JOÃO MAIA

A análise do deputado federal João Maia sobre a situação política do RN foi uma das mais sóbrias. Pelo menos,…

A análise do deputado federal João Maia sobre a situação política do RN foi uma das mais sóbrias. Pelo menos, no que diz respeito à situação da ex-governadora Wilma de Faria. Ela ocupou o espaço, o vácuo deixado pela “falta” de nomes em jogo e, sem se lançar candidata, mas também sem negar o interesse de ser novamente governadora ou, pela primeira vez, senadora, cresceu nas pesquisas de intenção de voto, se tornando a “noiva” mais cobiçada da disputa.

ARTICULAÇÕES
Devem começar neste feriadão as articulações do PMDB para viabilizar o nome de Fernando Bezerra como candidato do PMDB para o Governo do Estado. A idéia de que ele está vendo com “entusiasmo” a candidatura é o primeiro passo para convencer os próprios correligionários de que o nome dele é viável para a disputa. Até porque não soou bem a maneira desinteressada com que ele estava tratando o fato.

DESCONFIANÇA
Contudo, mesmo assim, não será fácil convencer os correligionários que Fernando Bezerra é viável. Na realidade, tanto ele, quanto Henrique convivem com a desconfiança eleitoral. Unanimidade no partido mesmo só o ministro Garibaldi Filho, que já afirmou que não será candidato – e, ao que parece, não será mesmo.

PT E PSD
Nome esquecido pelo presidente municipal do PT, Juliano Siqueira, o vice-governador Robinson Faria é o que pode fazer os petistas desistirem da candidatura própria, mesmo se uma aliança com o PMDB se mostrar inviável. O PSD de Robinson, por sinal, já tem até conversado com a cúpula nacional petista para buscar o apoio da sigla.

PT PERDE MAIS
Apesar de bom para o crescimento do partido, uma candidatura própria do PT neste momento, ao que parece, pode render muito mais prejuízos para o partido do que conquistas. Isso porque uma das principais lideranças da sigla, o deputado Fernando Mineiro, tem grandes chances de se mostrar forte eleitoralmente e, assim como em 2012, perder. O problema é que uma derrota dele em 2014 significaria também a perda do mandato.

Compartilhar:
    Publicidade