Marcos do Psol afirma não ter medo de ser cassado por rasgar regimento

Vereador desafia: “Com alguns vereadores que temos, se me cassarem, estão dando atestado de boa conduta”

JU56UI67UI4

Joaquim Pinheiro

Repórter de Política

O vereador Marcos Antonio, do Psol, afirmou na manhã de hoje que rasgar o Regimento Interno da Câmara Municipal de Natal foi um ato simbólico em protesto à Mesa Diretora que, segundo ele, é quem vem violando-o e desrespeitando-o sistemática e repetidamente. Uma prova disso foi quando os vereadores aprovaram um requerimento na terça-feira da semana passada convocando o prefeito Carlos Eduardo Alves a prestar esclarecimentos sobre a bilhetagem unificada e, na quinta, dois dias depois, a Mesa articulou para desaprovar a mesma matéria, atendendo recomendações do Poder Executivo.

Marcos Antônio disse também não acreditar em punição pelo Conselho de Ética, já que segundo ele, para haver punição por parte da Comissão de Ética é preciso que seja provocada por algum vereador. “O que houve nesse caso foi apenas insinuação por parte do presidente da Casa de que houve quebra de decoro parlamentar”, explicou o vereador do Psol.

Segundo Marcos, a atitude dele como parlamentar e cidadão foi de denunciar à população de Natal que dentro da Câmara Municipal nem sequer a lei é respeitada. “A Mesa Diretora age e interpreta as normas regimentais ao sabor de suas conveniências na ânsia de defender o prefeito e seu governo a qualquer custo”, ressaltou, dizendo que não tem receio de cassação.

E completou: “com alguns vereadores que temos em Natal, se cassarem o meu mandato estão me dando um atestado de idoneidade moral e boa conduta, pois sinalizará para a população do município que não me curvei nem me curvarei às benesses do Poder”.

MEMÓRIA

Marcos do Psol rasgou o regimento interno da Câmara Municipal ao final da sessão de quinta-feira, quando após a Mesa levar a decisão do plenário a “desconvocação” do prefeito para esclarecimentos. Naquele momento, o vereador afirmou que estava fazendo, simbolicamente, o que a Mesa fazia quase que diariamente, ao desrespeitar o que está escrito e levar toda decisão para a aprovação do plenário, se valendo da maior bancada que tem.

O presidente da Câmara, Albert Dickson, do PROS, afirmou que estarava manifestação do vereador Bertone Marinho, do PMDB, sobre o caso. Bertone é presidente do Conselho de Ética da Casa. O Jornal de Hoje buscou contato com ele pela manhã, mas não foi possível.

DAMAS DE FERRO

Marcos Antônio diz também concordar com as declarações do vereador Ubaldo Fernandes, que mesmo sendo da base aliada, está reclamando o tratamento recebido por alguns secretários do prefeito Carlos Eduardo. “Justina Iva, da educação, Aila Pereira, da SEMUT e Elequicina Santos, da SEMOP, comportam-se como Margaret Thatcher, a dama de ferro da Inglaterra”, exemplifica o vereador, citando também nessa relação o procurador-geral do Município, Carlos Castim.

Compartilhar:
    Publicidade