Marcelinho conta que flagrou Casagrande se drogando no Flamengo

Um relato impressionante do vício de Casão e que, mesmo entregue a tudo aquilo, conseguiu orientar jovens jogadores do Flamengo

jogador fez revelação no programa de Rafinha Bastos. Foto: Divulgação
jogador fez revelação no programa de Rafinha Bastos. Foto: Divulgação

Em entrevista ao “Agora é Tarde”, de Rafinha Bastos, nesta quarta, o ex-jogador Marcelinho Carioca relembrou o dia em que o ex-jogador comentarista da Globo, Casagrande, na época atleta do Flamengo, apresentou as drogas que usava e o “conselho de pai” que ele deu ao então jovem jogador, Marcelinho: “não quero que você use isso, isso e isso. Eu tento largar isso e não consigo.”

Um relato impressionante do vício de Casão e que, mesmo entregue a tudo aquilo, conseguiu orientar jovens jogadores do Flamengo, recém-promovidos ao time profissional, entre eles Marcelinho, para não seguir pelo mesmo triste caminho das drogas. Confira:

“Por incrível que pareça, nunca falei isso, mas admiro muito ele. Eu tinha mais ou menos 17 anos, 18 anos de idade, jogando pelo Flamengo, fizemos uma excursão para a Europa, ali na Itália, jogando contra o Milan e a gente tinha acabado de subir para o profissional. E depois do jogo, ganhamos por 2 a 1, eu tinha arrebentado, feito gol, aí eu falei: ‘pô, Marquinhos [outro jovem atleta], vamos sair aqui, mas estamos duro igual um côco, vamos falar com quem? Ah, vamos chegar no Casão’. Mas o Casão falou: ‘vocês não vão sair, não. Moleque não tem que sair, tem de ficar na concentração'”, iniciou o relato.

“Beleza, aí na concentração, todo mundo saindo, uma barulheira e a fumaça saindo da porta de um quarto, e a gente curioso ali, né? Chegando as italianadas todas, zona, mulheres, aquilo tudo. ‘Pô, de quem é esse quarto?’ Daqui a pouco, botamos a cabecinha assim e sai o Casagrande, ele olhou a gente e fechamos a porta com medo. Daqui a pouco ele bateu na porta”, prosseguiu, Marcelinho, e seguiu com a história:

Casagrande: “Marcelinho, pode abrir aí que eu sei que vocês estão espiando.”

Marcelinho: “não, não, tamo não.”

Casagrande: “abre, agora.”

Casagrande: “você estão curiosos para ver o quê?”

Marcelinho: “nada, a gente não tava querendo ver nada, não.”

Casagrande: “vocês querem ver? Vem cá, então.”

“Ele pegou a gente pela mão, levou no quarto, abriu a porta, luzes azul, amarela, verde e vermelha, fumaça de tudo, eu olhando assim”, continuou Marcelinho.

Casagrande: vocês têm um futuro promissor, uma carreira linda e brilhante, o jogo de hoje você arrebentou, mas eu não quero que você use isso, isso e isso. Eu tento largar isso e não consigo.”

E Marcelinho comentou a Rafinha Bastos: “então você vê a cabeça desse cara. No momento de dor, de sofrimento, de loucura, ele anda teve a hombridade de orientar dois jovens, dois meninos ali.”

“Depois quando aconteceu todos os outros episódios que eu fui linkar uma coisa na outra. Até então, a gente tinha 17 anos, achava que era festa, aquelas coisas todas. Era uma loucura, o que nós vimos, eu me assustei muito, mas vi a hombridade dele de falar: ‘vocês têm o caminho da direita que é pro sucesso e pra vitória, e aqui é o caminho da destruição, é isso, isso, isso e aquilo tudo ali'”, acrescentou, Marcelinho, sobre o episódio marcante em seu início no futebol.

Questionado por Rafinha Bastos sobre o que tinha de droga na tal festinha, ele respondeu: “as drogas todas, aquela loucura, italianada toda, [tinha] de tudo que você possa imaginar. Estava ali e ele ainda teve a cabeça fria e inteligência de orientar a gente como se fosse um pai orientando um filho”, declarou, grato por aqueles conselhos que recebeu do hoje comentarista Casagrande.

Rafinha insistiu e quis saber se Marcelinho nunca tinha tido envolvimento com droga. “Não, graças a Deus, não”, disse ele, ressaltando toda a orientação que recebeu do pai, da família.

Fonte: Yahoo

Compartilhar:
    Publicidade