Médicos de Natal mantêm paralisação e aguardam contraproposta de Prefeitura

Categoria critica decisão da justiça que proíbe greves durante a Copa do Mundo

Foto: José Aldenir
Foto: José Aldenir

Após retomarem a paralisação das atividades nesta terça-feira (10), os médicos de Natal aguardam a apresentação da contraproposta do município para encerrar o movimento, conforme a diretoria do Sindicato dos Médicos do Rio Grande do Norte (Sinmed/RN). A categoria reivindica a incorporação das gratificações ao salário-base dos contratados para os regimes de 20h e 40h semanais ainda este ano ou, no máximo, em duas parcelas, até meados de 2015.

Segundo o diretor do Sinmed/RN, Flávio Bezerra, a última contraproposta apresentada pela Prefeitura, que incluía a incorporação das gratificações em três parcelas, a serem pagas até 2016, não foi aceita pela categoria, que decidiu retomar a paralisação. Nesta quarta-feira (11), apenas os serviços de urgência e emergência estão funcionando normalmente em Natal.

“Já a parte ambulatorial e de consultas eletivas está totalmente paralisado, até que o prefeito Carlos Eduardo apresente uma contraproposta que seja aceita pelos médicos do município. Reivindicamos algo justo, nada demais, mas o que nos foi oferecido não nos beneficia, pelo contrário”, afirmou.

Pela proposta dos médicos de Natal, o município deve incorporar o valor de R$ 3 mil ao salário-base dos médicos contratados para uma carga horária de 40h e de R$ 1,5 mil para os que trabalham 20h. “A nossa proposta é que a incorporação das gratificações seja feita em parcela única no mês de agosto próximo, ou, no máximo, em duas parcelas, sendo uma agora e a outra, no ano que vem”, explicou Flávio.

Sinmed ainda não recebeu notificação judicial

Os médicos de Natal iniciaram greve no dia 26 de maio passado, mas no dia seguinte, decidiram suspender a paralisação das atividades após a Prefeitura ter retomado as negociações com a categoria. Na última segunda-feira, o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte (TJRN) determinou a proibição da deflagração de greves durante a Copa do Mundo no Brasil, incluindo o Sinmed/RN.

No entanto, até o final da manhã desta quarta-feira (11), a entidade ainda não havia sido notificada judicialmente da decisão, que foi criticada pelo presidente do Sinmed/RN, Geraldo Ferreira. A determinação, proferida pelo desembargador Francisco Saraiva Sobrinho, prevê a aplicação de multa diária de R$ 20 mil aos sindicatos dos médicos, dos Agentes de Endemias (Sindas) e dos Guardas Municipais (SindGuardas), além de multa pessoal de R$ 2 mil aos presidentes das entidades.

Geraldo Ferreira criticou a decisão judicial e disse que a categoria não recebeu a notícia com bons olhos. “É autoritária e vai contra um direito constitucional dos servidores. Ainda não recebemos a notificação oficial, não sei o conteúdo dela, mas assim que ela chegar, vamos acionar a nossa assessoria jurídica, para decidirmos o que será feito. Lutamos pelo que é justo e não podemos ser penalizados por isso”, falou.

Compartilhar:
    Publicidade