Mercado imobiliário potiguar reage e velocidade de vendas cresce

Pesquisa apontou aumento de 1,7% no mercado imobiliário

Coletiva-do-Sinduscon-HD

Marcelo Hollanda

hollandajornalista@gmail.com

O Índice de Velocidade de Venda (IVV) do setor imobiliário da região metropolitana de Natal, que mede a relação entre a oferta e venda de imóveis, relativo ao primeiro trimestre deste ano, cresceu 1,7% em relação a dezembro de 2013 e foi recebido como uma “grata surpresa” pelas construtoras.

Hoje, pela terceira vez desde a implantação do índice pelo Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado (Sinduscon-RN), o presidente da entidade, Arnaldo Gaspar Júnior, reuniu os jornalistas para divulgar os números pesquisados pela empresa Consult junto a 32 construtoras filiadas.

Na comparação com os índices apurados no trimestre imediatamente anterior (outubro/novembro/dezembro), em consequência no aumento na velocidade de vendas dos imóveis residenciais, houve uma queda sensível no estoque disponível, que oscilava entre quatro a cinco mil unidades.

Pelo IVV anterior, Natal tinha, no trimestre anterior, imóveis disponíveis para dois anos na suposição (impossível) de que nada viesse a ser produzido durante o período. Mas pelos dados divulgados esta manhã na sede do Sinduscon-RN, na Candelária, essa previsão caiu pela metade, evidenciando um aquecimento no mercado.

Gaspar Júnior voltou a explicar que por lançamento entendam-se os imóveis na planta, em construção, acabamento e prontos e que um mês após o lançamento já engrossam o chamado estoque.

Um dado interessante mostrado pela pesquisa é que a grande maioria das pessoas (19,5%) dos consumidores prefere adquirir imóveis prontos do que na planta (5,02%), apesar de pagar mais caro por isso. Os imóveis em acabamento têm a preferência de 10,23%, enquanto na estrutura 4,62% e na fundação apenas 2,43%.

Para Arnaldo Gaspar Júnior, o imediatismo e a falta de planejamento – aspectos culturais que ele diz não julgar, apenas constatar – explicam a preferência do consumidor pelos imóveis prontos, além de uma dose de desconfiança na economia brasileira.

Segundo a pesquisa, fevereiro foi o mês com o maior número de lançamentos na região metropolitana durante o trimestre como 270 novas unidades. O número total do trimestre foi 38,5% maior na comparação com o anterior.

Não houve lançamentos de imóveis comerciais no primeiro trimestre de 2014. O estudo revela que fevereiro registrou o maior índice de venda deste tipo de imóvel que a pesquisa foi iniciada, em julho do ano passado.

De resto, as novidades reveladas pelo levantamento da Consult mostraram mudanças cosméticas, até pela proximidade com o anterior. Quase 88% da oferta de imóveis se deu em Natal e Parnamirim. Disso, a capital tem 67% da ofertas em bairros da Zona Sul (leia-se, pela ordem de importância, Lagoa Nova, Neópolis, Capim Macio, Ponta Negra e Pitumbu).

E embora as vendas de imóveis residenciais venham aumentando desde janeiro, no primeiro trimestre deste ano o volume de vendas de 980 unidades foi 8,1% menor que as vendas do último trimestre de 2013.

Arnaldo Gaspar quer debater o crescimento com a sociedade

Arnaldo Gaspar Júnior quer colocar num patamar mais elevado o debate sobre as tendências do mercado imobiliário. Nesta quinta-feira (29), no auditório da Federação da Indústria, ele promove um seminário para mostrar o que existe de realidade nos projetos atuais desenvolvidos por órgãos federais e estaduais e municipais, como o Departamento Nacional de Estradas de Rodagem (DNIT), Caern, Semopi/Semob, CBTU e Codern (Companhia Docas do RN). Não se esqueceu de incluir a UFRN para mostrar o que a academia vem desenvolvendo de projetos.

O JORNAL DE HOJE divulgou em primeira mão essa iniciativa na semana passada. O objetivo é esclarecer à opinião pública sobre todas as obras de infraestrutura que estão sendo executadas ou em projeto e a atual situação de cada uma delas. “Quem não quer saber a quantas anda a construção da reta Tabajara, já licitada?”, indagou.

A grande motivação do Sinduscon, neste momento, é entender para onde o concentrado mercado imobiliário da Capital poderá crescer. Arnaldo Gaspar Júnior acha necessário pilotar esse debate agora, já que a expansão da região metropolitana traz em seu rastro a necessidade urgente de expandir a infraestrutura.

Ele quer saber, por exemplo, o que órgãos públicos como a Caern vem fazendo para destravar o crescimento da Zona Norte da cidade, a região que notoriamente mais cresce na cidade, mas cujo desenvolvimento está engessado por falta de infraestrutura de saneamento básico.

Gaspar também vai recolocar no debate o eterno VLT – Veículo Leve sobre Trilhos -, outro mito urbano de Natal, cujo crescimento vem se pautando perversamente sobre o carro de passeio em detrimento do transporte de massa.

Hoje, Arnaldo Gaspar Júnior voltou a criticar o discurso contra a verticalização que emana de alguns segmentos preocupados com a qualidade de vida. “É preciso entender que o crescimento puxa investimentos e pressiona o poder público a correr com mais velocidade do que ele pode oferecer”, lembrou.

Com uma logomarca sugestiva (o mapa do RN estampado na íris de um olho e evidenciado com uma lupa) e os dizeres “De olho no Amanhã”, o presidente do Sinduscon-RN se propôs a reunir o maior número possível de formadores de opinião para iniciar um debate que não tem prazo para terminar.

Compartilhar:
    Publicidade