Jiu-Jitsu de Natal arrecada dinheiro para o tratamento do garoto Pedrinho Lobo

Regional da Gracie Barra no RN abraçou a causa e decidiu lutar, desta vez, em prol da saúde do menino

Academia-Gracie-HD

Com apenas três anos, Pedro Lobo, ou Pedrinho, como ele é carinhosamente chamado por todos, é um pequeno guerreiro que vem enfrentando grandes batalhas diárias desde seu nascimento. Diagnosticado com microcefalia e Síndrome de West, ele sofre com as inúmeras limitações impostas pelos problemas de saúde, mas apesar de tudo, é uma criança muito risonha, que traz muitas alegrias para seus pais.

“Por causa da síndrome, que já é em decorrência da microcefalia, o Pedrinho não anda, não senta, não fala e não escuta, mas nos reconhece pelo toque e cheiro e sempre tem um sorriso para nos presentear. Além disso, ele também sofre com refluxo, que deve ser corrigido em breve com uma cirurgia para a colocação de uma sonda no estômago dele, e também com convulsões diárias”, explicou a mãe de Pedro, a jornalista Juliana Lobo.

Ela, que deu à luz a outro menino há apenas um mês, ainda comemora o retorno de Pedrinho para casa, após 35 dias internado – sendo 30 deles em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI), por causa de uma pneumonia de repetição, nesta sexta-feira. Causado pelo refluxo, a doença afeta os pulmões da criança, provocando o problema respiratório. Mas, Juliana também revela a alegria pela corrente solidária realizada pelas escolas de artes marciais Gracie Barra do Rio Grande do Norte, com o Seminário Solidário em prol do Pedrinho, neste sábado, em Natal.

Toda a verba arrecadada com o evento será revertida em ajuda financeira para custear o tratamento de Pedrinho, segundo o diretor regional da Gracie Barra no Estado, Itácio Lisboa. Ele disse que ficou sabendo da história do menino através de um aluno e amigo da família Lobo e que, em solidariedade, resolveu juntar 12 instrutores faixa preta de Jiu-Jitsu para ministrar um aulão de técnicas da modalidade esportiva aos cerca de cem participantes do evento.

“Além de ajudar em uma luta justa, é um motivo de grande alegria para todos que integram a família Gracie Barra no Rio Grande do Norte poder participar de alguma forma nos custeios do tratamento do nosso amiguinho. É uma satisfação muito grande porque sabemos que, com isso, podemos contribuir para melhorar um pouco a qualidade de vida do Pedrinho”, afirmou Itácio.

Para Juliana, a ação solidária é motivo de emoção e alegria. “Fiquei muito emocionada em saber que eles fariam isso, até porque não conhecemos nenhum deles pessoalmente e saber que, mesmo assim, eles se importam tanto com a qualidade de vida do meu filho. Não tenho palavras para agradecer. São anjos que apareceram nas nossas vidas, para nos ajudar”, desabafou.

Doença virótica atinge 1% dos recém-nascidos

Causada por um vírus da família do herpes, o citomegalovírus atinge 1% dos recém-nascidos e é chamada de citomegalovirose congênita. A maioria dos bebês infectados não apresenta nenhum sintoma ao nascer ou depois, mas para alguns, ela pode causar graves seqüelas, entre eles, os que limitam a vida de Pedrinho, como a perda da audição.

Compartilhar: