Marco Reus rompe ligamentos do joelho e é cortado da seleção alemã

Meia do Dortmund machuca o tornozelo, corre o risco de perder a Copa e ofusca goleada alemã e a bela atuação de Lukas Podolski. Miroslav Klose aproveita o amistoso e se torna o maior artilheiro da seleção alemã.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Entre poupados, lesionados e testes promovidos pelo técnico Joachim Löw, a Alemanha venceu o seu último amistoso antes da Copa do Mundo. Com gols de André Schürrle, Lukas Podolski, Benedikt Höwedes, Miroslav Klose, Mesut Özil e Mario Götze, duas vezes, a tricampeã mundial goleou a Armênia por 6 a 1, nesta sexta-feira (06/06), em Mainz.

Com um gol e três assistências, Podolski foi o nome do jogo, mas o resultado ficou em segundo plano: Marco Reus torceu o tornozelo, foi levado diretamente para o hospital e corre sério risco de perder a Copa do Mundo.

Justamente ele que foi o destaque positivo do primeiro tempo. Juntamente com Thomas Müller e André Schürrle, Reus deu uma dinâmica interessante ao ataque alemão. Mas com a contusão, o atleta do Borussia Dortmund se tornou também uma preocupação para o treinador: quando foi substituído, não conseguia sequer colocar o pé no chão e corre o risco de ser mais um cortado da Copa do Mundo por lesão.

As preocupações com lesões não são poucas no time alemão. Tanto é que a despedida do do time rumo ao Brasil não foi com a sua força máxima. Sem poder contar ainda com o goleiro titular, Manuel Neuer, lesionado no ombro, o atacante veterano Miroslav Klose (que entrou só no segundo tempo), o volante Bastian Schweinsteiger e os meias Lukas Podolski, Mario Götze e Mesut Özil, todos poupados, Löw resolveu fazer alguns testes visando o Mundial.

O principal foi no trio ofensivo. Uma opção, caso Klose não entre em forma a tempo, é justamente a escalação deste jogo: Marco Reus e André Schürrle no meio e Thomas Müller como falso centroavante. Os três se movimentaram bem e o jogo fluiu melhor do que no empate contra a seleção de Camarões, no último dia 1ᵒde junho, quando Özil e Götze apoiaram Müller no ataque. Mas falta ainda uma postura mais incisiva, com mais finalizações.

Outra mudança substancial foi a entrada de Philipp Lahm como volante, função que faz no Bayern de Munique desde a chegada de Pep Guardiola. Löw preferiu improvisar Höwedes na lateral esquerda para poder escalar a sua dupla de volantes favorita: Lahm e Khedira.

O jogo

Em todo o primeiro tempo, a Alemanha dominou as ações em campo e teve diversas boas chances para abrir o placar. Marco Reus parou uma vez no goleiro armênio e, em outra oportunidade, um zagueiro conseguiu salvar em cima da linha do gol. Jérôme Boateng cabeceou perigosamente depois de cobrança de escanteio.

Sempre com a bola no chão e com bastante movimentação, a seleção alemã buscou envolver a defesa armena – algo que foi alcançado em quase todos os momentos do jogo. Foram mais de 70% de posse de bola, mas com apenas seis chutes ao gol.

O principal momento do primeiro tempo foi a contusão de Marco Reus, que até os 44 minutos, quando pisou em falso e torceu o tornozelo esquerdo, era o melhor alemão em campo. A suspeita é de rompimento nos ligamentos do tornozelo. Caso a lesão seja confirmada, ele está fora da Copa do Mundo.

Passado o susto com a contusão, a Alemanha voltou mais concentrada no segundo tempo. Logo aos nove minutos, a conexão londrina Lukas Podolski, do Arsenal, e Schürrle, do Chelsea, voltou a funcionar. Como contra Camarões, Poldi cruzou e Schürrle, com categoria, se antecipou ao goleiro para abrir o marcador.

As chances iam se multiplicando. Boateng arriscou de longe e quase marcou um golaço. Özil acertou a trave direita. Até Khedira tentou de fora da área, para bela defesa de Roman Berezovsky. Mas em uma das poucas investidas da Armênia, Grosskreutz derrubou Mkhitaryan na área: pênalti. O próprio Miki cobrou e empatou a partida.

O gol armênio acordou a seleção alemã. Em apenas oito minutos após o empate, a Alemanha marcou três gols e resolveu a partida. Primeiro Lukas Podolski, depois Höwedes e por último Klose. Ele se tornou, com 69 gols, o maior artilheiro da história da seleção alemã, ultrapassando Gerd Müller.

O grande nome do jogo foi Lukas Podolski. Um gol e três assistências – inclusive a do quinto gol, marcado por Mario Götze – o jogador do Arsenal teve participação essencial para a construção do placar elástico no segundo tempo. Antes do apito final ainda sobrou tempo para Götze marcar o seu segundo gol na partida.

No último jogo antes da Copa, a vitória por 6 a 1 melhora a autoestima da seleção alemã. No dia 8 de junho, a Alemanha pousa no Brasil e começa a sua estadia no litoral baiano. Após o jogo o treinador Löw mostrou-se preocupado com a situação de Reus:

“Óbvio que pensamentos passam pela cabeça [no momento da contusão]. Mas a primeira reação é não se apavorar. Eu vi o pé inchado e torço para que nada tenha acontecido com os ligamentos. Estamos torcendo”, disse Löw.

Ficha técnica

Alemanha 6 x 1 Armênia

Local: Coface Arena – Mainz

Gols: André Schürrle (9′/2T), Henrikh Mkhitaryan (24′/2T), Lukas Podolski (27′/2T), Benedikt Höwedes (28′/2T), Miroslav Klose (32′/2T), Mario Götze (37′/2T e 43′/2T)

Cartões amarelos: Alexander Tumasyan (46′/2T)

Arbitragem: Harald Lechner (Áustria), auxiliado pelos compatriotas Andreas Staudinger e Maximilian Kolbitsch.

Alemanha: Roman Weidenfeller; Jérôme Boateng (Kevin Grosskreutz 22′/2T), Per Mertesacker, Mats Hummels e Benedikt Höwedes; Sami Khedira (Bastian Schweinsteiger 13′/2T), Philipp Lahm (Mesut Özil 1′/2T) e Toni Kroos; André Schürrle (Mario Götze 30′/2T), Marco Reus (Lukas Podolski 45′/1T) e Thomas Müller (Miroslav Klose 22′/2T). Técnico: Joachim Löw.

Armênia: Roman Berezovsky; Hrayr Mkoyan, Varazdat Haroyan, Robert Arzumanyan e Levon Hayrapetyan; Artur Yedigaryan e Rumyan Hovsepyan; Edgar Manucharyan (Alexander Tumasyan 32′/2T), Henrikh Mkhitaryan e Gevorg Ghazaryan; Yura Movsisyan. Técnico: Bernard Challandes.

Compartilhar: