Lucena: “É mais fácil encontrar orelha de freira do que gente para votar em Henrique”

Vereador petista cobra projeto de Governo assim como o PT está construindo com o PSD de Robinson

7i67i67i53y4564

O vereador do PT Fernando Lucena questionou, na manhã desta quarta-feira, o plano de salvação do Rio Grande do Norte proposto pelo presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves, pré-candidato do PMDB a governador do Estado. Lucena diz que o vice-governador Robinson Faria (PSD) está construindo ao lado do PT e da deputada federal Fátima Bezerra, pré-candidata ao Senado, um plano de governo para o Estado. “Estamos construindo um programa de governo com Robinson. Qual o plano de governo de Henrique? Dizer que vai salvar a desgraça que fizeram?”, questionou o vereador, na esteira da repercussão, ainda, do anúncio da chapa que terá Henrique disputando o governo ao lado da vice-prefeita de Natal, Wilma de Faria (PSB), concorrendo ao Senado.

Segundo o vereador, a governadora Rosalba Ciarlini (DEM) age acertadamente quando afirma que o estado vem sendo dilapidado há 40 anos, através dos sucessivos governos. “Não foi Rosalba que destruiu, mas os últimos 40 anos foram de destruição do Estado. Não dá para condenar Rosalba, dizer que o Estado está assim por culpa dela. Ela foi correta quando disse que encontrou o barco afundado. Desafundar é mais difícil. Sem programa de governo mais difícil ainda”, afirmou o vereador, afirmando que Henrique irá perder a eleição de governador. “Nós não vamos ganhar, Henrique vai perder”, declarou.

Lucena disse desconhecer quem vote em Henrique. “Não conheço ninguém que vote em Henrique. É mais fácil encontrar orelha de freira do que voto em Henrique. Apenas os políticos que estão na arca de Noé votam nele. Fora isso, ninguém”, diz Lucena, que também abordou a situação da ex-governadora Wilma na chapa. Segundo o vereador, “vão fazer com Wilma o que fizeram com Fátima em 2008″, disse, ao considerar que, no PMDB, vão priorizar a eleição de Henrique em detrimento da de Wilma.

“Dizer que o povo vai julgar… Vai julgar o que mesmo? É porque tem coisa para ser julgada. É réu de alguma coisa. Oficializadas essas convenções, Wilma vai ficar sozinha. Se ela for até lá candidata ao Senado… Acho que ela vai analisar isso. Ver o filme de 2008″, afirmou o vereador, ao abordar as declarações do ministro da Previdência, Garibaldi Filho (PMDB), que afirmou que o povo quem irá julgar Wilma nas urnas e que caberá a ele, Garibaldi, defender a chapa, ressaltando as qualidades dos que estão se propondo a servir de alternativa para o RN, no sentido de executar projetos que o estado necessita.

“Vão escantear Wilma. Fazer o que fizeram com Fátima na eleição de 2008. Perdi meu mandato de vereador naquele momento porque vesti a camisa de Fátima mas o PT ficou sozinho. Garibaldi andava metade de uma rua e ia embora para o interior. Wilma andava metade da rua e ia para o interior. E a gente ficava sozinho”, disse o vereador, ao recordar a derrota de Fátima para Micarla de Sousa na disputa pela prefeitura de Natal. Na época, Fátima contou com um amplo palanque, mas perdeu no primeiro turno. “Vão concentrar a campanha para Henrique e vão deixar Wilma chupando o dedo, essa será a tática. Se Wilma for para o Senado, nós vamos ganhar, Fátima vai estourar. Wilma é forte para o governo, mas é muito fraca para o Senado”, observou o petista.

Sobre os escândalos da gestão Wilma de Faria, como Ouro Negro, Sinal Fechado, Foliaduto e Hygia, Lucena afirma que, de todo modo, esteja onde estiver, serão retomados durante a campanha. “Se Wilma está fazendo aliança com medo disso, isso vai vir à tona, sendo ela candidata ao governo ou ao Senado”. De acordo com o vereador, “a eleição será de baixaria, não tem dúvida disso, mas o PT pensa o contrário, pensa em propostas. O povo foi enganado duas vezes, com Micarla e Rosalba, que foram eleitas sem programa de governo”.

PROPOSTAS

Lucena afirmou, ainda, que PT e PSD trabalham para apresentar um plano de governo para a avaliação da população. “PT e PSD vão propor debate com a sociedade”. Quanto às dificuldades para formação da chapa proporcional, o vereador assegura que inexistem. “Primeiro diziam que Robinson não seria candidato. Robinson deu uma declaração e acabou a boataria. Agora, inventam o problema da coligação, não está acontecendo problema algum. Não temos pressa para escolhermos o vice, o suplente. As coligações vão acontecer porque nós debatemos. Aqui não é arca de Noé, nem acordão, aqui teremos partidos que virão ainda. Nós não temos pressa. Nós vamos ganhar as eleições”.

Compartilhar:
    Publicidade