Macaíba sofre ao se tornar passagem obrigatória de carros para novo aeroporto

Cidade é castigada pelos buracos e trânsito infernal, causados pelo aumento no fluxo de veículos pesados

Foto: José Aldenir
Foto: José Aldenir

Alessandra Bernardo

alessabsl@gmail.com

Assim como os motoristas que trafegam pelas ruas e avenidas de Natal e Parnamirim, quem precisa circular pelo Centro de Macaíba, também sofre com a grande quantidade de buracos existentes nas vias. Para eles, além da falta de manutenção do asfalto, o problema é causado também pelo grande número de caminhões de carga que passou a circular diariamente pelo bairro, em direção ao Aeroporto Aluízio Alves, em São Gonçalo do Amarante, na Região Metropolitana. A Prefeitura Municipal deve iniciar uma operação tapa-buraco no início de agosto.

“Moro aqui há muitos anos e nunca vi uma operação tapa-buracos sendo feita na minha rua ou em outro lugar da cidade, por isso, o asfalto está tão deteriorado e os motoristas estão estressados. E, para completar tudo, de uma hora para outra o número de caminhões pesados triplicou nas ruas do Centro, contribuindo para aumentar ainda mais esse problema. Só que ninguém liga e nós vamos levando assim mesmo”, disse o comerciante João Ferreira.

Ele disse que, por causa disso, quando precisa resolver alguma coisa no Centro de Macaíba, deixa o carro em casa e vai de bicicleta, para evitar desgaste das peças do automóvel. “Trabalhamos tanto para comprar um carrinho, para acabar com ele nessas ruas esburacadas, sem manutenção. Ainda bem que moro pertinho do Centro, dá para vir de bicicleta, mas e quem mora longe e tem que usar caro. Sem contar que o risco de acidentes é muito maior com tanto buraco”, afirmou.

A dona de casa Maria José Ribeiro, que mora na Rua Coronel Maurício Freitas, afirmou que já perdeu as contas de quantos acidentes já presenciou ou tomou conhecimento, por causa dos buracos. Ela também confirmou que nunca houve uma operação tapa-buracos na via e que esta virou rota de caminhões de carga que seguem em direção ao novo aeroporto do Rio Grande do Norte.

“Os acidentes acontecem quando os motoristas precisam reduzir a velocidade para não caírem nas crateras formadas na rua, que é mão dupla, e o carro que vem atrás não consegue frear a tempo de evitar a batida. Todo dia acontece isso aqui e já tem mais de três meses que esses buracos estão aí e ninguém da Prefeitura toma uma providência. Tem até boca de lobo aberta, que foi sinalizada pelos próprios moradores com galhos de árvores, para evitar que aconteçam mais acidentes”, desabafou.

O aposentado Wellington Silva também está revoltado com a situação de muitas ruas de Macaíba e disse que a expectativa é que, com a construção de mais uma ponte sobre o Rio Jundiaí, na altura do Solar Ferreiro Torto, diminua o fluxo de caminhões de carga pelas ruas do Centro de Macaíba. “Ouvi falar que iam construir essa nova ponte. Quem sabe ela não melhore a situação aqui”, falou.

Operação tapa-buraco a partir de agosto

Ciente dos transtornos reclamados pela população, a Secretaria de Infraestrutura de Macaíba deve iniciar uma operação tapa-buracos no início de agosto, logo após o fim do período de chuvas no Rio Grande do Norte. Há ainda um projeto para a construção de uma quarta ponte sobre o Rio Jundiaí, que ligaria a BR-226 à RN-160, e receberia todo o fluxo de veículos pesados que atualmente está passando pelas ruas do Centro.

Segundo o secretário de Infraestrutura, Rawplácido Saraiva, já foi feito o processo licitatório para a recuperação da malha viária do município e a expectativa é começá-la em três semanas, durando até o final do ano. Ele disse também que o projeto para a quarta ponte já está no Ministério dos Transportes há um ano e meio e que só falta a liberação para o início da construção, uma das principais reivindicações dos munícipes.

“O trânsito já era complicado antes e com a inauguração do aeroporto de São Gonçalo, as ruas do Centro viraram passagem obrigatória para os veículos de transporte de passageiros e de cargas, prejudicando ainda mais o asfalto, que já estava frágil por causa das chuvas. Essa ponte será a salvação de Macaíba, por isso, lutamos tanto para que ela saia do papel e se torne realidade”, afirmou.

Compartilhar: