Institutos reagem a críticas de Robinson Faria sobre as pesquisas eleitorais

Para o diretor do Instituto Consult, Paulo de Tarso, as críticas são fruto do momento da campanha, no qual o candidato do PSD está atrás nas pesquisas

PAULO-CONSULT

Em segundo lugar em todas as pesquisas eleitorais divulgadas até aqui, o candidato do PSD ao Governo do Estado, Robinson Faria, atacou os institutos de pesquisa em entrevista na manhã de ontem ao Jornal da Cidade, da 94 FM. Robinson disse que as pesquisas eleitorais são “peça de marketing”.

Representantes dos institutos de pesquisas do Rio Grande do Norte reagiram e reafirmaram a credibilidade das pesquisas publicadas nas últimas semanas.

Os ataques de Robinson tiveram espaço quando o candidato foi questionado sobre o fato de as três últimas pesquisas terem apontado liderança do candidato do PMDB, Henrique Alves, com 9,8 (Consult), 12 (Ibope) e 15 pontos percentuais (Seta) de vantagem. “A questão das pesquisas virou no Brasil uma peça de marketing. Eu não me abalo com pesquisas. Eu não tenho nenhuma preocupação com pesquisa”, disse Robinson Faria.

Para o vice, o único instituto de pesquisa com credibilidade é o GPP, coincidentemente o único a apontar uma vantagem menor de Henrique Alves em relação ao candidato do PSD. Um dos clientes do GPP, sediado em Niterói(RJ) é o presidente do partido de Robinson, o ex-prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab.

O presidente da Associação dos Institutos de Pesquisa do Rio Grande do Norte, Mardone França, disse que é comum em períodos de campanha o questionamento acerca do resultado de pesquisas. “Os institutos cumprem um papel importante para a sociedade, não apenas para as candidaturas e os financiadores. É normal que exista questionamento e todo mundo tem o direito de discordar, contudo acusações contra a moral das empresas não são o melhor caminho”, disse Mardone, complementando que os institutos “têm credibilidade”.

Para o diretor do Instituto Consult, Paulo de Tarso, as críticas são fruto do momento da campanha, no qual o candidato do PSD está atrás nas pesquisas. “Em época de campanha, o emocional do candidato fica à flor da pele e aqueles que não estão na frente tentam descredibilizar os institutos. Mas sendo o próprio Robinson cliente da Consult ele não pode agora dizer que se trata de um instituto inidôneo. Robinson conhece o trabalho do Consult”, diz.

A reportagem tentou contato com o Ibope, que preferiu não se pronunciar. Em off, um dos executivos considerou os ataques “um problema menor” e que esse tipo de situação é “comum em época de eleição”.

Sobre o instituto Consult, durante a entrevista, Robinson Faria sugeriu que existe uma ligação com a candidata ao Senado pelo PSB, Wilma de Faria. A Consult mostrou Henrique Alves com 35,12%, Robinson Faria com 25,29%, Robéiro Paulino com 0,88%, Simone Dutra com 0,71% e Araken Farias com 0,47%.

Já sobre o Ibope, Robinson acusou o Instituto de ter “ligações com o deputado Henrique”. O Ibope trouxe Henrique Alves com 40%, Robinson Faria com 28%, Robério Paulino e Simone Dutra com 2% cada e Araken Faria com 1%.

Em relação ao Instituto Seta, Robinson disse que “nem conhece o instituto”. “Não tive tempo de analisar essa pesquisa do Instituto Seta. Eu nem conhecia esse instituto. Sempre aparecem novos institutos quando chega o período eleitoral”, atacou. O Seta teve a pesquisa mais recente divulgada, com a maior vantagem de Henrique, de 15 pontos percentuais e vitória no primeiro turno. O resultado final deu Henrique Alves com 39,7% dos votos, Robinson Faria com 24,1%, Robério Paulino com 2,6%, Simone Dutra com 1,4% e Araken Farias com 0,6%.

Questionado sobre o fato de o Instituto Seta prestar serviços ao Partido dos Trabalhadores, para realização de pesquisas internas, Robinson Faria preferiu não fazer nenhum comentário. O PT é aliado da candidatura Robinson e tem a candidata ao Senado da coligação, a deputada federal Fátima Bezerra.

Compartilhar: