“Lula, com codinome Barba, era informante do meu pai no Dops”, diz Tuma Júnior

Ex-secretário Nacional de Justiça afirma que ex-presidente usava codinome Barba para passar informações para o orgão de repressão da ditadura militar brasileira

Livro de Tuma Júnior trará revelações da política brasileira. Foto:Divulgação
Livro de Tuma Júnior trará revelações da política brasileira. Foto:Divulgação

“Havia uma fábrica de dossiês no governo. Sempre refutei essa prática e mandei apurar a origem de todos os dossiês fajutos que chegaram até mim. Por causa disso, virei vítima dessa mesma máquina de difação. Assassinaram minha reputação”, afirma Tuma Júnior, que deixou a secretaria em 2010 quando seu nome foi vinculado à máfia de contrabandistas chineses.

O delegado aposentado também afirma ter sido vítima da suposta máquina de dossiês do governo por ter descoberto uma “conta do mensalão” no exterior. Ela teria sido criada nas Ilhas Cayman e seria operada pelo ex-ministro da Casa Civil José Dirceu. “Eu levei o processo para o Tarso Genro e disse: olha, tem de apurar isso. Mas quando veio essa resposta de Cayman (possibilidade de existência da conta), os caras pararam tudo. Mandei cópia para o ministro apurar isso, e espero resposta até hoje”. afirmou.

Fonte:IG

Compartilhar:
    • Carlos Azevedo

      Essa denúncia de que Lula foi um informante do DOPS, durante a ditadura, disfarçado com o nome de “BARBA” é muito séria. A denúncia é feita pelo ex-Secretário Nacional de Justiça, Romeu Tuma Júnior, filho do ex-senador Romeu Tuma, chefe do DOPS durante a ditadura.

    • J.S. Neto

      Brizola já dizia que o sapo barbudo pisava até no pescoço da mãe para conseguir algo