Lembranças pré-Copa – Danilo Sá

Causou estranheza em boa parte do mundo político a entrevista coletiva de boa parte dos secretários municipais para tratar dos…

Causou estranheza em boa parte do mundo político a entrevista coletiva de boa parte dos secretários municipais para tratar dos benefícios gerados pela Copa do Mundo para Natal, um dia depois de encerrada a participação da cidade no torneio.E os motivos são muitos.

Para os mais esquecidos, o prefeito Carlos Eduardo Alves era o prefeito quando as cidades sedes do mundial começaram a se movimentar para receber os jogos de agora. Em meados de 2007, o então gestor não assinou a ficha que candidatava Natal a receber a Copa. Na época, achava que havia outras prioridades para a cidade.

Em meio a isso, o deputado federal Fábio Faria já atuava para convencer a classe política da chance que a capital potiguar tinha nas mãos. E ganhou como forte aliado na época, o secretário de Juventude e Esporte do Governo do Estado, Miguel Weber. A primeira tarefa foi convencer Agnelo Alves, então prefeito de Parnamirim e pai de Carlos Eduardo, a assinar a candidatura para evitar a saída do evento do território potiguar.

Ato consumado, Miguel recebeu uma comissão da Fifa e teve a ideia de mostrar ao grupo, de helicóptero, a área de propriedade do Catre, em Parnamirim, “informando” que ali podia ser erguido o “Estrelão”, um estádio em homenagem ao Forte dos Reis Magos.

Ao passar por cima do antigo Machadão, o grupo perguntou a Miguel se ali naquela área não poderia ser o estádio com padrão Fifa – e o secretário afirmou que ia lutar por isso. Nesse momento, entra em cena outro personagem importante – e esquecido – nesses últimos dias: Fernando Fernandes, ex-secretário de Turismo de Wilma de Faria que passou a acumular a pasta da recém-criada Secopa.

Apesar de toda a competência de Fernando, o Governo Wilma, encerrado por Iberê Ferreira em dezembro de 2011, foi transferido para Rosalba em janeiro de 2012 com uma quase certeza: Natal estaria fora da Copa do Mundo porque a última tentativa de licitação foi vazia. Numa decisão solitária, quando descobria a verdadeira situação financeira do Estado, a Rosa resolveu encarar o desafio e abriu uma nova licitação, vencida pela OAS.

Detalhe importante também para um dos raros êxitos da gestão Micarla de Sousa. Foi da ex-prefeita a iniciativa de buscar os recursos da Caixa Econômica Federal para construir os túneis e viadutos inaugurados por Carlos Eduardo no mês passado – e estranhamente nunca liberados antes de janeiro de 2014. Micarla ainda nomeou Marinho Chagas “Embaixador da Copa” em Natal, lamentavelmente exonerado do posto honorário por Carlos Eduardo em janeiro de 2013.

Resolvida a licitação, foram 29 meses de trabalho ininterruptos para erguer a Arena das Dunas, uma obra de R$ 400 milhões, recursos tomados de empréstimo ao BNDS, com parcelas de R$ 10 milhões mensais que começaram a ser pagas pelo Estado em fevereiro e vão se arrastar por 20 anos. No final das contas, a Arena das Dunas vai sair por R$ 1,2 bilhão. Se vai dar lucro ou não com o futebol potiguar e os eventos prometidos, só o tempo dirá.

PÓS-COPA I

Para fechar o assunto do texto principal da coluna de hoje, é bom que se diga que, no final, a Copa valeu à pena. Sem ela, certamente, ainda estaríamos esperando pelo Aeroporto de São Gonçalo, pelos recursos para as obras de saneamento do Estado, os túneis e viadutos que deram um fôlego ao trânsito de Natal e a tão propalada divulgação espontânea das nossas belezas no exterior a custo zero.

PÓS-COPA II

De real, a estimativa é que 170 mil turistas passaram por aqui, deixando algo em torno de R$ 311 milhões, o equivalente a cinco vezes a folha de pagamento da Prefeitura de Natal, ocupada, hoje, por Carlos Eduardo, o que não tinha muito interesse na Copa, e Wilma, que por pouco não viu anunciado no final do seu governo que Natal estava fora do Mundial.

PÓS-COPA III

Interessante perceber que todos os personagens da história relembrada pela coluna hoje, exceto Miguel Weber, assistiram a pelo menos um jogo na Arena das Dunas durante essa rápida e inesquecível participação de Natal no Mundial. E cada um tentou, ao seu modo, dizer que era o pai ou a mãe da Copa do Mundo em Natal. Nada como um dia após o outro.

FICHA-SUJA

O ex-prefeito de Macau, José Antonio Menezes, está na relação dos inelegíveis como Ficha Suja do Tribunal de Contas da União. O médico Wilson Roberto, que disputou a última eleição como candidato a prefeito de Macau pelo PT, também figura na relação do TCU como Ficha Suja. Aliás, a lista em todo o país é bem grande e vai acabar tirando muita gente da disputa. É aguardar.

OPORTUNIDADE

A Casa Talento está divulgando um novo prazo de inscrições para bolsas. Agora, os interessados podem procurar a instituição na próxima segunda (30) e terça-feira (01), das 8h às 12h e das 14h às 17h. O candidato deve ser da rede pública de ensino e ter entre 7 e 20 anos. Mais informações no telefone 3201-1363.

GANCHO

A Fifa puniu exemplarmente o atacante Luiz Suárez, do Uruguai, devido a mordida que o mesmo deu em um adversário no jogo contra a Itália, na Arena das Dunas. O atleta pegou 9 jogos de suspensão e está fora da Copa. Situação semelhante a enfrentada pelo brasileiro Leonardo na Copa de 94, quando recebeu sete jogos de punição após uma cotovelada em um jogador dos Estados Unidos nas oitavas de final.

COPA CONTINUA

Por falar no Uruguai, a equipe continua em Natal após a classificação obtida no jogo da última terça-feira. Ontem e hoje, o elenco realizou treino no estádio Frasqueirão. A expectativa é que a delegação siga até amanhã para o Rio de Janeiro, onde enfrentará a Colômbia no Maracanã, em jogo válido pelas oitavas de final. E vai jogar sem Suárez.

IMÓVEIS

A nova Central de Vendas da Capuche no Praia Shopping mantém o horário diferenciado durante as rodadas finais da Copa do Mundo. A construtora quer aproveitar o aumento do fluxo de clientes com a programação especial para os jogos. Por isso, a equipe comercial está de plantão para apresentar os produtos aos clientes e turistas interessados em adquirir um imóvel na capital potiguar.

GIRA MUNDO

A notícia foi destaque hoje nos principais portais do mundo. O presidente da Fifa, Joseph Blatter, pretende tirar a Copa do Mundo de 2022 do Qatar quando receber o resultado da investigação sobre suposto esquema de propina ligado à escolha do país para sediar o evento. Blatter já recebeu sinalização de que o promotor americano Michael Garcia, chefe do Comitê de Ética da Fifa, confirmará que dinheiro e privilégios foram distribuídos a cartolas e federações no processo de escolha.

Compartilhar: