Mergulhador chora ao resgatar dois corpos juntos em um só colete salva-vidas

‘Comecei a chorar pensando que eles não queriam deixar um ao outro’, diz membro da equipe de resgate da balsa que afundou na Coreia do Sul

Um menino segurando uma flor presta homenagem às vítimas do naufrágio na Coreia do Sul. Foto: Divulgação
Um menino segurando uma flor presta homenagem às vítimas do naufrágio na Coreia do Sul. Foto: Divulgação

Um menino e uma menina da balsa sul-coreana que afundou com centenas de pessoas amarraram as cordas de seus coletes salva-vidas, relatou um mergulhador que recuperou os dois corpos, presumivelmente para que eles não se separassem. Alunos da escola Danwon, onde estudavam a maioria das vítimas do naufrágio, voltaram às aulas nesta quinta-feira.

“Eu comecei a chorar pensando que eles não queriam deixar um ao outro”, disse ele ao jornal “Kyunghyang Shinmun“ na ilha de Jindo nesta quinta-feira, perto de onde a embarcação naufragou na semana passada.

O pai do menino que ligou para o serviço de emergência antes mesmo que a tripulação emitisse um sinal de alerta acredita que seu corpo também foi encontrado, informou a guarda costeira. Os pais viram seu corpo e suas roupas, e concluiu que era de seu filho, mas o menino não foi formalmente identificado.

Das 476 pessoas que viajavam na balsa, apenas 174 puderam ser resgatadas, entre elas quase toda a tripulação, enquanto o número de mortos confirmados chegou nesta quinta-feira a 171. Outros 131 passageiros, a maioria adolescentes, permanecem desaparecidos — e já não há esperanças de encontrá-los vivos.

Durante a semana, flores e mensagens se acumularam fora dos portões da escola Danwon e ritos fúnebres ocorreram nas salas de aula, relatou a correspondente da BBC em Seul.

A balsa Sewol, pesando quase sete mil toneladas, afundou em uma viagem de rotina do porto de Incheon, perto de Seul, para a ilha de Jeju. As investigações estão focadas em erro humano e falha mecânica.

Fonte: O Globo

 

 

Compartilhar: