Lula 1.0 Total Flex

Uma das salvações para o mundo vendida pelo ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva foi o etanol. Em todos os…

Uma das salvações para o mundo vendida pelo ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva foi o etanol. Em todos os continentes, o homem esbravejou que o Brasil tinha a solução para o problema do petróleo, que só polui o meio ambiente e gera conflitos armados. “É limpo, barato e nós sabemos fazer”, era sua fala adaptada para caber nesta nota.

Seu alvo predileto era os Estados Unidos, cujo protecionismo em favor dos produtores de milho, matéria-prima do etanol feito por lá, impedia a entrada do combustível brasileiro no mercado almejado por todos. “O Império nunca estende a mão”, corria nos gabinetes gramscinianos, como um grito antidominação colonial.

Daquele tempo em que o baixinho de Garanhuns abusava do carisma que Deus, Freud ou o acaso lhe deu guardamos a promessa não cumprida, mais uma balela para boi dormir, engolida com prazer pela massa – assim como a autossuficiência no petróleo; a nova classe média; e o nefasto “nunca na história deste país a vida foi tão boa”.

Cinco, seis anos depois do auge populista leio que a BMW lançará seu primeiro carro produzido na fábrica de Santa Catarina: o sedan 320i ActiveFlex. O grande lance aí é o ‘flex’. Quem hoje em dia abastece com álcool?  Os alemães pensem apenas no mercado paulista, únicos que encontram vantagens no bolso com o derivado de cana? Como em várias áreas do realismo fantástico petista, a falta de investimentos minguou o setor.

Maior produtor mundial de açúcar e segundo de etanol, atrás apenas dos EUA, o Brasil tem 54% de sua cana utilizada na fabricação de combustível. O montante até cresceu, em 2012, como informa a Única (União da Indústria da Cana de Açúcar). A previsão paara a safra 2013-2014 é de 589 milhões de toneladas.

Só que produtores reclamam que gastam 15% das receitas para pagar juros das dívidas. Eu não entendo bulhufas de economia, mas aprendi o básico de matemática para perceber que essa conta não bate – assim como na derrocada da Petrobras, que compra petróleo no exterior por um preço e vende mais barato no mercado interno, para maquiar o preço da gasolina.

P.S. O 320i ActiveFlex brasileiro custará R$129.950, quase o dobro do americano (U$32.750). Somos ou não somos tops de linha?

 

CURTAS

Ludovicus
Na tarde de ontem (18), tive o prazer da companhia de Anna Maria Cascudo Barreto e Daliana Cascudo, as duas guardiãs do Ludivocus – Instituto Câmara Cascudo, entidade lotada no casarão onde o maior folclorista brasileiro morou por mais de quatro décadas, na Cidade Alta. Entre trinta mil livros e 27 mil cartas e documentos digitalizados, mãe e filha foram simpáticas e carinhosas ao extremo. Na edição do próximo sábado, publicarei o resultado do encontro tão agradável.

Jobim
Tarcyla Costa avisa que no período entre 21 de dezembro e 20 de janeiro, o Cascudo Bistrô, em Petrópolis, entrará em recesso. Durante esse mês, a casa comandada pelo chef Daniel Cavalcanti passará por uma reforma para ficar ainda mais charmosa e aconchegante. Já o Jobim Bossa e Jazz, entra em recesso no dia 21 de dezembro e reabre no dia 2 de janeiro com sua famosa programação musical.

Forró com Turista
Quem passou dos 35 anos tem alguma história vivida no Centro de Turismo. Até os metaleiros registram em sua memória o show antológico do Viper, em 1988 (o primeiro grande evento do gênero na capital potiguar). Por isso, hoje, a partir das 22h, por R$25,00, você pode ralar o bucho até as duas da matina e soltar a memória por caminhos nostálgicos. Para os mais jovens, saibam que ali funcionou um presídio e que fica próximo a Maternidade Januário Cicco.

Copa atrapalha o cinema
O estrago causado pelo evento inviável em um país despreparado não tem fim. Agora são os produtores de festivais que acusam risco no calendário 2014 com a fuga de patrocinadores, entraves nos convênios com o Ministério da Cultura e a tenebrosa campanha eleitoral no segundo semestre. O MinC puxa a corda no pescoço dos produtores, ao lançar um edital com R$ 50 milhões apenas para eventos realizados nas doze sedes da Copa. O modelo de financiamento público para a cultura tem sido questionado com fervor.

Compartilhar: