Linda, a autista da novela, não deve namorar, dizem especialistas

Pessoas com graus mais severos do transtorno podem ter dificuldade de ler expressões faciais e compreender emoções alheias

O romance vivido pela personagem autista Linda (Bruna Linzmeyer) de Amor à Vida tem intrigado quem assiste aos capítulos da novela. Na última semana, ela e o advogado Rafael (Rainer Cadete) se beijaram e o rapaz foi preso – mas o namoro parece caminhar para um final feliz.

O autismo, transtorno que afeta cerca de 1% da população e compromete as habilidades comunicativas, cognitivas e emocionais, pode ter níveis variados. Pacientes com quadros mais suaves, conhecidos como Síndrome de Asperger, normalmente casam-se e têm filhos. Já pessoas com autismo grave, por ter dificuldades de discernimento, não devem cultivar relacionamentos amorosos. É o caso de Linda.

Segundo a psicóloga Ana Arantes, professora do curso de pós-graduação de Análise do Comportamento Aplicada ao Autismo da Universidade Federal de São Carlos (Ufscar), o envolvimento de Linda, uma menina com sério comprometimento cognitivo e comunicativo, com um adulto mais velho, plenamente capaz, sem o consentimento da família, não deve acontecer. Pessoas com autismo podem ter dificuldade de ler expressões faciais e compreender sinais de emoção alheios.

“Para muitos autistas é difícil reconhecer metáforas, ironia, duplos sentidos e insinuações. O perigo de se envolver com pessoas mal intencionadas é maior”, afirma Ana ao site de VEJA. “Por outro lado, quando a família e a comunidade estão atentas e podem monitorar o relacionamento, essa pode ser uma fonte de estímulo importante para o desenvolvimento da comunicação, expressão e compreensão de emoções e sentimentos do autista.” Na última terça-feira, a psicóloga escreveu sobre o assunto um post em seu blog, texto curtido por 38 000 pessoas.

Sem beijos – O psiquiatra Estevão Vadasz, criador do Programa de Transtornos do Espectro Autista (PROTEA) do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas de São Paulo, concorda que a personagem de Amor à Vida, com o quadro severo da doença, não deveria se relacionar com um homem. Perante a lei, Linda é considerada incapaz – a exemplo dos menores de dezesseis anos – e Rafael, capaz. “Para se envolver com uma pessoa assim, o autista teria de passar por uma perícia judicial. Apenas depois de uma avaliação com especialistas mostrando que ele tem discernimento e crítica, ele poderia estar com outra pessoa”, afirma Vadasz. “Se uma autista engravidar, é preciso considerar se ela será capaz de cuidar de um filho. Por isso, é preciso tomar todos os cuidados”, afirma Vadasz.

A evolução de Linda ao longo da novela, que passou de autista grave para alguém com sintomas de uma síndrome mais branda, é um caminho praticamente impossível na vida real. “Mesmo que existam graus diferentes de autismo, o padrão de comportamento e o grau de severidade não variam de uma hora para a outra. O autista pode se desenvolver gradativamente ao longo de um tratamento sistemático e intensivo”, diz Ana.​

O romance vivido pela personagem autista Linda (Bruna Linzmeyer) de Amor à Vida tem intrigado quem assiste aos capítulos da novela. Foto: Divulgação
O romance vivido pela personagem autista Linda (Bruna Linzmeyer) de Amor à Vida tem intrigado quem assiste aos capítulos da novela. Foto: Divulgação

 

Fonte: Veja

Compartilhar: