Lutador Luiz de França teria sido assassinado por motivo de ciúme ou vingança

Polícia investiga se houve algum assédio da vítima para com a mulher do policial - o que poderia desencadear reação de ciúme

Dono da academia negou qualquer envolvimento de Luiz com confusão ou drogas. Foto: Reprodução/Facebook
Dono da academia negou qualquer envolvimento de Luiz com confusão ou drogas. Foto: Reprodução/Facebook

O segundo-tenente PM Iranildo Félix, principal e único suspeito, até agora, de ter cometido homicídio contra o professor de MMA, Luiz de França Souza Trindade, 25 anos, na manhã de ontem, se apresentou na tarde do mesmo dia na 11ª DP para prestar esclarecimentos sobre o ocorrido. O delegado Sílvio Fernando, responsável pela investigação do crime afirmou haver contradição no depoimento do militar.

“Iranildo veio até a delegacia se apresentando como inocente do crime, mas durante o depoimento percebemos uma contradição. Ele disse que estava em outra academia às 8 horas da manhã, mas como tivemos acesso ao horário de entrada dele, percebemos que ele esteve lá apenas às 10h05, 20 minutos após o crime”, informou o delegado.

Principal suspeito do crime, o tenente Iranildo alega inocência em sua página (excluída) no Face e prestou depoimento em liberdade. Foto: Reprodução/Facebook
Principal suspeito do crime, o tenente Iranildo alega inocência em sua página (excluída) no Face e prestou depoimento em liberdade. Foto: Reprodução/Facebook

O delegado já solicitou o exame residuográfico (balística) para saber se a munição encontrada no corpo do lutador, foi originada de uma arma da polícia. Hoje pela manhã o Silvio Fernando ouviu o proprietário da academia onde o crime aconteceu, que também é uma das testemunhas. Segundo ele, “o empresário negou qualquer envolvimento do professor com confusão ou drogas, além disso, ele afirmou, bem como outras testemunhas, que o tenente tinha comportamento agressivo, atitude estranha e violenta”.

Polícia já solicitou exame de balística para saber se os projéteis de calibre .40 encontrados no corpo do professor foram disparados por arma militar. Luiz foi assassinado com nove tiros de pistila em via pública, na calçada da academia. Foto: Divulgação
Polícia já solicitou exame de balística para saber se os projéteis de calibre .40 encontrados no corpo do professor foram disparados por arma militar. Luiz foi assassinado com nove tiros de pistola. Foto: Divulgação

Uma nova hipótese surgiu e vai ser investigada pelo delegado Silvio Fernando. O ciúme excessivo que o tenente tinha pela namorada, que está internada no hospital São Lucas. A mulher foi vítima de um espancamento no último sábado (8), da qual o militar também é suspeito, segundo a Polícia. “Existe a hipótese de que Luiz por ser um rapaz muito educado tenha sido gentil com a garota em algum momento, mas sobre traição, ainda iremos ouvir a jovem que está internada e vamos estudar essa hipótese”, disse.

Comunidade de Jiu-Jitsu potiguar está de luto pela morte do lutador - uma figura muito querida. Foto: Divulgação
Comunidade de Jiu-Jitsu potiguar está de luto pela morte do lutador – uma figura muito querida. Foto: Divulgação

Durante todo o dia o delegado vai ouvir dois alunos que presenciaram o crime, a família da vítima além de analisar imagens cedidas pelas câmeras de segurança das academias e da rua.

O crime

O crime aconteceu por volta das 9h30 da manhã de ontem, em frente a uma academia no bairro Pitimbú, zona sul de Natal. A vítima foi o professor de artes marciais, Luiz de França, 26 anos, morto a tiros por um ex-aluno da academia, o tenente Iranildo Félix.

O homicídio ocorreu na manhã desta segunda-feira, em frente à academia onde Luiz dava aulas de MMA, no Cidade Satélite. Foto: José Aldenir
O homicídio ocorreu na manhã desta segunda-feira, em frente à academia onde Luiz dava aulas de MMA, no Cidade Satélite. Foto: José Aldenir

Segundo informações do Capitão da Polícia Militar Juscelino Martins, o professor tinha terminado de dar aula e saía da academia quando foi surpreendido por dois homens em uma motocicleta. Um dos suspeitos alvejou nove vezes contra a vítima, com uma pistola ponto 40. O professor caiu em frente da academia e veio a óbito antes da Samu chegar no local.

O tenente não gostava das aulas de jiu-jistu ministradas pela vítima. “Ele criticava a aula e pedia que fosse mais violenta”, afirmou o delegado da 11ª DP, Silvio Fernando responsável pela investigação criminal.

O velório e enterro do professor e atleta de MMA aconteceu por volta das 20h da noite de ontem no cemitério morada da paz, em Emaús, em meio a forte comoção. Familiares e amigos demonstraram indignação com o fato e por diversas vezes relataram a boa conduta do jovem.

Professor Luiz de França com seus alunos, após treino de Jiu-Jitsu. Foto: Reprodução/Facebook
Professor Luiz de França com seus alunos, após treino de Jiu-Jitsu. Foto: Reprodução/Facebook
Compartilhar: