Meu filho tem que pagar pelo que fez, diz pai de jovem que matou ex

Christian confessou ter matado Bárbara dentro do canteiro de uma obra em Vila Velha

'Não deveria sair dali viva', disse jovem que matou ex-namorada. Foto: Marcos Fernandez/ A Gazeta
‘Não deveria sair dali viva’, disse jovem que matou ex-namorada. Foto: Marcos Fernandez/ A Gazeta

O pai do jovem Christian Cunha, que confessou a morte da ex-namorada Bárbara Richardelle, diz estar indignado e faz questão “de que seja feita justiça”. Segundo o microempresário Carlos Azevedo de 45 anos, se depender dele, o filho “vai pagar pelo que fez”. Na web, ele fez um desabafo e disse que está decepcionado e perdido.

Christian confessou ter matado Bárbara dentro do canteiro de uma obra em Vila Velha e o corpo foi abandonado às margens da Rodovia Darly Santos, na madrugada de terça-feira (18), cinco horas depois do assassinato. De acordo com as investigações da polícia, a jovem foi até o ex-namorado. Os dois já discutiam, há algumas semanas, após a jovem descobrir que fotos sensuais dela vazaram na internet. A vítima foi encontrada com sinais de estrangulamento, com o olho roxo e uma lesão na cabeça.

Carlos declarou, em entrevista ao jornal A Gazeta, que o casal tinha um namoro normal. Os dois moravam na mesma rua e o rapaz sempre teve um temperamento amável. “A família toda está arrasada. Minha mãe está passando mal. Meu irmão, que é advogado, não teve condições de lidar com o caso. Todos que o conhecem sabem o quanto seria improvável pensar que uma coisa dessas iria acontecer”, contou.

O microempresário não tem ideia do que Christian esconde quando diz que Bárbara sabia demais. “Não sei, fiquei surpreso. O que teria acontecido de tão grave se era um menino que vivia trabalhando comigo. Perguntei: ‘Meu filho, por que você fez isso?’ Ele respondeu que não pensou na hora. Então, eu perguntei se ele não tinha pensado em mim, na família, nele… E perguntei: ‘Você achou que iria ficar tudo bem?’”, questionou.

Na madrugada de terça-feira (18), Carlos voltava de São Paulo quando Christian ligou informando que Bárbara havia desaparecido e que estava sendo procurada pela família. Ele aconselhou o filho a ir até a casa da ex-namorada para dar apoio à família dela. Mas, ao chegar de viagem, soube que a vendedora estava morta. “Nessa hora, fiquei sem chão. Eu a conhecia… Então, comentei com o meu filho e ele disse que já sabia, que tinha visto no Facebook”, lembra.

Ao levar o filho para a Delegacia de Homicídios e Proteção às Mulheres (DHPM), Carlos não imaginava que o rapaz era culpado. “Cheguei confiante de que ele daria algum esclarecimento. Ao receber a notícia, perdi o chão, mas, agora, só quero que ele seja respeitado como ser humano. Queria conseguir fazer com que a sociedade enxergasse que não estou achando certo o que meu filho fez. Estou sendo pai. Pedi a proteção de Deus para ele, e que ele não faça uma besteira contra si mesmo”, comentou.

Apesar de reprovar a atitude do filho, o pai quer visitá-lo no presídio e diz que vai apoiá-lo. “Sou a única pessoa que o Christian tem e ele não pode ser abandonado. A mãe dele e eu nos separamos pouco tempo depois que ele nasceu. Fiz minha parte, fui um pai de verdade”, salientou, observando que o filho, que fazia curso para pilotar aviões, jogou o futuro fora.

Chance
O microempresário quer a oportunidade de conversar com a mãe de Bárbara, Selma dos Santos Costa, 48, para expressar o quanto está triste e envergonhado pelo que aconteceu. “Não tenho palavras. Diria que estou envergonhado, triste. Que fugiu da minha competência evitar isso. Cabe a mim olhar nos olhos dela e mostrar o quanto estou triste, decepcionado, arruinado. Não sei calcular a minha reação se o que aconteceu com ela ocorresse comigo.”, complementou.

Rede social
No Facebook, Carlos fez um desabafo e disse que está decepcionado e perdido. “Minha vida acabou. Não encontro palavras para expressar minha indignação mas afirmo que estou me empenhando para que a justiça seja feita na forma exata da legalidade. Tenho vergonha do que aconteceu. Tenho muita tristeza por conta de tudo isso. Barbara ficará para sempre em minha memoria”, diz em um trecho do depoimento.

Prisão
O jovem Christian Cunha se apresentou na Delegacia de Homicídios e Proteção à Mulher (DHPM), nesta terça-feira, e confessou o assassinato da ex. Em depoimento, contou que ele e Bárbara namoraram durante 1 ano e 3 meses, mas o relacionamento terminou um pouco antes do carnaval por causa do vazamento das fotos.

Os pais da vítima acompanharam o depoimento do jovem e se mostraram inconsoláveis com o desfecho do desaparecimento da filha. Segundo a polícia, antes de ser preso, Christian manteve contato com a família de Bárbara durante toda a noite e madrugada, dizendo que não sabia nada sobre o paradeiro da jovem. A polícia informou que familiares da vítima afirmaram que o rapaz demonstrou preocupação ao ser questionado sobre o desaparecimento.

Crime
Nesta segunda-feira (17), Christian pediu para que Bárbara passasse em uma obra na Praia da Costa, em Vila Velha, sob responsabilidade da empresa do seu pai, por volta das 17h. No local, os dois discutiram mais uma vez, e a garota foi embora. No entanto, de acordo com o rapaz, a ex-namorada retornou ao local por volta das 19h, mas outra discussão aconteceu. Nervosa, a jovem disse que não queria continuar a conversa, e citou que “o atual namorado iria buscá-la”. A família da moça diz desconhecer um novo namorado de Bárbara.

Transtornado com a informação, Christian disse ter surpreendido Bárbara, que tinha lhe dado as costas, e a esganou. Ela desmaiou, e ele acreditou que a ex-namorada estava morta. Ele então arrastou o corpo da garota para dentro da obra, e permaneceu ao lado dele até as 22h.
Christian relatou à polícia que, em um determinado momento, saiu da obra para comprar churrasquinho e guaraná. Segundo o delegado, Christian disse que se alimentou ao lado do corpo da ex-namorada e, ao perceber que Bárbara se mexeu, pegou uma cavadeira de obra e a golpeou na cabeça.

 

 

Fonte: Correio do Estado

Compartilhar:
    Publicidade