex Viana

Repórter de Política

O secretário-geral do PDT no Rio Grande do Norte, Jonny Costa, confirmou na manhã desta segunda-feira a insatisfação do partido em relação à aliança com o PMDB e o PSB com vistas ao apoio à chapa do deputado federal Henrique Eduardo Alves, candidato do PMDB a governador, e da vice-prefeita de Natal, Wilma de Faria (PSB), a senadora. Jonny Costa confirma que o PDT deverá se reunir ainda hoje para discutir os rumos do partido nas eleições de 2014.

No sábado, o presidente do diretório do PDT em Natal, o chefe da Casa Civil, Kleber Fernandes, revelou a insatisfação da legenda, diante da falta de reciprocidade do PMDB e do PSB na cessão das bases eleitorais para os pré-candidatos do PDT à Câmara dos Deputados e à Assembleia Legislativa. “Está havendo sim uma insatisfação porque os entendimentos e diálogos políticos celebrados com o PMDB não estão transcorrendo da forma como foi pactuado e está havendo insatisfação no âmbito do PDT”, confirmou esta manhã o secretário-geral do PDT, Jonny Costa, que é diretor-presidente da Urbana, empresa da Prefeitura de Natal que administra a coleta de lixo.

Com as palavras de Kleber e de Jonny, o prefeito de Natal, Carlos Eduardo Alves, presidente estadual do PDT, sinaliza fortemente com a possibilidade de recuar do apoio que declarou à chapa Henrique/Wilma. Segundo Jonny Costa, o PDT posicionou junto ao PMDB que não faria qualquer exigência de composição na chapa majoritária, nem criaria qualquer dificuldade, muito menos vetaria qualquer composição dela, mas, como a próxima eleição é estadual, o partido tem interesse de buscar fortalecimento na Câmara Federal e Assembleia Legislativa, o projeto do partido.

“E houve compromisso de partidos da aliança, como PSB e PMDB, que ajudariam a fortalecer a posição do PDT nesse projeto de garantir espaço na Câmara Federal, e tentar ampliar no nível estadual. Mas, até agora, esse diálogo não passou do campo da mera intenção, e a gente faz a leitura de que precisa se materializar com uma reunião/encontro do PDT com esses partidos, precisa materializar isso. De fato, até agora, nada aconteceu”, afirmou.

A preocupação do diretório estadual do PDT se deve ao fato de que a manifestação e os questionamentos em relação à falta de reciprocidade da aliança vêm das bases do PDT no interior do estado, o que pode significar surpresas na convenção do PDT, em junho, quando o partido irá chancelar qual postura terá nas eleições deste ano.

“Isso é um posicionamento advindo das bases do interior. Onde o partido está se organizando está vindo o questionamento. Querem saber se a parte do PDT é só apoiar, recomendar os votos, ou se vai ter contrapartida de lá para cá. Isso é que estão questionando”. Segundo Jonny Costa, o PDT vem cumprindo rigorosamente com o acertado com o PMDB. “Esperamos que os outros partidos também o façam”.

REUNIÃO

Neste sentido, o PDT deverá realizar uma reunião do diretório estadual ainda nesta segunda-feira, para decidir sobre os desdobramentos da crise. “Temos por ora apenas um indicativo de uma reunião do diretório estadual com os membros dos diretórios municipais, e comissões provisórias, e lideranças do partido no estado, para gente a debater”.

O encontro desta segunda, que deverá contar com a presença do prefeito de Natal, Carlos Eduardo Alves, prefeito de Parnamirim, Maurício Marques, do deputado Agnelo Alves, e presidentes dos diretórios municipais, deverá definir uma data para uma reunião mais ampla, com representantes do PDT em todo o estado, provavelmente no próximo sábado. “Tudo indica que ainda hoje haverá reunião de comando central para decidir a data que seja viável. Talvez sábado”.

“Apoio de Maurício a Walter prova que somos solidários à aliança”

Instado a falar como o PDT pode cobrar reciprocidade de aliados de outras legendas, quando líderes do próprio partido não apoiam candidatos do PDT, caso do prefeito de Parnamirim, Maurício Marques, que declarou apoio à candidatura de Walter Alves (PMDB) a deputado federal, o secretário do PDT, Jonny Costa afirmou que este fato comprova que o PDT está solidário com a aliança, já que Walter pertence ao PMDB, partido que lidera o chapão, com os demais partidos, o que não está sendo constatado na relação das demais legendas com o PDT.

“Esse é um dos exemplos que o PDT tem demonstrado de comportamento solidário em relação à aliança. Porque mesmo o prefeito de Parnamirim sendo do PDT, tendo declarado apoio a deputado federal a candidato que não é do PDT, não questionamos isso em nenhum momento, pelo menos externamente. É uma questão que também estamos discutindo. É uma demonstração que o partido dá e temos condições de cobrar hoje, se estamos somando no projeto global. Tem caminho de ida, mas não tem de volta. Política é via de mão dupla”, afirmou.

Em relação às reuniões entre líderes do PMDB e do PDT, que ocorreram de sábado para esta segunda-feira, visando “debelar” a crise, Jonny afirmou que esses diálogos, até o presente momento, estão “muito longe daquilo que esperamos diante desse entendimento político eleitoral como discutimos com o PMDB”. Ele acrescenta: “Vieram algumas lideranças do PMDB no interior, dialogaram conosco, mas muito aquém do número e potencial que há tanto do PMDB como do PSB e que podem dar reforço para que a gente se sinta estimulado a entrar de cabeça, de corpo e alma na campanha”, afirmou.

Compartilhar: