iPad causa irritação de pele, aponta estudo realizado e publicado nos EUA

Equipamento pode conter níquel, um dos metais causadores de alergia mais comuns; uso de capa protetora reduz risco

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Irritações na pele sem explicação? Dê uma checada em seu iPad. Acontece que o tablet pode conter níquel, um dos metais causadores de alergia mais comuns.

Relatórios recentes em publicações científicas de medicina detalham alergias a níquel decorrentes de uma variedade de equipamentos pessoais, incluindo laptops e celulares. Mas foi um iPad da Apple que causou uma irritação num garoto de 11 anos atendido recentemente no hospital de San Diego, de acordo com um relatório publicado nesta segunda-feira (14) no Pediatrics  [a revista científica oficial da Academia Norte-Americana de Pediatria].

Risco é baixo, mas incômodo é grande

Irritações decorrentes de níquel não são perigosas mas podem ser muito desconfortáveis, e podem exigir tratamentos com esteróides e antibióticos se as erupções da pele se tornam infectadas, diz Sharon Jacob, dermatologista do Rady Children’s Hospital, onde o garoto foi tratado.

A médica, uma das autoras do relatório, diz  que o garoto perdeu aulas por causa da irritações. Ele tem uma condição de pele, muito comum, que causa manchas escamosas, mas desenvolveu uma forma diferente de irritação em todo o corpo que não respondeu ao tratamento usual. Testes mostraram que ele tinha uma alergia a níquel, e os médicos ligaram essa condição a um iPad comprado pela família em 2010.

Os médicos testaram o dispositivo e detectaram um químico encontrado no níquel na cobertura externa do iPad.

“Ele usava o iPad diariamente”, diz Sharon Jacob. Segundo ela, o garoto melhorou após o tablet ganhar uma capa protetora.

Ainda não se sabe se todos os modelos de iPad e outros dispositivos da Apple têm níquel. O porta-voz da empresa, Chris Gaighter, informou que não comentaria.

Pessoas que têm alergia a níquel correm risco de ter irritações decorrentes de eqiupamentos que possuam o metal. De acordo com um aviso sobre celulares no site do Nickel Institute, uma associação global baseada em Torono [Canadá] e que representa os produtores de nínquel, o risco decorre do contato com superfícies que contenham o metal “por longos períodos de tempo.”

“O tempo necessário para causar uma reação alérgica varia de 5 a 10 minutos a jamais, dependendo da sensibilidade do indivíduo”, diz o alerta.

Irritações decorrentes de níquel também foram ligadas a outros produtos comuns, inclusive joias, armações de óculos e zíperes.

Sharon Jacob diz que os indícios sugerem que alergias de níquel têm se tornado mais comuns, ou mais reconhecidas. Ela cita dados nacionais mostrando que aproximadamente 25% das crianças que passam por testes têm alergia a níquel, contra 17% há uma década.

A médica diz que os médicos devem levar em conta os dispositivos eletrônicos como fontes potenciais quando pacientes buscam tratamento para irritações de pele.

Fonte: IG

Compartilhar:
    Publicidade