Lojistas dizem que “bandos” não serão tolerados nos shoppings

Donos dos centros comerciais conseguiram, na Justiça, barrar a realização de alguns desses encontros

De acordo com a associação, 450 milhões de pessoas passam pelos shoppings do país todo mês. Foto: Divulgação
De acordo com a associação, 450 milhões de pessoas passam pelos shoppings do país todo mês. Foto: Divulgação

Os shoppings estão abertos à população, sem restrição, afirmou nesta quarta-feira (22) o presidente da Alshop (Associação Brasileira de Lojistas de Shopping), Nabil Sahyoun. No entanto, ele disse que “bandos” não serão tolerados.

“Todas as pessoas são bem-vindas aos shoppings do Brasil, sem distinção de qualquer tipo de pessoa da sociedade brasileira.[...] Os shoppings estão abertos. Não existe restrição, não existe segregação de forma alguma”, disse Sahyoun. Ele destacou que “qualquer um pode entrar”.

O presidente da associação disse, no entanto, que a entidade é contra aglomeração dentro dos shoppings. “Vocês não poderão entrar em ‘bando’, mas individualmente todos poderão entrar.[...] Não podemos permitir que 2.000, 3.000 pessoas entrem ao mesmo tempo”, enfatizou.

Questionado pela reportagem se grupos menores que 1.000 pessoas poderiam ter acesso tranquilamente aos centros comerciais, Sahyoun não quis estabelecer uma quantidade.

De acordo com a associação, 450 milhões de pessoas passam pelos shoppings do país todo mês. Os centros comerciais abrigam mais de 120 mil lojas, que empregam 1,5 milhões de trabalhadores.

Onda de ‘rolezinhos’

A onda de “rolezinhos”, que chegam a reunir milhares de jovens, começou em dezembro do ano passado em shoppings de São Paulo e se espalhou por outras cidades.

Donos dos centros comerciais conseguiram, na Justiça, barrar a realização de alguns desses encontros, com multa de R$ 10 mil para quem insistisse em fazer o “rolezinho”.

No último dia 11, policiais militares usaram bombas de gás lacrimogêneo e balas de borracha para dispersar participantes de evento realizado no Shopping Metrô Itaquera, na zona leste.

 

Fonte: Uol

Compartilhar: