Marina de mar aberto será apresentada pelos franceses à Fecomércio

Empresa francesa voltará à Natal e debaterá proposta

Secretário Fernando Bezerril espera atrair apoio da sociedade para novo projeto. Foto: Divulgação
Secretário Fernando Bezerril espera atrair apoio da sociedade para novo projeto. Foto: Divulgação

Marcelo Hollanda

hollandajornalista@gmail.com

Pela 11ª vez, em menos de dois anos, os executivos franceses da New Co, empresa especializada na construção e gestão de marinas na Europa, cumprirão pacientemente a conexão Paris-Natal.

No próximo dia 26, uma quarta-feira, eles voltarão a pisar na cidade pela 11ª vez para uma reunião aberta na recém-reformada sede da Federação do Comércio, Bens, Serviços e Turismo (Fecomércio), onde apresentarão a maquete eletrônica de uma estrutura para quase 500 embarcações nas proximidades do restaurante Tábua de Carne da Via Costeira.

O custo estimado da marina de mar aberto é de R$ 120 milhões e o terreno para o empreendimento faz parte de um espólio particular onde os entendimentos são avançados. O encontro na Fecomércio é uma espécie de preparação para uma audiência pública e, portanto, todo mundo foi convidado – de entidades ambientais a Ministério Público.

“Passamos a trabalhar diferente, agora estamos botando a boca no trombone, abrindo informações e chamando todo mundo para debater a marina de mar aberto, que se desenvolve paralelamente com a proposta da Marina do Rio Potengi”, comentou hoje o secretário municipal de Turismo e Desenvolvimento Econômico, Fernando Bezerril.

A New Co chegou ao Rio Grande do Norte pelas mãos do Ministério do Turismo e praticamente varreu todo o Nordeste antes de se decidir por Natal. O fato de seus executivos terem voltado tantas vezes para a cidade é vista como sinal de um interesse concreto no projeto, já que Natal é um das únicas capitais litorâneas brasileiras que ainda não é servida por uma estrutura de marina.

Para amarrar esse processo, o presidente da Federação do Comércio, Marcelo Queiroz, viajou recentemente à França para conhecer melhor o trabalho desenvolvido pelos franceses e acertar as bases para a instalação de uma escola de formação de aprendizes na futura marina de mar aberto de Natal, que contará com o apoio do sistema Fecomércio.

Depois de amarrar todos os detalhes com os franceses, que contaram com o apoio direto da Secretaria de Turismo de Natal, finalmente os passos mais importantes começam a ser dados com a apresentação dos detalhes do projeto.

“Trata-se de uma proposta que está sendo muito bem maturada antes de virar projeto e que tem um viés social muito forte, pois abrirá portas para que jovens de comunidades carentes – e naquela região isso não falta – participem ativamente da escola de aprendizes que trabalharão na nova marina”, lembrou Fernando Bezerril.

A representante do grupo francês New Co Marine, que tem sede em Antibes, sul da França, advogada Caroline Martins, explicou esta semana que a decisão da escolha por Natal, ocorreu pelas condições que a cidade oferece que favorece a obra. Entre essas condições, a quantidade e qualidade de hotéis, o clima e condições naturais.

O grupo aposta num modelo de desenvolvimento sustentável do equipamento a partir da participação dos jovens em cursos profissionalizantes com apoio da Fecomércio, UFRN e outras instituições de ensino.

Outra preocupação dos franceses é cumprir à risca com o debate de aspectos ambientais envolvendo a marina a partir de um estudo minucioso realizado de acordo com a legislação ambiental.

“Os franceses não querem adiantar o carro aos bois e estão fazendo direitinho o dever de casa, tratando a marina como uma proposta em busca do endosso da comunidade antes de empreender os passos mais decisivos”, comentou Bezerril.

A proposta da Marina foi concebida para abrigar 450 embarcações de 8 a 15 metros e pode gerar, no mínimo, 500 empregos diretos.

“A presença da Fecomércio, que administra o Hotel Barreira Roxa, Senac, Senai e UFRN para colocar em prática o polo de formação profissionalizante, foi construída para dar suporte institucional aos debates que se seguirão”, lembrou Fernando Bezerril.

Outra providência tomada para introduzir de vez a questão da marina junto à opinião pública e os formadores de opinião foi convidar uma audiência qualificada para introduzir o tema, antes da primeira grande reunião do próximo dia 26.

Compartilhar: