Instituto estimula desenvolvimento de jogos digitais no RN

Mercado de games no brasil é um dos que mais crescem no mundo

II-Workshop-de-jogos-digitais-do-RN---Metropole-Digital-HD

O Brasil representa um dos maiores mercados no segmento de jogos digitais, área que chega a movimentar cerca de R$ 70 bilhões por ano em todo o mundo. Embora seja um setor ainda recente no país e que carece de estrutura e incentivos, esse segmento já está recebendo alguns estímulos também no Rio Grande do Norte, por meio de investimentos e apoios trabalhados pelo Instituto Metrópole Digital (IMD), na Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

O crescimento do mercado de games é uma oportunidade lucrativa do segmento de Economia Criativa, principalmente entre o público de jovens estudantes. Os dados referentes ao crescimento do setor no Brasil e as perspectivas de expansão do segmento de quadruplicar o faturamento até 2016, revelam a existência de oportunidades de negócios. Com foco nesse crescimento, o IMD está promovendo nesta sexta-feira (23) e sábado (24) o 2º Workshop de Jogos Digitais do RN – voltado a estudantes e profissionais interessados em desenvolvimento de jogos digitais e mídia digital interativa.

Em sua segunda edição, o Workshop objetiva trabalhar o caráter interdisciplinar do segmento, explorando diversas áreas do conhecimento, como computação, artes, design, educação, psicologia, saúde e demais áreas que fazem uso dos jogos digitais como ferramentas de transformação individual e social.

Segundo o professor do Instituto Metrópole Digital, Charles Madeira, coordenador do Workshop, o evento possui um viés acadêmico, com o objetivo de propiciar um momento de convergência e discussão sobre pesquisas científicas e tecnológicas, sem deixar de lado o interesse pelo mercado.

“Através dos jogos, é possível motivar as pessoas de diversas frentes de aprendizagem. Muitas vezes crianças e jovens não têm resultado satisfatório nas escolas em determinada disciplina, porém mostram eficiência nos jogos que fazem aplicação de tal disciplina. Isso prova que os jogos podem ser trabalhados de maneira educativa no ensino básico, correlacionados com temas como saúde, educação e finanças, por exemplo”, disse.

De acordo com o professor, o Rio Grande do Norte tem uma grande demanda que pode ser explorada para investimentos futuros na área de jogos digitais. “Queremos mobilizar as pessoas e mostrar que há mercado promissor, até então muito carente em nosso Estado. Através desses talentos, podemos criar diversas plataformas de jogos que poderão ser utilizadas futuramente até nas salas de aula”, afirmou Madeira.

O diretor do Metrópole Digital, professor Ivonildo Rêgo, ex-reitor da UFRN, explicou que o investimento no segmento de jogos e mídias digitais no RN vem de um trabalho desenvolvido pelo Instituto, buscando identificar áreas no estado que ainda não haviam estabelecido competências.

“A área de jogos digitais é bastante estratégica, capaz de gerar muitos negócios para que trabalha na área e para o Estado como um todo. Estamos captando recursos para contratar profissionais na área e investir na formação de novos profissionais, através de nossos cursos. Atualmente já temos uma turma iniciando o curso técnico presencial de Jogos Digitais, através do Pronatec”, afirmou Ivonildo.

“Além disso, também estamos qualificando as formações nas áreas de graduação e pós-graduação. Os estudantes que participam dessas qualificações têm ainda a oportunidade de dar início às primeiras etapas da carreira profissional, com incentivo das empresas incubadas do Metrópole Digital”, destacou.

Esse é o caso do jovem Wadson Patrício, de 25 anos. Após finalizar o curso técnico no final do ano passado, ele já está com uma empresa incubada nas instalações do Metrópole: a Bit Raiders.

“Com todo a infraestrutura fornecida pelo Instituto, certamente imagino um ótimo futuro para a minha carreira. Ainda tenho muitas barreiras a serem vencidas, mas sei que há muito mercado a ser explorado. Natal é bastante defasada nessa área de jogos digitais. É muito bom ver que o Instituo e a UFRN estão fomentando essa iniciativa”, afirmou.

Compartilhar: